Evolução do Pensamento Político Ocidental

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Evolução do Pensamento Político Ocidental por Mind Map: Evolução do Pensamento Político Ocidental

1. Conceitos

1.1. A Idade Moderna é um período de transformações Culturais, Econômicas, Religiosas e Políticas. Diferentemente da Idade Média, esta veio com inúmeros pensadores "revolucionários" e Modernos para a época.

2. Pensadores

2.1. Sócrates

2.1.1. É reconhecido por muitos autores como o responsável pela Filosofia Ocidental. Seus primeiros pensamentos tratavam-se sobre a essência da alma humana e a natureza.

2.2. Platão

2.2.1. Este entendia que o poder deveria ser exercido como missão decorrente da aquisição da sabedoria e não por ambição ou desejo do poder pelo próprio poder.

2.3. Aristóteles

2.3.1. Para Aristóteles, à ideia ou forma do bem não supõe univocidade, pois não existe uma única forma do bem para todos e para tudo.

2.4. Santo Agostinho

2.4.1. Sua obra permite extrair preciosos elementos para a exegese da relação entre Estado e Igreja.

2.5. São Tomás de Aquino

2.5.1. Para São Tomás de Aquino o Ser Supremo, além de Criador, é também o Legislador de todo o cosmos por ele criado, o qual governa segundo sua lei eterna.

2.6. Nicolau Maquiavel

2.6.1. Maquiavel acreditava que a política podia ser traduzida através da conquista, consolidação e manutenção do poder.

2.7. Jean Bodin

2.8. Thomas Hobbes

2.9. Jonh Locke

2.10. Montesquieu

2.11. Rousseau

2.12. Hegel

2.13. Karl Marx

2.14. Alexis de Tocqueville

2.15. Max Weber

2.16. Robert Michels

3. Obras

3.1. O "Príncipe" de Maquiavel. Este sintetiza o pensamento político do autor, com análises clara e forte do poder Político, visto que, Maquiavel conhecia muito bem os mecanismos e instrumentos do poder.

3.2. A "República" de Platão. O autor descreve a situação de confusão, ilusão e engano em que a ignorância coloca o homem, apontando, ao mesmo tempo, como saída a conquista do saber e da virtude.

3.3. A "Política" de Aristóteles. Nesta obra, Aristóteles aborda, a questão inerente à origem do Estado, que a seu ver remontaria a um processo natural, uma vez que o homem, naturalmente, teria uma tendência à vida em sociedade, dando origem aos primeiros agrupamentos sociais e, num momento posterior, à formação e organização da pólis, caracterizada pela necessidade de um governo, responsável pela elaboração de regras que permitam a convivência social.

3.4. A "Cidade de Deus" de Santo Agostinho. Nesse contexto histórico e religioso, Agostinho propôs dividir as organizações humanas segundo a “cidade de Deus” (civitas Dei), dirigida pelo princípio do amor e formada pelas pessoas cuja vontade busca a Deus e suas leis; do outro lado, a “cidade do mundo” (civitas terrena), identificada pela religião e regida pelo amor de si mesmo, composta por pessoas que se distanciam de Deus,

3.5. "Suma Teológica" de São Tomás de Aquino.

3.6. O "Príncipe" de Maquiavel. Nesta obra, Maquiavel aconselha os governantes como governar e manter o poder absoluto, mesmo que tenha que usar a força militar e fazer inimigos.