Online Mind Mapping and Brainstorming

Create your own awesome maps

Online Mind Mapping and Brainstorming

Even on the go

with our free apps for iPhone, iPad and Android

Get Started

Already have an account? Log In

A evolução da Web by Mind Map: A evolução da Web
0.0 stars - 0 reviews range from 0 to 5

A evolução da Web

Neste mapa explicaremos o processo de evoluçao da Web através dos tempos. A internet foi criada em 1969 com a intenção de uso militar. No anos 80 o senhor Timothy John Berners-Lee  inventou a World Wide Web que significa Rede de alcance mundial. Em 25 de dezembro de 1990, com a ajuda de Robert Cailliau e um jovem estudante, implementou a primeira comunicação bem-sucedida entre um cliente HTTP e o servidor através da internet.   Links Para Pesquisa: http://diario.iol.pt/tecnologia/internet-net-web-e-mail-jornal-portugaldiario/953274-4069.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Tim_Berners-Lee http://pt.wikipedia.org/wiki/HTTP http://pt.wikipedia.org/wiki/World_Wide_Web

O que é Internet?

A Internet é um conglomerado de computadores interligados por uma rede que permite o acesso à informações e todo tipo de transferência.   http://pt.kioskea.net/contents/internet/internet.php3   http://pt.wikipedia.org/wiki/Internet  

Web 1.0

Web 1.0: web unidireccional, “empurrada” A definição de Web 1.0 depende completamente da definição de Web 2.0. A Web 1.0 oferece as seguintes utilidades: Localizador ou Identificador Uniforme de Recursos (URL ou URI) para identificar recursos (por exemplo, documentos, dados) na Web, e saber onde encontrá-los. Hypertext Markup Language (HTML) linguagem para representar o conteúdo em termos de páginas na Web e de expressá-las em links Hypertext Transfer Protocol (HTTP) protocolo para mover dados na Web e em toda a Internet Os sites de Web 1.0 são estáticos - eles contêm informações que podem ser úteis, mas não existe razão para que um visitante retorne ao site mais tarde. Um exemplo pode ser uma página pessoal que ofereça informações sobre o dono do site, mas que não mude nunca. Uma versão Web 2.0 dessa idéia seria um blog ou perfil no MySpace, que os proprietários pudessem atualizar freqüentemente. Os sites de Web 1.0 não são interativos - os visitantes podem visitá-los, mas não modificá-los ou contribuir com eles. A maioria das organizações têm páginas de perfis que visitantes podem consultar mas sem fazer alterações, enquanto um wiki permite que qualquer visitante realize mudanças. Os aplicativos da Web 1.0 são fechados - sob a filosofia da Web 1.0, as empresas desenvolvem aplicativos de software que os usuários podem baixar, mas não são autorizados a ver como o aplicativo funciona, ou a alterá-lo. Um aplicativo de Web 2.0 é um programa de fonte aberta, o que significa que todos veêm o código-fonte do programa. Os usuários podem ver como o software funciona e modificá-lo, ou até mesmo construir novos aplicativos com base em programas antigos. O Netscape Navigator, por exemplo, era um aplicativo fechado da era da Web 1.0. O Firefox segue a filosofia da Web 2.0 e oferece aos criadores de software todas as ferramentas que eles precisam para criar novos aplicativos para o Firefox.   http://informatica.hsw.uol.com.br/web-101.htm   http://web20pt.wordpress.com/2008/02/17/the-changing-intraweb-from-10-to-30/ http://turmae2009.bligoo.com/content/view/559620/Web-1-0-Web-2-0-Web-3-0.html

