SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

Mapa Mental - SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

Comienza Ya. Es Gratis
ó regístrate con tu dirección de correo electrónico
SISTEMA REPRODUTOR FEMININO por Mind Map: SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

1. Bacilos de Döderlein

1.1. A flora vaginal em condições normais é representada por eles

1.2. Coram em azul

1.3. Alimentam-se de glicogênio

1.4. Auxilia na manutenção do pH vaginal

2. Produtoras de muco

3. Faculta o desenvolvimento dos ovócitos

4. Funções

4.1. Produz Hormonas

4.2. Regulação dos ciclos sexuais

4.3. Desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários

4.4. Responsável pelo aparecimento do desejo sexual

5. Anatomia

5.1. Células Endocervicais

5.1.1. Endocérvice

5.1.1.1. Porção interna do colo do útero

5.1.1.2. Limita todo o canal endocervical

5.1.2. Características

5.1.2.1. Cilíndricas, citoplasma finamente vacuolizado e basófilo

5.1.2.2. Núcleo vesicular redondo ou oval situado no pólo basal da célula

5.1.2.3. Por vezes observam-se cílios na zona apical

5.1.2.4. Agrupamentos, em forma de palhiçada ou "favo de mel"

5.1.3. Tipos

5.1.3.1. Células Secretoras

5.1.3.1.1. Núcleos localizados na parte inferior da célula

5.1.3.1.2. Citoplasma apresenta grande vacúolo em sua parte superior

5.1.3.1.3. Facilmente coráveis

5.1.3.2. Células Ciliadas

5.1.3.2.1. Núcleos na porção média ou superior do citoplasma

5.1.3.2.2. Menor número

5.1.3.2.3. Não se coram

5.1.4. Canal Endocervical

5.1.4.1. Relevo papilar - pregas produtoras de muco

5.1.4.2. Limite entre o orifício interno e externo

5.2. Células Ectocervicais

5.2.1. Porção externa do colo do útero

5.2.2. Superfície do colo

5.2.3. Espessura

5.2.3.1. 2 a 3mm

5.2.4. Células

5.2.4.1. Receptores para hormônios ovarianos

5.2.4.2. Proteção contra agentes químicos, físicos e biológicos

5.2.5. Epitélio

5.2.5.1. Pavimentoso

5.2.5.2. Pluriestratificado

5.2.6. Camadas

5.2.6.1. Basal

5.2.6.1.1. Camada basal do epitélio

5.2.6.1.2. Raramente observadas em esfregaços

5.2.6.1.3. Basófilas, redondas e por vezes núcleos degenarados

5.2.6.1.4. Citoplasma denso

5.2.6.1.5. Localizada entre o orifício externo e o fundo de saco vaginal

5.2.6.2. Parabasal

5.2.6.2.1. Camada espinhosa profunda do epitélio

5.2.6.2.2. Redonda ou oval

5.2.6.2.3. Citoplasma denso e basófilo

5.2.6.2.4. Núcleo redondo/oval, central, cromatina granular

5.2.6.2.5. Comuns após menopausa e esfregaços pós-parto ou insuficiência de estrogênio

5.2.6.3. Intermediária

5.2.6.3.1. Camada média do epitélio

5.2.6.3.2. Maior resposta à progesterona e menor ao estrogênio

5.2.6.3.3. Poligonais, citoplasma transparente e homogênio

5.2.6.3.4. Coloração: azul

5.2.6.3.5. Núcleo redondo ou oval

5.2.6.3.6. Células naviculares (formato de navio)

5.2.6.3.7. Observadas durante a gravidez

5.2.6.4. Superficial

5.2.6.4.1. Camada superficial do epitélio

5.2.6.4.2. Máximo da maturação celular

5.2.6.4.3. Coloração: Rosa e às vezes azul

5.2.6.4.4. Isoladas ou pequenos agrupamentos

5.2.6.4.5. Núcleo picnótico

5.2.7. Poligonais, bordos angulares, citoplasma transparente e homogênio

5.3. Células Endometriais

5.3.1. Células pequenas

5.3.2. Pequenos grupos, isoladas ou na forma de exodus

5.3.3. Basófilo

5.3.4. Núcleo hipercromático, redondo, pequeno, com cromatina granular

6. Coleta, fixação e coloração

6.1. Exame de Papanicolaou

6.1.1. Método mais utilizado

6.1.2. Detecta 95% dos estados cervicais de malignidade e pré-malignidade

6.1.3. Detecta cerca de 50% de malignidade do endométrio

6.2. Esfregaço

6.2.1. Trato Genital Feminino

6.2.1.1. Esfoliativa

6.2.1.1.1. Recolher células que descamaram espontaneamente

6.2.1.2. Abrasiva

6.2.1.2.1. Raspagem da mucosa de modo a soltar as células do epitélio

6.3. Avalia função ovária normal e patológica

