Internacionalização da Amazônia

Solve your problems or get new ideas with basic brainstorming

Comienza Ya. Es Gratis
ó regístrate con tu dirección de correo electrónico
Rocket clouds
Internacionalização da Amazônia por Mind Map: Internacionalização da Amazônia

1. Agile 2013

1.1. High Priority

1.1.1. Levantar como mercado pode auxiliar implantação

1.1.1.1. OnCast

1.1.1.2. AdaptWorks

1.1.1.3. Objective

1.1.2. Propor alocação de time

1.1.2.1. Chefes listam atividades (projetos e rotina)

1.1.2.2. Convocamos equipe para apontar 3 opções

1.1.2.3. Definimos estrutura para comportar esta alocação

1.1.3. Fazer reunião de alinhamento do projeto

1.1.4. Focar nas reuniões de OS para a fábrica

1.1.4.1. Siga

1.1.4.1.1. Abri OS de Testes e usar concordium

1.1.4.2. Atos

1.1.4.3. Contrata

1.1.5. Compilar avaliações de treinamentos para ISC

1.1.6. Divulgar nota no União

1.1.7. Reunião com sesol-4 sobre comportamento

1.2. Medium Priority

1.3. Low Priority

2. Contexto

2.1. Década de 80, Brasil tinha uma enorme dívida externa, e pensaram no pagamento com reservas naturais, indústrias.

2.2. Com a expansão demográfica e da fronteira agrícola, pecuária, mineral e industrial surgiram tensões sociais, conflitos de terras, disputas de posse e invasões de áreas indígenas.

2.3. Com atraso de uma política nacional de preservação, a fronteira (1600 Km) está aberta à guerrilha, ao narcotráfico, ao contrabando de armas e à biopirataria.

2.4. Os efetivos militares no RJ são superiores a 44 mil homens; na Amazônia, apenas 22 mil. Sete estados do Sul e do Nordeste cabem no Amazonas.

2.5. pressão internacional para a demarcação de extensas terras contínuas da Reserva Raposa da Serra do Sol, junto às fronteiras, no Estado de Roraima. Orientados e financiados por ONGs internacionais, líderes indígenas já falam: "Nós fazemos a vigilância de nossas fronteiras, não precisamos de pelotão do Exército"; "Se insistirem na construção da hidroelétrica, vai ser guerra internacional". E, ainda mais,fecham estradas com correntes, forçam a saída de não índios da área, viajam pelo mundo a fora em busca de apoio para a demarcação contínua.

3. Quem propôs?

3.1. Década de 80: Países de primeiro mundo

3.2. Década de 90: Ex-presidente dos EUA Geore W. Bush falou sobre a Internacionalização da Amazônia em alguns de seus discursos para presidência.

3.3. En 1824 se fundó en Nueva York una empresa para explotar la navegación y las riquezas amazónicas, lo que llevó a un incidente diplomático entre los dos países. La empresa no consiguió su objetivo. En 1862, el presidente Abraham Lincoln propuso que los negros libertos de los EEUU viniesen al Amazonía para fundar una República de Negros Americanos. Ellos no aceptaron, pues querían continuar en el país que habían construido.

3.4. A partir de 1945 se inició una campaña por la fundación del Instituto Internacional de la Hileia Amazónica, que sería parte de la ONU y definiría las políticas para esta región. A pesar de los protocolos firmados a favor por los representantes del gobierno brasileño, se abrió un fuerte debate entre los intelectuales y en el Congreso Nacional, definiéndose una posición contraria.

