O início da República

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
O início da República por Mind Map: O início da República

1. A formação do governo militar

1.1. Em 15 de novembro de 1889, uma junta militar assumiu o poder e instalou a república no país. Essa junta deu início a um governo chefiado pelo marechal Deodoro da Fonseca. Era um governo provisório, previsto para ficar no poder até a aprovação de uma nova Constituição para o Brasil.

1.2. República federalista: República- Significa uma forma de governo em que o chefe de Estado é eleito para administrar o país por um tempo preestabelecido. Federalista- Com a Proclamação da República, as províncias passaram a se chamar estados. E esses estados começaram a ter autonomia.

1.2.1. Novo Tópico

2. A Constituição de 1891

2.1. Um ano depois, a Assembleia Nacional Constituinte iniciou seus trabalhos para elaborar a 1ª Constituição do Brasil republicano. Essa seria a Constituição promulgada do país, pois a de 1824 havia sido outorgada pelo imperador D.Pedro I.

2.1.1. Determinou a separação entre o Estado e a Igreja. Isso significava que o Brasil - que tinha instituído o catolicismo como religião oficial durante o Período Imperial - passava a adotar o princípio da liberdade religiosa. Esse princípio é fundamental para garantir o respeito a todas as práticas e crenças religiosas. A Igreja também deixou de ser a responsável por fazer o registro de nascimento e morte de pessoas, e a tarefa passou a ser de responsabilidade do estado.

2.2. A nova Constituição confirmou o Brasil como república federalista. Ao mesmo tempo que consagrou a figura do presidente como líder da nação, assegurou aos estados um poder muito maior do que as províncias tinham durante o Império.

2.3. Os governadores dos estados passariam a ser eleitos por suas regiões e não mais nomeados pelo poder central. Outra mudança foi no nível de autonomia dos governos e legislativos estaduais, que poderiam: unir, subdividir e desmembrar o território estadual, formando novos estados., elaborar Constituições estaduais., e usar da força policial sem depender de autorização do governo central do país. A nova Constituição promoveu ainda a extinção do Poder Moderador.

3. Os símbolos da república

3.1. A bandeira nacional

3.1.1. Um símbolo soberbo qual houve diversos debates foi o da bandeira nacional. Uma das versões feitas foi com faixas verdes e amarelas, inspirada na bandeira dos Estados Unidos. No final acabou sendo a bandeira que temos hoje.

3.1.2. A bandeira republicana mesclou elementos da bandeira do Brasil imperial. Na bandeira imperial, a cor verde era uma referência à casa de Bragança, dinastia à qual D. Pedro I pertencia, enquanto o losango era uma homenagem à imperatriz dona Leopoldina, sendo o amarelo a cor símbolo de sua família. Uma das novidades da bandeira republicana, a faixa com a divisa “Ordem e Progresso”.

3.2. O Hino nacional

3.2.1. Um decreto transformou o dia 15/11 em feriado nacional com o objetivo de torná-lo uma data de comemorações e desfiles. Houve um concurso para a escolha do novo Hino Nacional. A população optou por manter a música do Hino que já existia desde 1831.

4. A população negra no período republicano do pós-abolição

4.1. Uma das características principais do processo de organização do novo governo brasileiro foi evitar transformações sociais radicais ou conceder direitos sociais e econômicos aos grupos marginalizados, ex: a inserção dos negros na sociedade. Com a Proclamação da República, a Constituição de 1891 não garantiu direitos ou benefícios aos negros brasileiros, os quais passaram a depender inteiramente de estratégias individuais para conseguir trabalho e sustento.

5. A República da Espada

5.1. De acordo com a Constituição de 1891 seria indireta ficando os deputados e senadores encarregados da escolha do presidente. As eleições seguintes seriam diretas a escolha seria feita por meio de votos dos eleitores. Em 1891 os deputados constituintes elegeram o marechal Deodora da Fonseca como o 1º presidente do Brasil. Seu vice foi o marechal Floriano Peixoto.

6. O governo de Deodoro e o Encilhamento

6.1. Deodoro da Fonseca nomeou como ministro da Fazenda o jurista Rui Barbosa. O ministro concedeu aos bancos privados o direito de emitir moeda. Devido a essa permissão, diversas pessoas foram pedir empréstimos aos bancos alegando interesse em abrir empresas, mas pretendiam apenas ter acesso fácil ao dinheiro. Com mais dinheiro em circulação, houve um aumento excessivo nos preços das mercadorias, e começaram a ocorrer falências de empresas, ocasionando desemprego e levando o país a uma crise econômica, conhecida como Encilhamento.

7. O governo do Floriano e as revoltas

7.1. Seu governo foi marcado por inúmeros problemas, como a Revolução Federalista, ocorrida no RS, e a Revolta armada, no RJ. A Revolução Federalista- teve origem na disputa pelo poder do estado entre as elites regionais. Revolta Armada- os oficiais da Marinha pediram afastamento de Floriano Peixoto, quantos os marinheiros se amotinaram, tomando posse de navios e bombardeando a capital.

8. A elite agrária e a Política dos Governadores

8.1. O 1º presidente eleito pelo voto direto no Brasil foi o Prudente de Morais. Sua entrada foi marcado pela saída das mãos dos militares e passou para a dos fazendeiros, oligarquia rural. Durante o mandato do seu sucessor, Campos Sales, que a oligarquia rural brasileiro criou sólidas estruturas de controle do poder e do domínio político, Política dos Governadores. Tratava de um pacto de apoio mútuo feito entre o presidente e os governadores dos estados.

9. O coronelismo

9.1. Os grandes proprietários de terras, que comandavam a política no interior do país nesse começo da república. Eles tinham completo domínio da realidade regional devido à troca de favores que mantinham junto à população. Ajudava a população em suas necessidades básicas. Como forma de agradecimento as pessoas e suas famílias atendiam aos pedidos do coronel na hora das eleições, votando no candidato indicado, clientelismo.

10. O Convênio de Taubaté

10.1. A queda dos preços reduziu a margem de lucro dos cafeicultores que exigiram dos governantes a adoção de alguma medida para proteger seus interesses. Em 1906, cafeicultores e os governadores de SP, MG e RJ se encontram na cidade de Taubaté onde firmaram um acordo que ficou conhecido como Convênio de Taubaté.

10.2. Getúlio Vargas e a Revolução de 1930

10.2.1. O partido Republicano Mineiro se uniu a dois partidos do RS, um da Paraíba e o outro de SP e formou a Aliança Liberal. Esse grupo lançou o gaúcho Getúlio Vargas como candidato a presidente e o governo paraibano João Pessoa como vice. Integrantes da Aliança Liberal e outros opositores do governo passaram a responsabilizar o presidente Washington Luís pelo crime. Uma articulação dos opositores do governo começou no RS e em MG um movimento revolucionário que rapidamente se espalhou para outros estados, Revolução de 1930.

11. As revoltas tenentistas

11.1. Na caminhada restaram 17. Juntou-se um civil que passava pela rua e decidiu ao protesto. Esse episódio ficou conhecido como Revolta dos 18 do Forte de Copacabana e contribuiu para reforçar a luta e o sentimento antioligarquia no Brasil.