SÍNDROMES AUTONÔMICAS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
SÍNDROMES AUTONÔMICAS por Mind Map: SÍNDROMES AUTONÔMICAS

1. SÍNDROME SIMPATICOLÍTICA

1.1. Pouca alteração do SNC + alteração profunda cardiovascular

1.2. Sintomas de taquicardia, hipotensão, pele quente, bradicardias com ionotrópicos e cronotrópicos negativos

1.3. Pode haver rebaixamento de consciência

1.4. Possibilidade de toxicidade por bloqueadores α e β, bloqueadores dos canais de cálcio e clonidina

2. SÍNDROME ASFIXIANTE

2.1. Sintomas de dispneia, taquipneia, cefaleia,confusão, labilidade emocional náusea, vômitos

2.2. Mais graves: edema cerebral, coma, depressão respiratória, hipotensão, arritmias, edema pulmonar

2.3. Investigar fundo de olho

2.3.1. Possibilidade de papiledema e ingurgitamento venoso

2.4. Possibilidade de toxicidade por cianeto, inalantes, gases, vapores e monóxido e carbono

3. INTOXICAÇÃO COM ACIDOSE METABÓLICA GRAVE E PERSISTENTE

3.1. Importante: GASOMETRIA

3.2. Sintomas de taquipneia intensa, dispneia, bradicardia, hipotensão

3.3. Realização de exames

3.3.1. Lactato arterial, ânion gap, urina tipo I, dosagem sérica de tóxicos

3.4. Possibilidade de toxicidade por acetona, ácido valproico, cianeto, etanol, formaldeído, etilenoglicol, metformina, monóxido de carbono e salicilatos.

4. SÍNDROME COM HIPOATIVIDADE

4.1. Desorientação, alucinações auditivas e visuais, sinestesias, labilidade do humor

4.2. Exame físico pode mostrar bradipneia, hipoatividade, rebaixamento do nível de consciência, coma, insuficiência respiratória, hipercapnia, aspiração e morte

4.3. Se pupila muito miótica: provável intoxicação por opióides

4.3.1. Reverter com NALOXONA

4.4. Se pupila sem miose: provável intoxicação por álcool e derivados, anticonvulsivantes e benzodiazepínicos

5. SÍNDROME DISSOCIATIVA (ALUCINÓGENA)

5.1. Sintomas de desorientação, alucinações auditivas e visuais, sinestesias, labilidade do humor

5.2. Taquicardia, hipertensão, tremor, midríase, hipertermia (esses sintomas são inespecíficos e podem confundir com outros estimulantes do SNC)

5.3. Possibilidade de intoxicação por fenciclidina e LSD

6. SÍNDROME COLINÉRGICA

6.1. Sintomas de bradicardia, miose, hipersalivação, diarréia, vômitos, broncorréia, lacrimejamento, sudorese intenção, fasciculações

6.2. Quadro típico

6.3. Mais graves: PCR, coma, insufiência respiratória, convulsões

6.4. Possibilidade de intoxicação por carbamatos, fisostigmina, organofosforados, pilocarpina

7. SÍNDROME ANTICOLINÉRGICA

7.1. Pode ter efeito semelhante à síndrome adrenérgica

7.2. Midríase, taquicardia, sudorese, tremor, agitação, estimulação do SNC, confusão

7.3. Diminuição de ruídos intestinais, retenção urinária

7.4. Pele seca, quente e bem avermelhada

7.5. Mais graves: convulsões, hipertermia, insuficiência respiratória

7.6. Probabilidade de toxicidade por antidepressivos tricíclicos, anti histamínicos, antiparkisonianos

8. INTOXICAÇÃO COM HIPERATIVIDADE ADRENÉRGICA SIMPATOMIMÉTICA

8.1. Procurar sítios de punção

8.2. Sintomas de ansiedade, sudorese, hipertensão, midríase

8.3. Mais graves: hipertermia, rabdomiólise, convulsões

8.4. Probabilidade de toxicidade por cocaína, anfetaminas, derivados da ergotamina, hormônio tiroidiano e inibidores da MAO