3.5. En la década de 1960, la Academia de Ciencias de Washington elaboró la propuesta de creación del Centro del Trópico Húmedo, que sería una fundación con poder de intervención directa en el Amazonía, pero sin someterse a los gobiernos amazónicos. La propuesta fue rechazada por el gobierno brasileño. Poco tiempo después, el centro estadounidense de investigaciones estratégicas Hudson Institute elaboró un proyecto para construir una en el río Amazonas, formando un inmenso lago. Se inundarían las tierras bajas para tener más facilidad de acceso a las áreas firmes, de mayor riqueza agricola, mineral y forestal. Además de eso, este lago se ligaría a otros, como el del Pantanal, Plata y Orinoco, formando un mega lago internacional que uniría América del Sur con EE.UU. El proyecto contó con el apoyo de sectores de la dictadura militar –Jarbas Passarinho y Roberto Campos, por ejemplo–, pero fue rechazado por la línea más nacionalista.

3.6. En 1989, por propuesta del presidente francés Francois Miterrand en la cumbre de La Haya, se intentó crear una entidad supranacional para administrar la Amazonía y sancionar a los países que presentasen “mala conducta” con relación al medio ambiente. Los países amazónicos estuvieron en contra.

4. Eventos, planos e acordos

4.1. Conferência Ministerial de Defesa das Américas

4.1.1. que se encerrou com uma declaração de apoio ao combate às drogas ilícitas e atividades criminosas transfronteiriças.

4.1.2. Plano Colômbia de combate ao narcotráfico, com o apoio dos Estados Unidos, foi discutido

4.2. Plano Colômbia

4.3. m função disso, o ex-presidente Itamar Franco protestou, junto ao Presidente Lula dos riscos na participação do Brasil no Instituto Internacional de Preservação da Amazônia, sugerido pelo Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. Isto seria a revitalização do plano chamado de "Hiléia Amazônica", adotado por potências estrangeiras que, de forma malandra, queriam transformar a rica e portentosa área em patrimônio da humanidade. E o pior que, naquela época, em 1948, a idéia foi sugerida pelo embaixador do Brasil na UNESCO. Só não foi para frente porque o ex-presidente da República Arthur Bernardes fez protestos eloqüentes na Câmara Federal.

5. Viabilidade

5.1. Lei 9.985

5.1.1. Seriam constituídas Unidades de Conservação Ambiental, de Proteção Integral ou de Uso Sustentado – por decreto lei, podem vir a ser geridas por organizações da sociedade civil de interesse público com objetivos afins aos da unidade, mediante instrumento a ser firmado com o órgão responsável por sua gestão”,

5.1.1.1. O poder público pode transferir a uma organização não-governamental, nacional ou internacional, funções exclusivas suas que são sustentáculos da própria soberania sobre tal área.

5.1.1.2. o governo federal construiu uma possibilidade de internacionalização indireta, sob concessão de gerência ambiental de áreas do território nacional

6. Artigos

6.1. http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/perguntas_respostas/amazonia-internacional/index.shtml

6.2. http://www.coladaweb.com/geografia-do-brasil/a-internacionalizacao-da-amazonia

6.3. http://www.dw.com/pt/greenpeace-amaz%C3%B4nia-n%C3%A3o-deve-ser-internacionalizada/a-1865927

6.4. http://www.cpt.com.br/palavra-do-presidente/internacionalizacao-da-amazonia-assunto-para-ser-levado-a-serio

6.5. https://elturbion.com/?p=610

6.6. http://www.averdadesufocada.com/index.php/textos-de-terceiros-site-34/847-3112-onu-quer-internacionalizar-a-amaznia

6.7. https://pt.wikipedia.org/wiki/Organiza%C3%A7%C3%A3o_do_Tratado_de_Coopera%C3%A7%C3%A3o_Amaz%C3%B4nica

7. Citações

7.1. François Mitterrand (1989): "O Brasil precisa aceitar uma soberania relativa sobre a Amazônia".

7.2. Al Gore (1989): "Ao contrário do que os brasileiros pensam, a Amazônia não é deles, mas de todos nós".

7.3. Mikhail Gorbachev (1992): "O Brasil deve delegar parte de seus direitos sobre a Amazônia aos organismos internacionais competentes".

