Agonistas e antagonistas dos receptores muscarínicos

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Agonistas e antagonistas dos receptores muscarínicos by Mind Map: Agonistas e antagonistas dos receptores muscarínicos

1. Acetilcolina

1.1. neurotransmissor natural e não apresenta aplicação terapêutica sistêmica já que sua hidrolise é rápida

1.2. Efeitos farmacologicos

1.2.1. Vasodilatação

1.2.2. Efeito cronotopico negativo

1.2.3. Efeito dromotropico negativo

1.2.4. Efeito indotrópico negativo

1.3. Efeitos diretos

1.3.1. - respiratório: aumento de secreções tratobroquicas e estimulação dos quimiorreceptores

1.3.2. - urinário: contração muscular do musculo detrusor, e aumento da pressão miccional e o peristaltismo uretal

1.3.3. - g.i.: aumento do tônus, aumento da atividade secretora do estomago e aumento da amplitude das contrações do estomago

2. Agonistas muscarinicos

2.1. Esteres da colina (ACh e outros)

2.2. Alcaloides colinomimeticos naturais e sinteticos

2.3. Somente metacolina, barbacol e betanecol teve aplicação clinica

2.4. uso terapeutico

2.4.1. usados no tratamento de distúrbios na bexiga, xerostomia e diagnostico de hiper-reatividade broquia e como farmacos mióticos em tratamento de glaucoma

2.4.2. acetilcolina: via tópica para indução de miose em cirurgia oftálmica

2.4.3. metacolina: inalação para diagnostico de hiper-reatividade bronquia em pacientes sem asma aparente

2.4.4. betanecol: tratamento de retenção urinaria e no esvaziamento inadequado da bexiga quando não apresenta obstrução orgânica e estimula o peristaltismo no trato GI

2.4.5. carbocol: via tópica no tratamento de glaucoma e não indução de miose durante cirurgia

2.4.6. pilocarpina: tratamento de xerostomia resultante depois de radioterapia da cabeça e do pescoço ou associada a síndrome de Sjogren, usada também no tratamento de glaucoma e como miótico

2.4.7. cevimelina: derivado da ACh possui menos efeitos adversos que a pilocarpina e tem afinidade ao receptor M3 nas glândulas lacrimais e salivares

2.5. contraindicação

2.5.1. pessoas com asma crônica, doença pulmonar obstrutiva, obstrução do trato GI ou urinaria, doença cardiovascular acompanhada de bradicardia, hipotensão, hipertensão e doença acido-peptica

2.6. efeitos adversos

2.6.1. diarreia, náusea, cólica intestinal, diaforese e efeitos adversos GI , aperto na bexiga, dificuldade de acomodação visual e hipotensão

3. Antagonistas muscarinicos

3.1. Alcoloides naturais atropina e escopolamina – beladona

3.2. Derivados semissintéticos desses alcoloides diferindo nos compostos originas ou pela duração

3.3. Derivados sintéticos que possuem seletividade por subtipos dos receptores muscarínicos

3.4. Homatropina e tropicamida possuem ação menos duradoras que a atropina e a metescopolamina

3.5. Ipratropio e tiotropio = compostos quaternários e não atravessam a barreira

3.6. Funções fisiologicas

3.6.1. Variam dependendo da sensibilidade ao bloqueio dos receptores muscrinicos

3.7. Doses

3.7.1. dose pequena

3.7.1.1. reduzem secreções salivares e broquias e sodorese

3.7.2. Dose alta

3.7.2.1. dilatação das pupilas e acomodação do cristalino e efeitos do coração são bloqueados

3.7.3. Dose mais alta

3.7.3.1. antagoniza controle parassimpático da bexiga e do trato GI

3.7.4. Dose ainda maior

3.7.4.1. necessárias para inibir a motilidade gástrica

3.8. Mecanismo de ação

3.8.1. a antropina e seus semelhantes competem com ACh e agonistas muscarínicos por local de ligação comum existente no receptor muscarínico.

3.8.1.1. Antagonismo produzido pela atropina é competitivo pode ser revertido se a a concentração ACh nos receptores aumentar o nível

3.9. Efeitos farmacológicos

3.9.1. Coração: alteração da frequência

3.9.2. Circulação: neutraliza a vasodilatação periférica e acentua a queda da pressão arterial em doses toxicas dilata os casos cutâneos

3.9.3. Sistema respiratório: pode causar broncodilatação e diminuição nas secreções traqueobronquias em indivíduos com doença respiratória

3.9.4. Olhos: bloqueiam respostas colinérgicas causando midríase e cicloplegia

3.9.5. Trato GI: são usados como farmacos antiespasmódicos e no tratamento de ulcera péptica

3.9.6. Secreções: pode abolir completamente a secreção salivar

3.9.7. Motilidade: nervos parassimpáticos aumentam o tônus e relaxa os esfíncteres

3.9.8. SNC: possui efeitos mínimos, leve estimulação de centros parassimpáticos bulbares. Em doses toxicas promovem excitação mais evidente causando intranquilidade, irritabilidade e delírio e em doses ainda maiores leva em colapso o sistema circulatório e a ocorre insuficiência respiratória após período de paralisia e coma

3.10. Ipratropio e Tiotropio

3.10.1. Uso exclusivo para efeitos no trato respiratório

3.10.2. Limita-se exclusivamente a boca

3.10.3. Boca seca = único efeito adverso

3.10.4. Uso em pessoas com Parkinson e no controle de efeitos extrapiramidais de farmacos antipsicóticos e prevenção de cinetose