Avaliação de descritores na caracterização de seleções de espécies de Passiflora spp. com potenci...

Resumo referente ao artigo: Avaliação de descritores na caracterização de seleções de espécies de Passiflora spp. com potencial comercial

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Avaliação de descritores na caracterização de seleções de espécies de Passiflora spp. com potencial comercial by Mind Map: Avaliação de descritores na caracterização de seleções de espécies de Passiflora spp. com potencial comercial

1. Grande variabilidade genética

1.1. A utilização dos descritores morfológicos podem ser uma das maneiras mais rápidas e pouco dispendiosa para mensurar a diversidade genética de maracujazeiro, em comparação com os demais tipos de caracterização, como por exemplo, a caracterização molecular

1.1.1. Algumas espécies silvestres têm potencial para contribuir muito com o melhoramento genético de espécies comerciais.

2. Descritores utilizados

2.1. ensaios de DHE recomendados pelo Serviço Nacional de Proteção de Cultivares [SNPC] na caracterização de seleções de espécies de Passiflora spp. com potencial comercial

3. Métodos e materiais utilizados

3.1. As seleções de P. edulis foram caracterizados utilizando os 28 descritores preconizados pelo SNPC com o auxílio do manual prático de aplicação de descritores de Passiflora edulis

3.2. As seleções de Passiflora spp. foram caracterizados utilizando os 35 descritores (Tabela 1.) preconizados pelo SNPC com o auxílio do manual prático de aplicação de descritores de Passiflora spp.

3.3. A definição da classe fenotípica de cada descritor foi baseada na avaliação de pelo menos 12 folhas, flores ou frutos de pelo menos 12 plantas de cada acesso, como estabelecido nas instruções normativas publicadas pelo SNPC em 2016.

3.4. Com base nas matrizes de distâncias genéticas foram realizadas análises de agrupamento dos acessos via dendrograma, utilizando como critério de agrupamento o método da ligação média entre grupos não ponderados

3.5. Foi realizada também a dispersão gráfica baseada em escalas multidimensionais usando o método das coordenadas principais.

3.5.1. Descritores morfoagronômicos (35) preconizados pelo SNPC, para realização de ensaios de DHE de espécies silvestres de Passiflora spp., com suas respectivas classes fenotípicas ou categorias, e caracterização da cultivar

3.5.1.1. exemplo (BRS Pérola do Cerrado – BRS PC), SPA – Seleção P. auriculata, SPM – Seleção P. maliformis, SPQ – Seleção P. quadrangularis, SPNC – Seleção P. nitida (Cerrado), SPS – Seleção P. sidifolia, SPB – Seleção P. biflora, SPP – Seleção P. phoenicea e SPNA – Seleção P. nitida (Amazônia).

3.5.2. Descritores morfoagronômicos (28) preconizados pelo SNPC, para realização de ensaios de DHE de Passiflora edulis Sims, com suas respectivas classes fenotípicas ou categorias, e caracterização da cultivar

3.5.2.1. exemplo (BRS GA1) e dos acessos SPERN – Seleção P. edulis ‘roxo nativo’ e SPEAN – P. edulis ‘amarelo nativo’.

4. Potencial agronômico

4.1. Produção de frutos para o mercado de frutas frescas

4.1.1. Das espécies P. alata, P. setacea, P. nitida, P. tenuifila, P. cincinnata, P. quadrangularis e P. maliformis

4.2. Na produção de matéria-prima para doces e sorvetes.

4.3. Também substâncias bioativas com propriedades medicinais.

5. Resultados e discussão

5.1. Com a utilização dos 35 descritores de Passiflora spp. preconizados pelo SNPC, pela matriz de dissimilaridade genética entre as seleções de Passiflora spp. as distâncias genéticas variaram de 0,23 a 0,80.

5.2. A menor distância (0,23) foi observada entre as seleções de P. nitida do Cerrado e P. nitida da Amazônia.

5.3. Essas duas seleções são da mesma espécie, porém obtidas de populações coletadas em regiões diferentes, que, morfologicamente, diferem muito no tamanho do fruto e da flor.

5.3.1. A seleção do Cerrado apresenta maior tamanho de folha, flor e fruto

5.4. A maior distância genética (0,80) foi observada entre a seleção de P. biflora e a cultivar exemplo (BRS PC) e a seleção de P. quadrangularis. P. biflora

5.4.1. tem como principais características apresentar plantas de porte pequeno, flores pequenas e folhas bilobadas

5.4.2. Os frutos da espécie P. biflora também são pequenos e apresentam um número elevado de sementes, com baixo rendimento de polpa.