7.4. John Major (1992): "As nações desenvolvidas devem estender o domínio da lei ao que é comum de todos no mundo. As campanhas ecológicas internacionais que visam à limitação das soberanias nacionais sobre a região amazônica estão deixando a fase propagandística para dar início a uma fase operativa, que pode, definitivamente, ensejar intervenções militares diretas sobre a região".

7.5. Henry Kissinger (1994): "Os países industrializados não poderão viver da maneira como existiram até hoje se não tiverem à sua disposição os recursos naturais não renováveis do planeta. Terão que montar um sistema de pressões e constrangimentos garantidores da consecução de seus intentos".

8. Por que não?

8.1. É certo que existiria maior disponibilidade de recursos para fiscalização, pois eles viriam de fontes estrangeiras que atualmente não contribuem para esta causa.

8.2. Por outro lado, tendo em vista que não estão especificados os termos da internacionalização, poderia muito bem ocorrer que os Estados envolvidos solicitassem diversos empreendimentos privados, atendendo aos interesses de suas elites econômicas, o que intensificaria o processo de destruição do bioma — como ocorreu nos países de origem de muitas das corporações transnacionais, cujo desenvolvimento foi possibilitado pela extração em larga escala de recursos naturais.

8.3. A proposta que apresento — e já foi apresentada pelo atual governo brasileiro — é que, se a real preocupação internacional se atribui à segurança do bioma amazônico e não aos interesses de grupos privados em explorar a riqueza do local, que se crie um fundo internacional para arrecadação de recursos, que seriam utilizados pelo Brasil na manutenção da riqueza biológica da Amazônia — cuja exploração será concedida a quem as autoridades nacionais permitirem.

8.3.1. Durante a Conferência do Clima de 2005, em Montreal, o governo brasileiro lançou a idéia de criar um fundo internacional para a proteção da floresta amazônica.

8.4. Além disso, outro fator que complexifica a questão é a população nativa da região: esses habitantes são cidadãos brasileiros e têm direito a serem tutelados por seu Estado, que não poderia ceder parte de seu território a outras autoridades sem violar os direitos desses civis.

8.5. segundo o amplamente aceito princípio da soberania nacional, o Estado brasileiro tem o direito e sobretudo o dever de governar seu território em nome de seus cidadãos, não sendo justificável nenhuma intervenção externa;

8.6. Além disso, os demais países têm pouco direito de criticar o desmatamento amazônico, pois eles próprios consumiram predatoriamente suas florestas e ainda hoje liberam quantidades incomensuráveis de gases poluentes.

8.7. O esperado cessar-fogo e de hostilidades bilateral e definitivo entre o governo colombiano e a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) começou à 0h (horário local, 2h em Brasília) desta segunda-feira (29).

8.8. La supuesta intención de preservar la Amazonía cae por tierra cuando se ve que EEUU es el país que más energía consume en el mundo y más genera polución, aunque se niega a firmar el Protocolo de Kyoto, que establece tímidas metas de reducción de los gases contaminantes de la atmósfera. Un gobierno que diariamente asesina a miles de iraquíes, palestinos y afganos –incluyendo los niños– no puede estar preocupado por la biodiversidad de la Amazonía.

9. Por que sim?

9.1. É possível afirmar que os recursos de que dispõe o Brasil são insuficientes para vigiar a vastíssima região em questão, ou que ao menos os recursos aplicados são menores que os necessários. Dessa forma, é difícil impedir o avanço dos desmatamentos, das queimadas, dos endêmicos conflitos por terra e do tráfico. Assim sendo, há quem diga que uma soberania internacional sobre a região permitiria uma maior fiscalização, trazendo mais benefícios para os nativos e para a humanidade como um todo, além de permitir a preservação do bioma. Porém, tal afirmação é de todo questionável.

9.2. Guayanas, Venezuela, Colombia, Ecuador, Bolivia y Perú.

9.3. La cuenca amazónica posee más del 20% del agua dulce del planeta y Brasil es el que tiene la mayor parte de esta selva,

9.4. La selva amazónica es la mayor reserva biogenética del planeta y posee la mayor provincia mineral del mundo: Carajas.