Quando a mente nos mente

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Quando a mente nos mente by Mind Map: Quando a mente nos mente

1. Efeitos na sociedade:

1.1. Estigma e preconceito

1.1.1. Acredita-se que as pessoas com doença mental são violentas e perigosas

1.1.1.1. Errado

1.1.2. Estas pessoas não são, na maior parte, assim e têm até mais probabilidade de ser atacadas

1.2. Consequências na economia (portuguesa)

1.2.1. Pouco acesso aos tratamentos

1.2.1.1. Países de baixo e médio rendimento

1.2.1.1.1. 76% a 85% dos doentes mentais não recebem tratamento

1.2.1.2. Países de alto rendimento

1.2.1.2.1. 35% a 50% dos doentes mentais não recebem tratamento

1.2.2. Grandes despesas

1.2.3. Falta de investimento em planos de saúde mental

1.2.4. Tratamentos escassos e elitistas

1.3. Negação da doença

1.3.1. a aceitação das doenças é sempre difícil devido ao estigma e pressão sociais

2. Problemas de psiquiatria

2.1. Ao longo da História

2.1.1. Lobotomia

2.1.1.1. Egas Moniz

2.1.1.1.1. Prémio Nobel

2.1.1.2. Walter Freeman

2.1.1.2.1. 3,5 mil lobotomias

2.1.1.2.2. 5 minutos

2.1.1.2.3. qualquer lugar

2.1.1.2.4. "Lobotomóvel"

2.1.1.3. Materiais

2.1.1.3.1. Picadores de gelo

2.1.1.4. Procedimento

2.1.1.4.1. através dos globos oculares

2.1.1.4.2. às vezes, precedidas de choques elétricos

2.1.1.4.3. outras vezes, pacientes conscientes

2.1.1.5. Resultados

2.1.1.5.1. Grande probabilidade de morte durante o procedimento

2.1.1.5.2. Necessidade de reaprendizagem de capacidades básicas (ex.: andar e falar)

2.1.1.5.3. Alterações da personalidade

2.1.1.5.4. Regresso frequente dos sintomas da doença

2.1.1.5.5. Danos irreversíveis

2.1.1.6. Abandonada pelos fármacos antipsicóticos

2.1.1.6.1. ainda é feita nos EUA

2.1.1.7. Utilização indevida

2.1.1.7.1. Crianças

2.1.1.7.2. Homossexuais

2.1.1.7.3. Mulheres

2.1.2. Outros Tratamentos

2.1.2.1. Infeção por malária

2.1.2.1.1. Julius Wagner von Jauregg

2.1.2.1.2. febres altas e convulsões inibem manifestações de loucura

2.1.2.1.3. Prémio Nobel

2.1.2.2. Convulsões por Metrazol

2.1.2.2.1. Ladislas von Meduna

2.1.2.2.2. convulsões epiléticas curam esquizofrenia

2.1.2.2.3. injeções intravenosas de Metrazol

2.1.2.2.4. convulsões violentas

2.1.2.3. Terapia por choque insulínico

2.1.2.3.1. Manfred Sakel

2.1.2.3.2. coma permite recuperar sanidade

2.1.2.3.3. resultados temporários

2.1.2.4. Eletroconvulsoterapia

2.1.2.4.1. Ugo Cerletti e Lucio Bini

2.1.2.4.2. eficácia entre 75 e 85%

2.1.2.4.3. mais segura, prática e barata

2.1.2.4.4. uso indevido

2.1.2.5. Drogas psicotrópicas

2.1.2.5.1. administravam-se drogas sem efeito curativo ou terapêutico

2.1.2.5.2. diagnósticos das doenças aumentavam quando um medicamento para elas estava "na moda"

2.1.2.5.3. interesses da indústria farmacêutica

2.1.2.5.4. não há medicamentos efetivos na psiquiatria

2.2. Atualmente

2.2.1. Problema da rotulação excessiva

2.2.1.1. Desde 1952, DSM passou de 106 para 365 perturbações mentais

2.2.1.2. Cerca de 1/3 da população mundial sofrerá de doenças mentais

2.2.1.3. Maior número de doentes ou conceção de doença mais abrangente?

2.2.1.4. Os diagnósticos de algumas perturbações não começarão já a entrar no campo da personalidade?

2.2.1.5. Foucault

2.2.1.5.1. "Uma doença só tem realidade e valor de doença no interior de uma sociedade que a considere como tal"

2.2.1.6. O que é o normal?

2.2.1.7. O Alienista

2.2.1.7.1. Machado de Assis

3. Apresentação das personagens (doenças)

3.1. O que são doenças mentais?

3.1.1. relacionam-se com

3.1.1.1. o humor

3.1.1.2. a ansiedade

3.1.1.3. a memória

3.1.1.4. a perceção

3.1.1.5. o pensamento

3.1.2. incapacitam os seus portadores a nível:

3.1.2.1. pessoal

3.1.2.2. social

3.1.2.3. laboral

3.2. Psicopatologia

3.2.1. estuda as doenças mentais

3.2.2. Questão da "normalidade"

3.2.2.1. Comportamentos mais comuns inseridos nos padrões da sociedade

3.2.2.2. Outros comportamentos podem ser indício de perturbação mental

3.2.2.3. No entanto, não há uma definição concreta

3.3. Hospitais (atuais, no geral)

3.3.1. Maqueta (lado atual)

4. Reflexões

4.1. Título: Cruel-mente

4.1.1. Potencialidades da Ciência

4.1.2. Constrangimentos da Ciência

5. Vídeo encenado por nós

6. Quais são as principais doenças?

6.1. Compulsão alimentar periódica

6.1.1. Comportamento em sociedade

6.1.2. Sintomas

6.1.2.1. Ingestão compulsiva de grandes quantidades de comida

6.1.2.2. Ansiedade e preocupações com o peso

6.2. Esquizofrenia

6.2.1. Comportamento em sociedade

6.2.1.1. Isolamento

6.2.2. Prevalência

6.2.3. Déficits

6.2.3.1. Perceção

6.2.3.2. Comunicação

6.2.3.3. Comportamento

6.2.3.4. Atenção

6.2.3.5. Afetos

6.2.3.6. Motricidade

6.2.4. Sintomas psicóticos

6.2.4.1. Delírios

6.2.4.2. Alucinações

6.3. Autismo - Perturbação do Espetro Autista

6.3.1. Comportamento em sociedade

6.3.2. Déficits

6.3.2.1. Comunicação e interação social

6.3.2.2. Linguagem verbal e emotiva

6.3.3. Rotinas obsessivas

6.3.3.1. Comportamentos e interesses restritos e repetitivos

6.3.4. Hiper ou hipo sensibilidade

6.3.5. Quem mais afeta

6.4. Perturbação Bipolar

6.4.1. Comportamento em sociedade

6.4.2. Prevalência

6.4.3. Estados de Mania

6.4.3.1. Energia e desinibição

6.4.3.2. Vontade de fazer muitas coisas

6.4.3.3. Perda da necessidade de dormir

6.4.4. Estados de Depressão

6.4.4.1. Falta de energia

6.4.4.2. Desmotivação

6.4.4.3. Isolamento

6.5. Perturbação Obsessiva Compulsiva

6.5.1. Comportamentos em sociedade

6.5.1.1. Rituais repetidos constantemente

6.5.2. Obsessões

6.5.2.1. Mais comuns

6.5.2.1.1. Medo de se contaminar devido a sujidade e germes

6.5.2.1.2. Medo de fazer mal a alguém

6.5.2.1.3. Sentimentos de dúvida

6.5.2.1.4. Ordem e simetria

6.5.3. Compulsões

6.5.3.1. Verificação

6.5.3.2. Contagem

6.5.3.3. Lavagem

6.5.3.4. Organização

6.5.4. Prevalência

6.6. Depressão

6.6.1. Comportamento em sociedade

6.6.2. Sintomas

6.6.2.1. Mau humor

6.6.2.2. Baixa autoestima

6.6.2.3. Incapacidade de realizar as tarefas

6.6.2.4. Sintomas físicos/corporais

6.6.3. Causas

6.6.3.1. Genética

6.6.3.2. Ação de desencadeantes/facilitadores

6.6.3.3. Personalidade do indivíduo

6.6.4. Quem mais afeta

6.6.5. Prevalência

6.6.6. "Ascensão" nos últimos tempos

6.6.7. Principal doença do século XXI

6.7. "doenças" polémicas

6.7.1. Transsexualidade

6.7.1.1. encarada como problema clínico a ser tratado

6.7.1.2. Devemos:

6.7.1.2.1. Tentar que as crianças se sintam bem no corpo que têm?

6.7.1.2.2. Dar-lhes liberdade para crescerem no corpo em que se sentirem mais confortáveis?

6.7.2. Homossexualidade

7. Como se manifestam?

8. Outros distúrbios alimentares

8.1. Anorexia

8.2. Bulimia

9. Vídeo tipo documentário

10. Voando sobre um Ninho de Cucos (1975)

11. DSM

11.1. Manual de Estatística e Diagnóstica das Perturbações Mentais

11.2. Todas as perturbações mentais assim consideradas pela comunidade científica

11.3. Alvo de polémicas

11.3.1. Não tem critérios rigorosos

12. Psiquiatria

12.1. foco mais clínico

13. Hospitais Psiquiátricos

13.1. Más condições

13.1.1. Falta de higiene

13.1.2. Pacientes usados como cobaias científicas

13.1.3. Sobrelotação

13.1.4. Subnutrição

13.1.5. Muitos morriam

13.2. Até meados do século XX

13.2.1. Maqueta (lado antigo)

13.2.2. Instrumentos para controlar pacientes

13.2.2.1. Camisas de forças

13.2.2.2. Choques elétricos

13.2.2.3. Operações no cérebro

13.2.2.3.1. como a lobotomia

13.2.2.4. "Utica crib"

13.2.2.5. Imobilização através de diversos instrumentos

13.2.2.6. Isolamento

13.2.2.7. Agressões físicas

13.2.3. Inexistência de tratamentos

13.2.3.1. Psiquiatras limitavam-se a:

13.2.3.1.1. dar apoio

13.2.3.1.2. obseravar (diagnosticar)

13.3. Atualidade

13.3.1. Utilização de medicamentos

13.3.1.1. Permitem recuperação do paciente

13.3.2. Desinstitucionalização

13.3.2.1. Hospedagem no Hospital só para pacientes graves

13.3.2.2. Outros podem viver com as famílias

13.3.2.3. Criação de unidades ambulatórias

14. Curiosidades

14.1. Relação entre doenças mentais e capacidades artísticas e criativas

14.1.1. A Paixão de Van Gogh (2017)

14.2. Acontecimentos macabros que se deram em manicómios