5.5. também encontraram distância genética que separou o subgênero Decaloba e o subgênero Passiflora. Esses resultados reforçam a clara separação entre os subgêneros.

5.5.1. quando se adota como ponto de corte a distância genética de 0,4 observa-se a separação de todos os acessos e da cultivar exemplo (BRS PC), com exceção dos acessos das seleções de P. nitida do Cerrado e da Amazônia.

5.5.1.1. Esse resultado reforça a coerência e adequação dos descritores do SNPC para a diferenciação de cultivares de Passiflora spp.

5.6. Os descritores morfoagronômicos preconizados pelo SNPC utilizados na caracterização dos acessos das seleções de Passiflora spp.

5.6.1. foram capazes de diferenciar todas as seleções, bem como, separar de forma clara os subgêneros Decaloba e Passiflora

5.6.1.1. Esta alta dissimilaridade genética entre acessos desses dois subgêneros possibilita a utilização dos mesmos como grupos divergentes no estudo de espécies do gênero Passiflora

5.6.1.1.1. verificaram uma ampla variação morfológica inter e intraespecífica, obtendo uma clara separação das espécies estudadas.

5.7. Quanto à utilização dos descritores do SNPC para a caracterização das seleções de P. edulis

5.7.1. observou-se uma menor distância (0,14) entre as seleções de P. edulis (roxo nativo) e P. edulis (amarelo nativo).

5.7.2. A cultivar exemplo (BRS GA1) apresentou a mesma distância genética (0,61) em relação às duas seleções de P. edulis nativos (seleção de minimaracujá roxo e minimaracujá amarelo).

5.7.3. Características de fruto, os acessos das seleções de P. edulis nativos

5.7.3.1. Apresentam frutos de tamanho pequeno, com formato arredondado, de coloração da polpa alaranjado claro, com alto teor de sólidos solúveis (>13 a 17º Brix)

5.7.4. Características gerais de estrutura de P. edulis nativos

5.7.4.1. As seleções de P. edulis nativos apresentam um menor comprimento do pecíolo da folha, um menor tamanho de flor, com menor comprimento de bráctea e menor diâmetro da flor, assim como, anel colorido nos filamentos da corona mais estreitos, quando comparados à cultivar exemplo (BRS GA1).

5.8. Pela análise de agrupamento ilustrada pelo dendrograma de dissimilaridade

5.8.1. observa-se que quando se adota como ponto de corte do gráfico a distância genética de 0,1; tem-se a separação de todas as seleções estudadas.

5.8.1.1. Uma característica importante e que serviu para diferenciar a seleção P. edulis (roxo nativo) das demais seleções de P. edulis Sims foi o menor comprimento do androginóforo.

5.8.1.1.1. A redução dessa estrutura é uma característica de interesse e objetivada em programas de melhoramento genético do maracujazeiro azedo.

5.8.1.1.2. Um menor comprimento do androginóforo em seleções de maracujazeiro azedo permite que as abelhas melíferas (Apis melifera L.) façam a polinização das flores

5.9. O resultado da análise de agrupamento evidencia a eficiência dos descritores do SNPC para a diferenciação de todas as seleções.

5.9.1. Esses descritores são utilizados nos processos de proteção de cultivares, mas podem e devem ser utilizados nas diferentes etapas dos programas de melhoramento, especialmente, quando o programa já apresenta seleções avançadas de melhoramento genético

5.9.2. Essa eficiência dos descritores nas diversas etapas do programa de melhoramento é alcançada porque a caracterização morfoagronômica para estudos de variabilidade genética tem sido feita principalmente com base em caracteres que sejam de fácil detecção e mensuração, e sofram pouca influência ambiental.

5.9.2.1. Embora características agronômicas quantitativas também tenham utilidade nesses estudos, principalmente quando são analisadas em delineamentos experimentais em diferentes ambientes

5.9.3. Os resultados obtidos com os descritores do SNPC, tanto para descritores de Passiflora spp. quanto para P. edulis, evidencia a existência de grande diversidade dentro do gênero Passiflora

5.9.3.1. inclusive grande variabilidade dentro da mesma espécie, como é o caso das seleções de P. nitida e as seleções de P. edulis e da cultivar exemplo (BRS GA1) que também é um P. edulis.

5.9.3.2. utilizando descritores morfoagronômicos, conseguiram evidenciar a existência de variabilidade genética entre acessos de maracujá

5.9.3.2.1. Os descritores morfoagronômicos preconizados pelo SNPC são eficazes na diferenciação de seleções tanto de Passiflora spp. quanto de P. edulis.

5.9.3.2.2. Os descritores utilizados foram capazes de diferenciar os subgêneros Decaloba e Passiflora e de seleções de diferentes espécies de maracujá com potencial comercial.