10 dicas para uma gestão financeira profissional na Advocacia

Get Started. It's Free
or sign up with your email address
Rocket clouds
10 dicas para uma gestão financeira profissional na Advocacia by Mind Map: 10 dicas para uma gestão financeira profissional na Advocacia

1. Introdução

1.1. Objetivo não é ganhar dinheiro, mas a estabilidade e previsibilidade financeira

2. Não separar despesas pessoais das do escritório

2.1. Retiradas do caixa

2.2. Ter controle das finanças pessoais

2.2.1. Mudanças de hábitos pessoais influenciam na gestão do seu negócio

3. Não fazer planejamento da estratégia financeira

3.1. Planejamento dos investimentos e dos custos no curto, médio prazo

3.2. Ferramenta garante a continuidade e lucratividade do negócio

3.3. Envolve

3.3.1. Controle financeiro

3.3.1.1. Quais os custos fixos e variáveis a serem assumidos

3.3.1.2. Contas a pagar e receber

3.3.1.3. Categorias das despesas e recebimentos

3.3.2. Criação de categorias de controle

3.3.2.1. Operacionais

3.3.2.1.1. Receitas

3.3.2.1.2. Custos (varia conforme as vendas)

3.3.2.1.3. Despesas

3.3.2.2. Investimentos

3.3.2.2.1. Compra de Ativos Fixos

3.3.2.2.2. Venda de Ativos Fixos

3.3.2.3. Financiamento

3.3.2.3.1. Positivo

3.3.2.3.2. Negativo

3.3.3. Acompanhamento

3.3.4. Análise dos dados

3.3.5. Projeções

3.3.5.1. Recebimento de honorários

3.3.5.2. Estimativa de tempo médio de recebimento dos clientes (em função do tipo de serviço prestado)

3.3.5.3. Dificuldade por falta de produtos de renda previsível

3.3.6. Suporte para tomada de decisões

3.3.6.1. Investimentos

3.3.6.2. Financiamentos

3.4. Não ter ideia das despesas fixas

3.5. Faturamento aumenta junto com dívidas

3.6. Impossibilidade de investir em projetos por falta de previsibilidade do fluxo de caixa

3.7. Boa hora para contratar uma consultoria especializada

3.8. Criar processos para os lançamentos, pagamentos, autorizações, conciliação bancária, arquivamento da papelada, periodicidade e formato das reuniões,

4. Tomar decisões sem informações financeiras confiáveis

5. Tomar cuidado com maus pagadores

6. Não fazer nada quando o escritório entra no vermelho

6.1. Cortar custos

6.1.1. Quais custos cortar?

6.1.2. Quais custos são indispensáveis às operações do escritório?

6.2. Renegociar dívidas

7. Não ter alguém responsável pela gestão financeira

7.1. Disponibilidade de informação precisa, acessível e clara

7.2. Alguém disciplina e com facilidade de criar e seguir processos e rotinas

7.3. Lançamentos podem ser feitos por outro

8. Não fazer controle do fluxo de caixa

8.1. Controle das entradas e saídas de recursos do escritório

8.2. Permite se antecipar às situações financeiras

8.3. Não terceirizar o controle para o contador

8.4. Receitas operacionais - Despesas e Custos Operacionais = fluxo de caixa

8.5. Mostra se o seu escritório está dando lucro ou não

8.5.1. Sei, por exemplo, se vou ficar negativo no dia 25 do mês e só voltar a ficar positivo no dia 03, com recebimentos de clientes

8.5.2. Isso leva a necessidade de contrair um empréstimo no banco, com juros mais baixos do que o do cheque especial.

8.6. Deve ser periódico

8.7. Análise para verificar se haverá escassez ou excedente de caixa num determinado período

8.7.1. Após um ano de controle financeiro, esta previsão começa a ficar cada vez mais precisa

8.8. Dificuldade pela ausência de receitas previsíveis, por falta de produtos mais consistentes

8.9. Ferramenta que ajuda na tomada de decisões

8.9.1. Quanto posso pagar por um estagiário

8.9.2. Quanto posso investir em marketing jurídico

8.9.3. Quais custos fixos deve diminuir ou cortar

8.9.4. Tenho dinheiro para fechar o mês?

8.9.5. Quanto e quando devo ajustar meus preços

8.9.6. Posso parcelar o pagamento dos honorários no mês que vêm?

8.9.7. Quais são as fontes de receita mais promissoras

8.9.8. Quais as fontes de despesas e custos mais comprometedores

8.9.9. Tenho que abandonar um projeto que envolve custos proibitivos?

8.9.10. Tenho que comprar de forma parcelada?

8.9.11. Tenho que renegociar dívidas com fornecedores?

8.9.12. Mudança nas metas de clientes

8.9.13. Quanto deve ser o pró-labore dos sócios?

8.9.14. Quanto e quando os sócios podem fazer retiradas sem prejudicar a saúde financeira do escritório

8.9.15. Quando é seguro contrair um empréstimo e a que taxas para investir no crescimento do negócio

9. Precificar os serviços sem critérios financeiros precisos

9.1. FAlta de conhecimento dos custos, despesas e receitas

9.2. Preço mercado, tabela de honorários e equilíbrio entre despesas e receitas

9.2.1. Preço acima do mercado, perde para o concorrente

9.2.2. Preço abaixo do mercado, diminuição do lucro ou prejuízo

9.3. Preço deve ser ajustado para cobrir todos os custos fixos e variáveis, diretos e indiretos

9.4. Você deve entender quem é seu concorrente e que preços ele está praticando

9.4.1. Como posso fazer para oferecer mais valor ou menor preço

9.5. Tudo que agrega valor ao produto deve ser incorporado ao preço

9.5.1. Atendimento personalizado (demanda tempo)

9.5.2. Visitas

9.5.3. Procurar um custo médio destas despesas para incorporar no preço dos serviços

9.6. Converse com o contador sobre preço

10. Usar sistemas ruins para controle financeiro

10.1. Sistema que automatiza e integra maior número de operações

10.2. Não apurar resultados

10.3. Não automatizar controle de adiantamento de custas do cliente

10.4. Relatórios úteis e objetivos

10.4.1. Contas e recebimentos vencidos

10.5. Conciliação bancária