6.3.1. Infância

6.3.1.1. Indicada em casos de infecções vaginais ou distúrbios hormonais

6.3.1.2. Quase exclusivamente: células epiteliais escamosas

6.3.1.2.1. Parabasais

6.3.2. Pré-puberdade

6.3.2.1. Aumento de secreção de hormônios gonadotróficos pela hipófise anterior

6.3.2.1.1. aprox. 8 anos

6.3.2.2. Culminando com o início da menstruação

6.3.2.2.1. entre 11 e 16 anos

6.3.3. Puberdade

6.3.3.1. Início da fase adulta

6.4. Coleta

6.4.1. Deitar paciente em uma mesa ou maca de colheita ginecológica apropiada

6.4.1.1. Identificar a lâmina

6.4.1.1.1. Nome

6.4.1.1.2. Idade

6.4.1.1.3. Data da última menstruação ou menopausa

6.4.1.1.4. Uso de Medicações

6.4.2. Material

6.4.2.1. Par de luvas para procedimento

6.4.2.2. Formulário de requisição do exame

6.4.2.3. Lápis

6.4.2.4. Avental

6.4.2.5. Máscara Cirúrgica*

6.4.2.6. Espéculo

6.4.2.7. Lâmina com extremidade fosca

6.4.2.8. Espátula de Ayre

6.4.2.9. Escova Cervical

6.4.2.10. Fixador apropriado

6.4.2.11. Recipiente para acondicionar as lâminas

6.4.3. Células

6.4.3.1. Fundo do saco posterior da vagina

6.4.3.2. Ectocérvice

6.4.3.3. Endocérvice

6.5. Fixação

6.5.1. Deve ser imediata

6.5.1.1. Álcool é considerado o fixador ideal

6.5.1.2. Fixação com uso de aerosol

6.5.1.2.1. A 30cm da superfície da lâmina

6.6. Coloração

6.6.1. Desenvolvidas para visualizar componentes das células e dos tecidos baseados no princípio ácido-base

6.6.1.1. Hematoxilina

6.6.1.1.1. Base que cora componentes ácidos

6.6.1.2. Eosina

6.6.1.2.1. Ácido que cora componentes básicos

6.7. Leitura

6.7.1. Esfregaços

6.7.1.1. Varredura da lâmina deve ser sistemática

6.7.1.1.1. Tipos

6.7.1.2. Aumento pequeno com ocular de 10x e objetiva de 10x (100x)

6.7.1.2.1. Zonas atípicas: aumento de 40x

7. Microbiota Vaginal Normal

7.1. Leucócitos

7.1.1. Frequentes

7.1.1.1. Principalmente neutrófilos

7.1.2. Quando há infecções crônicas

7.1.2.1. Linfócitos

7.2. Hemácias e histócitos

7.2.1. Predominam durante período menstrual

7.2.1.1. Hemácias

7.2.2. Frequentes

7.2.2.1. Histócitos

7.3. Muco e Espermatozóides

7.3.1. Muco

7.3.1.1. A presença não apresenta significado clínico

7.3.2. Espermatozóides

7.3.2.1. Muitas vezes não apresentam cauda

7.3.2.2. As vezes confundido com leveduras

7.3.2.2.1. Candida spp.

7.4. Gardnerella vaginallis

7.4.1. Bacilos pleomórficos, imóveis, gram-negativos, não encapsulados

7.4.2. Leucopenia

7.4.3. Picnose

7.4.4. Teste de KOH positivo

8. Ação Hormonal no Aparelho Genital Feminino

8.1. Citologia Hormonal

8.1.1. É eficiente em estabelecer as condições hormonais de uma paciente

8.1.1.1. Estrogênio

8.1.1.1.1. Controle da ovulação

8.1.1.1.2. Desenvolvimento de características femininas

8.1.1.1.3. Induzem a maturação epitelial

8.1.1.2. Progesterona

8.1.1.2.1. Inibe o processo de maturação

8.1.2. Auxilia na seleção de terapia hormonal

8.1.2.1. Acompanha os resultados de tal tratamento

8.1.3. Período Fértil

8.1.3.1. Período reprodutivo da mulher

8.1.3.2. Estabilização dos ciclos menstruais

8.1.3.3. Epitélio vaginal está sob a ação do estrógeno e da progesterona

8.1.4. Estima o tempo de ovulação

8.1.4.1. Ciclo Menstrual Normal

8.1.4.1.1. Alterações mensais nas taxas de secreção do hormônios femininos

8.1.4.1.2. Regulado por

8.1.4.1.3. Corpo Lúteo

8.1.4.1.4. Ovócito não-fertilizado

8.1.4.1.5. Menopausa / Anestro

8.1.4.1.6. Ovários

8.1.4.1.7. Ciclo Todo

8.1.4.1.8. Duração Média

8.1.4.2. Fases do Ciclo Menstrual

8.1.4.2.1. Fase Menstrual

8.1.4.2.2. Fase Estrogênica Inicial

8.1.4.2.3. Fase Pré-Ovulatória

8.1.4.2.4. Fase Ovulatória

8.1.4.2.5. Fase Progestacional

8.1.5. Índices Citológicos

8.1.5.1. Métodos quantitativos e qualitativos

8.1.5.1.1. 7 primeiros dias do ciclo

8.1.5.2. Valorização da atividade hormonal sobre o epitélio vaginal

8.1.5.2.1. Índice Picnótico (IP)

