Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações por Mind Map: Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações

1. RESUMO

1.1. discute consequências sociais, da saúde, decorrente da ampliação do numero de idosos em um curto periodo de tempo

1.1.1. 1998 e 2003

1.1.1.1. os idosos apresentam maior carga de doenças e incapacidades, e usam mais os serviços de saúde

1.2. por outro, os modelos vigentes de atenção à saúde do idoso se mostram inefi cientes e de alto custo

1.2.1. Ações preventivas e diferenciadas de saúde e de educação, com cuidados qualifi cados e atenção multidimensional e integral.

2. INTRODUÇÃO

2.1. O prolongamento da vida é uma aspiração de qualquer sociedade

2.1.1. Também deve abrir campo para a possibilidade de atuação em variados contextos sociais e de elaboração de novos significados para a vida na idade avançada

2.1.1.1. Atualmente, chegar à velhice é uma realidade populacional mesmo nos países mais pobres.

2.2. envelhecer não é mais privilégio de poucos.

2.2.1. O crescimento da população idosa é um fenômeno mundial e, no Brasil, as modifi cações ocorrem de forma radical e bastante acelerada.

2.2.1.1. As projeções mais conservadoras indicam que, em 2020, o Brasil será o sexto país do mundo em número de idosos, com um contingente superior a 30 milhões de pessoas

2.3. A velocidade do processo de transição demográfi ca e epidemiológica vivido pelo País nas últimas décadas traz uma série de questões cruciais para gestores e pesquisadores dos sistemas de saúde

2.3.1. O Brasil hoje é um “jovem país de cabelos brancos”.

2.3.1.1. A cada ano, 650 mil novos idosos são incorporados à população brasileira, a maior parte com doenças crônicas e alguns com limitações funcionais.

2.4. O número de idosos no Brasil passou de 3 milhões, em 1960, para 7 milhões, em 1975, e 20 milhões em 2008

2.4.1. Um dos resultados dessa dinâmica é a maior procura dos idosos por serviços de saúde.

2.4.1.1. As internações hospitalares são mais freqüentes e o tempo de ocupação do leito é maior quando comparado a outras faixas etárias.

2.5. Desta forma, o envelhecimento populacional se traduz em maior carga de doenças na população, mais incapacidades e aumento do uso dos serviços de saúde.

2.5.1. Cotidianamente, os idosos brasileiros convivem com medo de violências, falta de assistência médica e de hospitais e escassas atividades de lazer

2.5.1.1. À desinformação, ao preconceito e ao desrespeito aos cidadãos da terceira idade

2.6. O presente artigo visa a estimular a discussão para a necessidade de políticas públicas efetivas de manutenção da capacidade funcional dos idosos, de novas estratégias de prevenção e atenção integral, e de foco inovador no cuidado do idoso.

3. CAPACIDADE FUNCIONAL E PREVENÇÃO

3.1. As diretrizes básicas da Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa são bons exemplos das preocupações com a promoção do envelhecimento saudável

3.1.1. A dependência, física ou mental, é um fator de risco importante para mortalidade, mais até do que as próprias doenças que levaram à dependência, uma vez que nem toda pessoa doente se torna dependente

4. OPERACIONALIZAÇÃO DE UM MODELO PREVENTIVO

4.1. Desde o ano de 1986 já havia a preocupação em mostrar a efetividade do modelo preventivo e caracterizar práticas efi cazes que conduzam à mudança nos determinantes de saúde

4.2. percebe-se muita dificuldade na operacionalização, particularmente quando nos concentramos no grupo etário dos idosos

5. DIAGNÓSTICO PRECOCE E MONITORAMENTO DA SAÚDE

5.1. Para um planejamento assistencial efetivo são essenciais o prognóstico e o julgamento clínico adequados para se precisar o diagnóstico

5.2. No campo da saúde coletiva, a informação epidemiológica deve ser valorizada por sua capacidade em prever eventos e possibilitar o diagnóstico precoce

6. EQUÍVOCOS E MUDANÇAS NECESSÁRIAS

6.1. Muitos idosos apresentam múltiplos problemas coexistentes e freqüentemente procuram inúmeros especialistas

6.2. Um dos “gargalos” do modelo assistencial são a insufi ciente identifi cação e a precária captação da clientela, que deveriam seguir o critério da severidade

6.3. O hábito de reunir todos os sintomas e sinais em um único diagnóstico certamente não se aplica aos idosos, que geralmente apresentam doenças crônicas e múltiplas.

6.4. A ampliação do número de idosos e a maior utilização do sistema de saúde, conseqüência do maior tempo de vida e das múltiplas patologias crônicas, confi guram-se, portanto, como o grande gargalo e desafi o do sistema de saúde

7. COMENTÁRIOS

7.1. Temos, assim, um cenário de uma população idosa mais saudável, a despeito das conseqüências que o processo de envelhecimento da população acarreta no que diz respeito ao aumento das doenças crônicas e à maior necessidade de atendimento de saúde da população que envelhece e que vive, cada vez mais, até idades mais avançadas.

7.2. Isto significa desenvolver estratégias que visem postergar a morte ao máximo possível, retardando a evolução das doenças, a fi m de levar a vida para o limiar mais próximo possível do limite máximo da existência da espécie humana, mas com qualidade de vida, com autonomia e independência, ou seja, com capacidade funcional.