História da Literatura Brasileira (1888)

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
História da Literatura Brasileira (1888) por Mind Map: História da Literatura Brasileira (1888)

1. Tomo IV

1.1. 9 – TERCEIRA ÉPOCA OU PERÍODO DE TRANSFORMAÇÃO ROMÂNTICA – POESIA (1830-1870) (CONT.) V – Quarta fase do romantismo: o sertanejismo dos poetas do Norte VI – Quinta fase do romantismo: o lirismo específico de Pedro Luís e Fagundes Varela VII – Sexta e última fase do romantismo: o condoreirismo de Tobias Barreto VIII – Ainda sexta e última fase do romantismo: o condoreirismo de Castro Alves e seguidores

1.1.1. 10 – TERCEIRA ÉPOCA OU PERÍODO DE TRANSFORMAÇÃO ROMÂNTICA (PROSA) – TEATRO E ROMANCE I – Martins Pena

2. Tomo V

2.1. 10 – TERCEIRA ÉPOCA OU PERÍODO DE TRANSFORMAÇÃO ROMÂNTICA (PROSA) – TEATRO E ROMANCE (CONT.) II – Macedo III – Alencar – Agrário – Manuel de Almeida – Pinheiro Guimarães – Franklin Távora – Taunay IV – Machado de Assis

2.1.1. 11 – DIVERSAS MANIFESTAÇÕES NA PROSA – HISTÓRIA I – Carlos Frederico F. de Martins e suas ideias acerca da história do Brasil II – Historiadores

2.1.1.1. 12 – DIVERSAS MANIFESTAÇÕES NA PROSA – PUBLICISTAS E ORADORES Publicistas e oradores

2.1.1.1.1. 13 – RETROSPECTO LITERÁRIO Retrospecto literário (1888) Confronto em retrospecto (1904)

3. Tomo I

3.1. I – Trabalhos estrangeiros e nacionais sobre a literatura brasileira – Divisão desta – Espírito geral deste livro II – Teorias da história do Brasil III – A filosofia da história de Buckle e o atraso do povo brasileiro IV – O meio – Fisiologia do brasileiro V – A nação brasileira como grupo etnográfico e produto histórico VI – Raças que constituíram o povo brasileiro – O mestiço VII – Tradições populares – Cantos e contos anônimos – Alterações da língua portuguesa no Brasil VIII – Relações econômicas – As instituições políticas e sociais da Colônia, de Império e da República IX – Psicologia nacional – Prejuízos de educação – Imitação do estrangeiro

3.1.1. 2 – NOVAS CONTRIBUIÇÕES PARA O ESTUDO DO FOLCLORE BRASILEIRO

3.1.1.1. 3 – O BRASIL SOCIAL E OS ELEMENTOS QUE O PLASMARAM

3.1.1.2. Os métodos e processo da Escola de Le Play

3.1.1.3. Os fatores e suas achegas tradicionais

3.1.1.4. 1º fator antropo-etnológico – o índio

3.1.1.5. 2º fator antropo-etnológico – o negro

3.1.1.6. 3º fator antropo-etnológico – o português

3.1.1.7. 4 – CONCLUSÕES GERAIS I – O meio II – A raça III – As influências estrangeiras IV – Sentido teórico da literatura brasileira V – Suas fases principais/Fases evolutivas da literatura brasileira 5 – DA CRÍTICA E SUA EXATA DEFINIÇÃO

4. Tomo II

4.1. 6 – PRIMEIRA ÉPOCA OU PERÍODO DE FORMAÇÃO (1500-1750) I – Estado do país nos fins do século XVI – Poetas e cronistas nesse tempo II – Escola Baiana – Cronistas, oradores e poetas do século XVII III – Poetas e escritores da primeira metade do século XVIII

4.1.1. 7 – SEGUNDA ÉPOCA OU PERÍODO DE DESENVOLVIMENTO AUTONÔMICO (1750-1830) I – Escola Mineira: poesia épica II – Escola Mineira: poesia cômico-satírica III – Escola Mineira: poesia lírica IV – Oradores sagrados: poesia religiosa e patriótica V – Belas-Artes VI – Ciências Naturais VII – Historiadores VIII – Economistas, jurisconsultos, publicistas, oradores, linguistas, moralistas, biógrafos, teólogos e literatos IX – Últimos poetas clássicos

5. Tomo III

5.1. 8 – TRANSIÇÃO Poetas de transição entre clássicos e românticos

5.1.1. 9 – TERCEIRA ÉPOCA OU PERÍODO DE TRANSFORMAÇÃO ROMÂNTICA – POESIA (1830-1870) I – O romantismo II – Primeira fase do romantismo: o emanuelismo de Gonçalves de Magalhães e seu grupo III – Segunda fase do romantismo e seu momento culminante: o indianismo de Gonçalves Dias IV – Terceira fase do romantismo: o subjetivismo de Álvares de Azevedo e sua plêiade