8.1.5.2.2. Índice Eosinófílico (IE)

8.1.5.2.3. Índice de Frost ou Índice de Maturação (IM)

8.1.5.3. Interpretações

8.1.5.3.1. Predomínio de células intermediárias agrupadas e dobradas

8.1.5.3.2. Quadro Eutrófico

8.1.5.3.3. Quadro Hipotrófico

8.1.5.3.4. Quadro Atrófico

8.1.6. Climatério

8.1.6.1. Fase de limites imprecisos na vida feminina

8.1.6.2. Transição do período reprodutivo para o não reprodutivo

8.1.7. Menopausa

8.1.7.1. Entre 40 e 50 anos de idade

8.1.7.2. Ciclo sexual geralmente torna-se irregular

8.1.7.3. Decréscimo na produção de hormônios esteróides

8.1.7.4. Padrão citológico

8.1.7.4.1. Início

8.1.7.4.2. Meio

8.1.7.4.3. Fim

8.1.7.5. Muitas vezes a ovulação não ocorre

9. Citologia Inflamatória do Sistema Genital Feminino

9.1. Padrões citológicos, fisiológicos e fisiopatológicos

9.1.1. Euplasia

9.1.1.1. Atividade celular dentro dos padrões de normalidade

9.1.1.1.1. Núcleo, nucléolo e cromocentros são estruturas arredondadas

9.1.1.1.2. Cromatina e espessura da parede são uniformes e regulares

9.1.2. Retroplasia

9.1.2.1. Atividade celular biológica diminuída

9.1.2.1.1. Ocorre devido agressão celular

9.1.2.1.2. Perda do controle do conteúdo de água da célula

9.1.2.1.3. As proteínas citoplasmáticas perdem sua basofilia

9.1.3. Proplasia

9.1.3.1. Atividade celular biológica aumentada

9.1.3.1.1. Inúmeros fenômenos

9.1.3.1.2. Reparação

9.1.3.1.3. Crescimento rápido

9.2. Inflamação

9.2.1. Reação fisiológica onde o tecido vivo vascularizado reage a uma agressão

9.2.2. População significativa de células inflamatórias

9.2.3. Alterações morfológicas inespecíficas

9.2.3.1. Ou específicas das células epiteliais

9.2.4. As vezes há presença de patógenos

9.2.5. Agentes Inflamatórios

9.2.5.1. Físicos

9.2.5.1.1. Traumatismo

9.2.5.1.2. Laceração

9.2.5.1.3. Térmicos

9.2.5.1.4. Radiação

9.2.5.2. Químicos

9.2.5.2.1. Cáusticos

9.2.5.2.2. Drogas anti-blásticas

9.2.5.3. Biológicos

9.2.5.3.1. Bactéria

9.2.5.3.2. Fungo

9.2.5.3.3. Protozoário

9.2.5.3.4. Vírus

9.2.6. Metaplasia

9.2.6.1. Alteração reversível

9.2.6.2. Ocorre uma mudança de um tipo de célula adulta e madura em outro tipo celular madura

9.2.7. Cervicites

9.2.7.1. A resposta à agressão é conjuntivo vascular

9.2.7.1.1. Mucosa Glandular

9.2.7.1.2. Mucosa Pavimentosa da Cérvice e Vagina

9.2.7.2. Correlação dos achados clínico, colposcópico e cito-histológico

9.2.7.3. Comprometimento dos epitélios

9.2.8. Alterações celulares

9.2.8.1. Citoplasma

9.2.8.1.1. Pseudoeosinofilia

9.2.8.1.2. Metacromasia ou Anfofilia

9.2.8.1.3. Apagamento de bordas

9.2.8.1.4. Vacuolização citoplasmática

9.2.8.1.5. Halo perinuclear

9.2.8.2. Núcleo

9.2.8.2.1. Espessamento da carioteca

9.2.8.2.2. Bi nucleação

9.3. Critérios Citológicos

9.3.1. Aparecem em agregados soltos ou isolados

9.3.2. Mostram processos citoplasmáticos proeminentes

9.3.3. Células metaplásicas imaturas são pequenas e semelhantes às células basais e parabasais

9.3.4. Células metaplásicas maduras são grandes poligonais de tamanho e forma similar às células intermediárias e superficiais

9.4. Mecanismos Histológicos de Defesa

9.4.1. Processo de Proteção

9.4.1.1. Acantose

9.4.1.2. Hiperqueratose

9.4.1.3. Paraqueratose

9.4.1.4. Metaplasia Epidermóide

9.4.2. Processos Destrutivos

9.4.2.1. Atipias relacionadas aos processos inflamatórios

9.4.3. Processos de Reparação

9.4.3.1. Anisocitose

9.4.3.2. Citoplasma cianófilo

9.4.3.3. Núcleos aumentados exibindo macronucléolos eoninófilos, pleomórficos, único ou múltiplos

9.4.3.4. Cromatina nuclear é granulosa, fina e uniforme

9.4.3.5. Figuras de mitose

9.4.3.6. Fibroblastos