Web 2.0

Web 2.0 é um termo criado em 2004 para designar uma segunda geração de comunidades e serviços, tendo como conceito a "WEB como plataforma", envolvendo wikis, aplicativos baseados em folksonomia (classificação colaborativa de conteúdo (sites, músicas, filmes, textos etc.) com palavras-chave, também chamadas de keywords, marcadores e tags livremente escolhidas), redes sociais e Tecnologia da informação. Embora o termo tenha uma conotação de uma nova versão para a Web, ele não se refere à atualização nas suas especificações técnicas, mas a uma mudança na forma como ela é encarada por usuários e desenvolvedores, ou seja, o ambiente de interação e participação que hoje engloba inúmeras linguagens e motivações. Web 2.0 está mais próxima da visão original de Tim Berners Lee ... a Web como verdadeira colaboração, meio de interação, comunicação global e compartilhamento de informações. O criador do termo, Tim O’Reilly, escreveu que “Web 2.0 é a revolução nos negócios da indústria da informática causada pela mudança para a internet como plataforma, e uma tentativa de entender as regras de sucesso dessa nova plataforma”. Mas há muita polêmica em torno desse termo. Para alguns, ele significa uma nova era digital; para outros, não passa de uma jogada de marketing. Há também o grupo daqueles que não têm a menor idéia do que se trata. Já se fala, inclusive, em Web 3.0.  

Web 3.0

Você nunca sabe como realmente será a tecnologia do futuro. No caso da Web 3.0, a maioria dos especialistas em Internet concorda sobre suas características gerais. Eles acreditam que a Web 3.0 oferecerá aos usuários experiências mais ricas e mais relevantes. Muitos também acreditam que com a Web 3.0, todos os usuários terão um único perfil na Internet baseado no histórico de navegação de cada um. A Web 3.0 utilizará esse perfil para ajustar a experiência de navegação de cada indivíduo. Isso significa que se duas pessoas diferentes realizassem uma pesquisa na Internet com as mesmas palavras-chaves utilizando o mesmo serviço, elas receberiam resultados diferentes determinados por seus perfis individuais. Outros especialistas acreditam que a Web 3.0 vai surgir do começo. Em vez de utilizar o HTML como linguagem básica de codificação, ela irá depender de alguma linguagem nova e ainda sem nome. Esses especialistas sugerem que seria mais fácil começar do básico do que tentar mudar a Web atual. Todavia, essa versão da Web 3.0 é tão teórica que é praticamente impossível dizer como ela funcionará. Esta inovação está focada mais nas estruturas dos sites e menos no usuário. Pesquisa-se a convergência de várias tecnologias que já existem e que serão usadas ao mesmo tempo, num grande salto de sinergia. Banda larga, acesso móvel à internet, e a tecnologia de rede semântica, todos utilizados juntos, de maneira inteligente e atingindo a maturidade ao mesmo tempo. Assim, se passaria da World Wide Web (rede mundial) para World Wide Database (base de dados mundial), de um mar de documentos para um mar de dados. Quando isso começar a acontecer de forma mais intensa, o próximo passo, num prazo de cinco a dez anos, será o desenvolvimento de programas que entendam como fazer melhor uso desses dados.   http://www.peabirus.com.br/redes/form/visualizar?pub_id=82504 http://pt.wikipedia.org/wiki/Web_3.0

Benefícios e Crescimento da Web

Compartilhamento de informação. Fácil criação de conteúdo e aplicações para distribuição global. Simples manutenção. Usuário não precisa instalar software na máquina. Acesso de qualquer lugar do planeta. Comércio Eletrônico. Beneficios para o cliente. Acessibilidade a todos no mundo, de qualquer lugar.

Social

Com a internet e a sua evolução ocorreu uma grande interação e sociabilização entre as pessoas no mundo inteiro. Sites como Orkut, Facebook, Messenger, Myspace, dentre outros, viraram mania mundial.

