COCOS GRAM POSITIVOS

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
COCOS GRAM POSITIVOS by Mind Map: COCOS GRAM POSITIVOS

1. Gênero Streptococcus

1.1. Streptococcus agalactiae (grupo B); S. pneumoniae; Streptococcus bovis; Streptococcus viridans

2. Staphylococcus

2.1. Grupo heterogêneo de bactérias, forma esférica, ausência de esporos

2.1.1. Gênero Staphylococcus: 46 espécies e 24 subespécies. Cabe destacar: aureus, epidermidis, saprophyticus

2.2. Staphylococcus aureus: espécie mais importante do gênero. Presente no trato respiratório superior (principalmente narinas)

2.2.1. Fatores de virulência: associados a parede celular: interação da bactéria com o hospedeiro - adesão, invasão e evasão. Secretados: exoproteínas com papel de agressinas e evasinas

2.2.1.1. Resistente à antibióticos: Meticilina e Vancomicina

3. Staphylococcus epidermis

3.1. Apresenta baixa virulência, comum nas infecções de implantes

3.2. Sensível a Vancomicina

3.3. Capacidade de formar biofilmes

4. Staphylococcus saprophyticus

4.1. Causam infecçõesnas vias urinárias em mulheres jovens sexualmente ativas

4.2. Respondem rapidamente a antibióticos e é rara a ocorrência de re-infecção

5. Streptococcus

5.1. Apresentam-se aos pares ou em cadeia. Fastidiosos (requerem sangue ou soro na cultura para crescer)

5.2. Classificação: por sorotipagem de Lancefild – (Grupos de A até V)

6. Streptococcus pyogenes

6.1. Apresenta polissacarídeo específico do grupo A de Lancefild

6.2. β-hemolíticos

6.3. Fatores de virulência: exotoxinas pirogênicas, estreptolisinas, estreptoquinase, DNAses, hialuronidase

6.4. Epidemiologia: pele, trato respiratório superior, cavidade oral, intestino

6.5. Manifestações clínicas: doenças estreptocócicas supurativas: Envolvem a presença da bactéria e pus

7. Gênero Enterococcus sp

7.1. E. faecalis, E. faccium

7.2. Habitualmente não hemolítico

7.3. Oportunistas reconhecidos como causa importante de infecções hospitalares

7.4. Doenças causadas: Infecções do trato biliar, peritonite, meningite, bacteremia do RN

8. Provas de identificação de Staphylococcus spp.

8.1. Prova da catalase: diferencia as famílias Sataphylococcus da família Streptococcus. A prova é feita na lâmina. Staphylococcus vai dar positivo

8.2. Prova da coagulase - Positiva apenas em S. aureus. Coagulase livre: feita em tubo no caldo de BHI, quando positivo apresenta coágulo. Padrão ouro. Coagulase conjugada: feita em lâmina, formação de aglutinação se positivo

8.3. Fermentação em ágar manitol: meio de cultura seletivo para Staphylococcus. Positivo acontece a mudança de cor de vermelho, para amarelo

8.4. Prova de DNAse: feito em placa para semeio, formação de halo claro ao redor da colônia. Positivo para S. aureus, negativo em S. epidermidis e S. saprophyticus

8.5. Teste de sensibilidade a novobiocina: feito em ágar Miller-Hinton com disco de novobiocina. Formação de halo no caso da S. epidermidis e S. aureus. A S. sapropyticus apresenta resistência natural a novobiocina

9. Provas de identificação para diferenciação de Streptococcus spp.

9.1. Prova da bacitracina: feita com caldo de BHI ou TSB recém turvado, realizar a semeadura em meio de ágar sangue contendo disco de bacitracina. Positivo para a formação do halo S.pyogenes ao redor do disco indicando sensibilidade

9.2. Camp Test: na metade da placa de ágar sangue, semeia-se de ponta a ponta, uma amostra de Staphylococcus aureus produtor de beta-hemolisina e semear perpendicularmente a bactéria a ser testada, sem que haja o contato entre elas. Teste positivo para Streptococcus agalactiae com formação de meia lua

9.3. Teste de hidrólise hipurato: apenasS. agalactiae produz a enzima que hidrolisa o hipurato, produzindo coloração púrpura no meio de cultura após adição de cloreto férrico. Caso positivo de Streptococcus agalactiae.

9.4. Teste de optoquina: feita a partir do caldo de BHI ou TSB recém turvado, semear em meio ágar sangue com o disco de optoquina. Positivo com formação de halo de inibição de 14mm ou mais para disco de 6 mm. Utilizada para identificação de Streptococcus pneumoniae

9.5. Teste de bile esculina: Semear colônia de bactérias, teste em meio bile-esculina e incubar, a identificação da marrom-esculina é positivo. Meio seletivo para Streptococcus bovis e Enterococcus sp.

9.6. Tolerância ao NaCl: Meio base utilizado é o BHI caldo. Crescimento bacteriano com turvação do meio. Positivo para Enterococcusspp