Estratégias Educacionais de atendimento de alunos com AH/SD

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Estratégias Educacionais de atendimento de alunos com AH/SD por Mind Map: Estratégias Educacionais de atendimento de alunos com AH/SD

1. Concepções e características de AH/SD

1.1. DIFICULDADES

1.1.1. Discordância entre autores

1.1.2. Fenômeno relativo a área

1.1.3. Características típicas diferentes em diferentes áreas

1.2. BRASIL

1.2.1. Secretaria de educação especial do ME

1.2.2. Diretrizes nacionais para educação especial na educação básica

1.2.3. Política Nacional de Educação especial na perspectiva da educação inclusica

1.3. Autores

1.3.1. ALENCAR E FLEITH

1.3.1.1. construto psicológico a ser inferido a partir de uma constelação de traços ou características de uma pessoa

1.3.2. Renzulli (3 anéis)

1.3.2.1. habilidades acima da média

1.3.2.2. envolvimento com tarefa

1.3.2.3. criatividade

1.3.3. Feldman

1.3.3.1. movimento entre níveis de domínio com desenvolvimento superior a de seus pares

1.3.4. Tannenbaun

1.3.4.1. perfil: potencial de análise crítica e produção de ideias na esfera:

1.3.4.1.1. física

1.3.4.1.2. intelectual

1.3.4.1.3. social

1.3.4.1.4. moral

1.3.4.1.5. estética

1.3.5. Gagné

1.3.5.1. talento

1.3.5.1.1. desenvolvido sistematicamente

1.3.5.1.2. maturação, aprendizagem e prática

1.3.5.2. superdotação

1.3.5.2.1. conjunto de habilidades inatas e naturais do domínio

1.3.6. Gardner (oito blocos/inteligências)

1.3.6.1. linguísitca

1.3.6.2. lógico-matemática

1.3.6.3. espacial

1.3.6.4. musical

1.3.6.5. cinestésica

1.3.6.6. interpessoal

1.3.6.7. intrapessoal

1.3.6.8. naturalista

1.4. podem ou não estar relacionadas ao QI

1.5. consideram dimensões cognitivas e afetivas

2. terminologia

2.1. Brasil

2.1.1. aluno com AH/SD

2.2. Austrália

2.2.1. alunos mais capazes

2.2.2. habilidades especiais

2.3. China

2.3.1. supernormais

2.4. EUA

2.4.1. gifted

2.4.2. talentoso

2.5. Europa

2.5.1. altas habilidades

3. A escola e as práticas educacionais

3.1. PAPEL DA ESCOLA NO DESENVOLVIMENTO DE AH/SD

3.1.1. voltada para médias e maiorias

3.1.2. homogeneização discutida com escola inclusiva

3.1.3. SD não são identificados

3.1.3.1. assincronia no desenvolvimento

3.1.3.2. rendimento escolar normal/baixo

3.1.3.3. "diagnóstico" de hiperatividade

3.1.3.4. estratégias para mascarar

3.1.3.5. falta de tarefas e oportunidades para demonstrar habilidade

3.1.4. é injusto/antidemocrático?

3.1.4.1. "já é privilegiado"

3.1.5. sensibilizar escola/professores

3.1.5.1. o que é SD

3.1.5.2. reconhecer sinais

3.1.5.3. práticas educacionias

3.2. práticas educacionais ao aluno com AH/SD

3.2.1. enriquecimento curricular

3.2.1.1. Trabalhar conteúdo de interesse do aluno fora do currículo escolar

3.2.1.2. cria instrumentos e métodos para investigação de problemas reais

3.2.2. aceleração escolar

3.2.2.1. criança move através do currículo em áreas que domina no próprio ritmo

3.2.3. diferenciação curricular

3.2.3.1. turmas diferenciadas com aulas baseadas em diferenças de habilidades, estilos e nível

4. atendimento ao aluno com AH/SD

4.1. Programas brasileiros

4.1.1. CEDET

4.1.1.1. centro de desenvolvimento do potencial e talento

4.1.2. POIT

4.1.2.1. projeto objetivo de incentivos ao talento

4.1.3. Secretaria de estado de educação do DF

4.1.4. ISMART

4.1.4.1. instituto social maria telles

4.1.5. ACERTA

4.1.6. 27 Núcleos de atividades de AH/SD

4.1.7. ConBraSD

4.1.7.1. Conselho brasileiro para SD

4.2. Cenário em outros países

4.2.1. maior conscientização mas, descompasso

4.2.2. escandinavos

4.2.2.1. resistência a esse tipo de programa

4.2.3. Austrália, Nova Zelândia, Canadá

4.2.3.1. diminuição da resistência

4.2.4. Árabes e asiáticos

4.2.4.1. interesse aumentando

4.2.5. EUA, Inglaterra, Israel

4.2.5.1. investimento maciço

4.2.6. África

4.2.6.1. investimento ínfimo

4.2.6.2. África do Sul é exceção

5. Desafios e tendências na educação do aluno com AH/SD

5.1. desafios

5.1.1. Desinformação e mitos

5.1.2. diagnósticos equivocados

5.1.3. má interpretação do termo

5.1.4. falta de parceria família-escola

5.1.5. faltas na formação e embasamento teórico-prático do professor

5.1.6. atendimento de necessidades emocionais e sociais

5.2. tendências

5.2.1. mais elaboração de políticas públicas

5.2.2. maior implementação de programas e serviços

5.2.3. maior evidência do retorno social desse investimento

5.2.4. ênfase em caráter multidimensional, dinâmico e produtivo-criativo

5.2.5. investimento crescente em pesquisa

5.2.6. confluência de abordagens

6. Referências

6.1. Fleith, D. S. & Maia-Pinto, R. R. (2014). Estratégias Educacionais de atendimento de alunos com Altas Habilidades/Superdotação. In: D. Maria Auxiliadora and D. Albuquerque Maciel, A Ciência do Desenvolvimento Humano. Curtitiba: Juará.