Afecções da cabeça em equinos

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Afecções da cabeça em equinos por Mind Map: Afecções da cabeça em equinos

1. Complicações

1.1. Quebra dos implantes

1.2. Retardo no reparo da fratura

1.3. Infecção e drenagem

1.4. Calo ósseo exuberante

1.5. Mal oclusão

2. P.O.:

2.1. Dieta palatável

2.2. Lavagem bucal diária

2.3. Fenilbutazona PER OS

2.4. Antibioticoterapia de amplo espectro

3. Desordens dos incisivos

3.1. Boca de papagaio; Overjet; Overmouth

3.1.1. Mal oclusão classe III

3.1.1.1. Correção

3.1.1.1.1. Aparelho nos incisivos superiores 406 (407); 306 (307)

3.1.1.1.2. Osteotomia do ramo da mandíbula

3.2. Boca de macaco; underbite; sow mouth

3.2.1. Mal oclusão classe III

3.2.1.1. Correção

3.2.1.1.1. Aparelho nos incisivos superiores 406 (407); 306 (307)

3.2.1.1.2. Equilíbrio dentário/Oclusional

3.3. Wry Nose/ Nariz torto

3.3.1. Mal oclusão classe IV

3.3.1.1. Correção

3.3.1.1.1. Eutanásia

3.3.1.1.2. Cirurgia

4. Desordens do 1º Pré molar

4.1. Dente do lobo: _05

4.1.1. Correção

4.1.1.1. Extração

4.1.1.1.1. Sedação + Bloqueio anestésico por infiltração subgengival

4.1.1.1.2. Sedação + Bloqueio perineural pelo forâmen intraorbitário ou mentoniano

5. Desordens pré molares e molares

5.1. Retenção de dentes descíduos

5.1.1. Animais de 2 a 5 anos

5.2. Retenção prolongada

5.2.1. Animais 3 a 4 anos

6. Fraturas

6.1. Traumáticas

6.1.1. Maior ocorrência nos incisivos

6.1.1.1. Associadas a fraturas de mandíbula e maxila

6.1.1.1.1. Consequências: Cistos de erupção,, abcesso apical

6.2. Idiopáticas

6.2.1. Sutis e de difícil observação

6.2.1.1. Maior ocorrência no 1º molar e maxila

6.2.1.1.1. Consequências: infecção pulpar; apical

7. Exodontia

7.1. PER OS

7.1.1. Dentes de coroa curta (Animais mais velhos)

7.1.2. Ligamentos periodontais frouxos

7.1.3. Infecção apical

7.2. Via Bucotomia

7.2.1. Pouca aceitação

7.2.2. Riscos

7.2.2.1. Anestesia geral

7.2.2.2. Posição quadrupedal

7.3. Repulsão dentária

7.3.1. Indicada em casos de sinusite bacteriana

7.3.1.1. Osteotomia sobre a região apical com trepanação ou flap ósseo

7.3.1.1.1. Anestesia geral ou posição quadrupedal

7.3.2. Muitas complicações; formação de fístulas

7.3.3. Acesso: mandíbula; maxila (_06 a _08; _09 a _11)

8. Desordens da cavidade oral

8.1. Fenda palatina

8.1.1. SC: Escorrimento de leite pelas narinas após aleitamento, tosse, sinais de aspiração

8.1.2. Diagnóstico: Exame da cavidade oral, palpação digital, endoscopia

8.1.3. Correção

8.1.3.1. Cirurgia

8.1.3.1.1. Não intervir quando houver assimetria ou mais de 20% do palato mole estiver ausente

8.1.3.1.2. Acessos: Transoral, Via laringotomia, Via Faringotomia (Separação do osso basihióide), Via sinfisiotomia mandibular (Envolvimento do palato duro)

8.1.3.1.3. P.O.

8.1.3.1.4. Complicações

9. Fraturas

9.1. Fio de aço

9.1.1. Dentes incisivos

9.1.1.1. Osso incisivo

9.1.1.1.1. Rostral maxila ou mandíbula

9.1.2. Uso de parafuso ou reforço com acrílico

9.2. Hemicerclagem

9.2.1. Diástema mandibular

9.2.1.1. Sínfise mandibular em potros

9.2.2. Com ou sem parafuso

9.3. Aparelho "U - Bar"

9.3.1. Fraturas bilaterais

9.3.2. Associar com amarrações de fio de aço

9.4. Parafuso

9.4.1. Sínfise/Diástema mandibular

9.5. Fixadores externos

9.5.1. Ramo/corpo da mandíbula

9.5.1.1. Pré maxila ou maxila

9.5.2. Tipo I

9.5.2.1. Pinos com rosca terminal +

9.5.3. Tipo II

9.5.3.1. Pinos com rosca central +

9.5.3.2. Pinos de Steinmann

9.5.4. Sem pinos

9.5.4.1. Dão estabilidade em fraturas tratadas c/ outras técnicas de estabilização

9.6. Placas

9.6.1. Fraturas fechadas ramo/corpo da mandíbula

9.6.1.1. Fraturas cominutivas de diástema