ROMANTISMO NO BRASIL

Project Control, Project Closing, Timeline template

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
ROMANTISMO NO BRASIL by Mind Map: ROMANTISMO NO BRASIL

1. Segunda Geração

1.1. "Mal do século"

1.1.1. Pessimismo exacerbado

1.1.2. Morte como solução

1.2. Álvarez de Azevedo

1.2.1. 1831-1852

1.2.2. Teatrólogo

1.2.3. "O poeta da morte"

1.2.4. Obsessão pela morte

1.2.4.1. (...) "Tenho febre - meu cérebro transborda... Eu morrerei mancebo, inda sonhando Da esperança o fulgor! Oh! cantemos ainda! a última corda Inda palpita... morrerei cantando O meu hino de amor!" - Lira dos vinte anos

1.3. Fagundes Varela

1.3.1. 1841-1875

1.3.2. A perda de um filho, e da mulher

1.3.3. Alcoólatra

1.3.4. Ultrarromantismo

1.3.5. Poesia de transição

2. Terceira Geração

2.1. Condoreira

2.1.1. Liberdade

2.1.2. Pássaro Condor

2.1.3. Escravidão

2.1.4. Castro Alves

2.1.4.1. 1847-1871

2.1.4.2. "Poeta dos escravos"

2.1.4.3. Idealização do escravo

2.1.4.4. Poesia de cunho social e político

3. Primeira Geração

3.1. Nacionalista ou Indianista

3.1.1. O herói nacional

3.1.2. O índio x O cavaleiro medieval

3.1.3. Gonçalves de Magalhães

3.1.3.1. 1811-1882

3.1.3.2. Suspiros Poéticos e Saudades (1836)

3.1.3.2.1. " (...) O fim deste Livro, ao menos aquele a que nos propusemos, que ignoramos se o atingimos, é o de elevar a Poesia à sublime fonte donde ela emana, como o eflúvio d'água, que da rocha se precipita, e ao seu cume remonta, ou como a reflexão da luz ao corpo luminoso; vingar ao mesmo tempo a Poesia das profanações do vulgo, indicando apenas no Brasil uma nova estrada aos futuros engenhos. A Poesia, este aroma d'alma, deve de contínuo subir ao Senhor; som acorde da inteligência deve santificar as virtudes, e amaldiçoar os vícios. O poeta, empunhando a lira da Razão, cumpre-lhe vibrar as cordas eternas do Santo, do Justo, e do Belo. (...) Seja qual for o lugar em que se ache o poeta, ou apunhalado pelas dores, ou ao lado de sua bela, embalado pelos prazeres; no cárcere, como no palácio; na paz, como sobre o campo da batalha, se ele é verdadeiro poeta, jamais deve esquecer-se de sua missão, e acha sempre o segredo de encantar os sentidos, vibrar as cordas do coração, e elevar o pensamento nas asas da harmonia até às idéias arquétipas(...)"

3.1.3.3. Teatrólogo

3.1.4. Gonçalves Dias

3.1.4.1. 1823-1864

3.1.4.2. Direito e Jornalismo

3.1.4.3. Tuberculose e Naufrágio

3.1.4.4. Poesias

3.1.4.5. José de Alencar citou: "Dias é o poeta nacional por excelência: ninguém lhe disputa na opulência da imaginação, no fino lavor do verso, no conhecimento da natureza brasileira e dos seus costumes selvagens".

4. Romantismo em Portugal

4.1. Almeida Garret publica o poema Camões, em 1825.

4.2. Medievalismo

4.2.1. "Lamia" 1905 por John William Waterhouse (1849–1917)

4.3. Popularização da Literatura

4.4. Ultrassentimentalismo

5. Características universais

5.1. Subjetivismo

5.2. Egocentrismo

5.3. Sentimentalismo

5.4. Idealização

5.5. Religiosidade

5.6. Valorização da Burguesia

6. Características do Romantismo brasileiro

6.1. Nacionalismo

6.1.1. Canção do Exílio, pertencente a Gonçalves Dias: Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar –sozinho, à noite– Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá. De Primeiros cantos (1847)

6.2. Indianismo

6.2.1. O Guarani de José de Alencar

6.3. "Suspiros Poéticos e Saudades" de Gonçalves de Magalhães

7. FONTES: Apostila número 4, Ético Sistema de Ensino - Todos os direitos reservados.