Evolução da Web na sociedade

Web para todos Independente da língua, da habilidade dos usuários, da localilzação geográfica ou do dispositivo usado para acesso Web em todas as coisas Não somente em PCs, mas em telefones, PDAs, Televisão, etc. Existem 3,3 bilhões de celulares no mundo (Informa Telecoms and Media) Atinge a metade da população mundial Crescimento de 18% em 2007 Maior crescimento em mercados emergentes como India e China No futuro: um computador por familia, mas um (ou mais) telefones móveis por pessoa Em países em desenvolvimento para muitas pessoas será a única forma de ter acesso a Internet

Evolução da Web no Brasil

A INTERNET começou a ser utilizada no Brasil, em meados de 1989 e 1990, somente por Instituições de pesquisas e um pouco depois por Universidades, permanecendo, assim, até o final de 1995, quando a exploração comercial teve início com a liberação de um BackBone lançado pela EMBRATEL, com um grande incentivo para a sua propagação da mídia, que passou a abordar o assunto, utilizando-se até de novelas. Há dois anos atrás, o país contava com  cerca de 6 milhões de usuários de INTERNET, enquanto em todo mundo existiam aproximadamente de 349 milhões de usuários. Em janeiro de 2003, já existia no Brasil 22,4 milhões de usuários enquanto nos Estados Unidos são 120,5 milhões de internautas. De acordo com os dados acima, não é difícil imaginar o atraso que estamos em relação a outros países, apesar de estarmos na 9ª posição em relação à quantidade de usuários, razão pela qual Lawrence Lessing, jurista norte-americano e um dos mais respeitados cyberlaw, aconselhou aos brasileiros: “Liberem as estruturas físicas da INTERNET – o telefone, o cabo, o acesso sem fio – e irão libertar o Brasil para criar e construir a INTERNET”. Nos Estados Unidos, por exemplo, “em 1995, os consumidores americanos preencheram 49,5 bilhões de cheques. Já, em 2000, esse número caiu de 14%, passando para 42,5 bilhões. Isso se deu em razão do aumento da procura pelo pagamento de fatura on-line que vem sendo utilizado atualmente por cerca 12 milhões de famílias norte-americanas, isto é, um número em franco crescimento em relação aos 10 milhões de lares que utilizam essa forma de pagamento ”. Esta mentalidade na América Latina, como um todo, é algo ainda bastante atrasado haja vista que a utilização de banda larga está começando só agora a popularizar-se, enquanto nos Estados Unidos a tendência são as conexões sem fio (Wireless ou Wi-fi). A integridade da comunicação de massas, que mantinha firme os elos culturais populares entre as classes altas e baixas se desfez. Pode-se dizer que o boom da internet no Brasil coincidiu com o aparecimento da chamada web 2.0.   http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/1351/A-evolucao-da-internet-no-Brasil-e-a-dificuldade-de-sua-regulamentacao http://www.webdialogos.com/tag/evolucao-da-internet-no-brasil/

Uso da Internet no mundo

A língua dominante da comunicação na Internet é o inglês. Isto talvez seja o resultado das origens da Internet, assim como o papel do inglês como língua franca. Além disso, isso também talvez esteja relacionado às grandes limitações dos primeiros computadores, que foram fabricados na maior parte nos Estados Unidos, que não compreendem outros caracteres que não pertencem àqueles do alfabeto latino usados pelo inglês. Por comparação, as línguas mais usadas na www são o inglês (28,6%), o chinês(20,3%), espanhol (8,2%), japonês (5,9%), francês (4,6%), português (4,6%), alemão (4,1%), árabe (2,6%), russo (2,4%) e coreano (2,3%). Por região, 41% dos usuários de Internet do mundo estão na Ásia, 25% na Europa, 16% na Ámerica do Norte, 11% na Ámerica Latina e Caribe, 3% na África, 3% no Oriente Médio e 1% na Austrália. As tecnologias da Internet se desenvolveram suficientemente nos anos recentes, especialmente no uso do Unicode. Com isso, a facilidade está disponível para o desenvolvimento e a comunicação de softwares para as línguas mais usadas. No entanto, ainda existem alguns erros de incompatibilidade de caracteres, conhecidos como mojibake (a exibição incorreta de caracteres de línguas estrangeiras, conhecido também como kryakozyabry).