Doenças Neuromusculares

Doenças Neuromusculares

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Doenças Neuromusculares por Mind Map: Doenças Neuromusculares

1. Distrofia Miotônica

1.1. fraqueza e rigidez muscular

1.1.1. Linderman et al, 1995

1.1.1.1. N=33 Grupo controle pacientes sem exercício Tipo de exercicio resistido

1.1.1.1.1. 24sem. exerc. de ext./flex. de joelho com tornozeleiras, em casa 3x 10 reps. com 80% 1rm; 3 sessões/sem.

1.1.2. Taivassalo et al, 1999.

1.1.2.1. N=1 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercicio Aeróbio

1.1.2.1.1. 8 sem. de caminhada em esteira com intensidades entre 70% a 85% de FCR 3 a4d./Sem. po 20 a 30min..

1.1.3. Wright et al, 1996

1.1.3.1. N=5 Sem grupo controle Tipo de exercício Aeróbio

1.1.3.1.1. 12 sem. de caminhada 3 a 4d./sem. em intensidades entre 50 e 60% da FCR durante 15 min. nas sem. iniciais e 30min. nas semanas finais

1.1.4. Kilmer et al,2001

1.1.4.1. N=9 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercicio Resistido

1.1.4.1.1. 1 dia, 2 x 8RM(excêntricas)

2. Esclerose Lateral Amiotrófica

2.1. também conhecida como doença do neurônio motor e doença de Lou Gehrig, é uma doença que causa a morte dos neurônios de controle dos músculos voluntários.

2.1.1. Droy, et al, 2001

2.1.1.1. N=14 ELA Grupo controle 11 ELA Tipo de exercício Indefinido

2.1.1.1.1. 12 meses, 15min. por sessão, 2x ao dia, todos os dias

3. Neuropatia Sensorio-Motora Hereditária

3.1. Os tipos I e II são caracterizados por perda de força e atrofia, principalmente nos músculos fibulares e distais das pernas Tipo III perda de força progressiva e perda sensorial e ausência de reflexos tendinosos profundos. Apesar de inicialmente ser semelhante à doença de Charcot-Marie-Tooth, a fraqueza motora evolui mais rapidamente.

3.1.1. Linderman et al, 1995

3.1.1.1. N=29 Grupo controle pacientes sem exercício Tipo de exercicio resistido

3.1.1.1.1. 24sem. exerc. de ext./flex. de joelho com tornozeleiras, em casa 3x 10 reps. com 80% 1rm; 3 sessões/sem.

3.1.2. Wright et al, 1996

3.1.2.1. N=2 Grupo controle= Não Tipo de exercício Aeróbio

3.1.2.1.1. 12 sem. de caminhada 3 a 4d./sem. em intensidades entre 50 e 60% da FCR durante 15 min. nas sem. iniciais e 30min. nas semanas finais

4. Distrofia Facioescapuloumeral

4.1. fraqueza muscular e perda de massa muscular atingindo a face, a cintura escapular e os membros superiores

4.1.1. van der Kooi et al, 2004

4.1.1.1. N=65 Grupo controle: Pacientes sem exercício Tipo de exercício: Resistido(periodizado)

4.1.1.1.1. 52sem. Flexão de cotovelo e dorsi-flexão de tornozelos. 1ºa 8º sem 2x5 a 10Rms/ 9ºa17ºsem. 2x 8Rms/ a partir da 18º 2x5 Rms. No meio do estudo foi ministrado albuterol 8mg. 2/dia;

4.1.2. Kilmer et al,2001

4.1.2.1. N= 2 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercicio resistido

4.1.2.1.1. 1 dia, 2 x 8RM(excêntricas)

4.1.3. Olsen et al, 2005

4.1.3.1. N=8 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercicio aeróbio

4.1.3.1.1. 12 sem. 35 min. por sessão, 5d./ sem. em intensidade de 65% do VO2 Max monitorado pela FC com monitor Polar

5. Sindrome Pós-polio

5.1. perda das funções musculares que tinham permanecido estabilizadas no intervalo entre a recuperação e o aparecimento dos novos sintomas.

5.1.1. Agre et al, 1996

5.1.1.1. N=12 Sem grupo controle Tipo de exercício Resistido

5.1.1.1.1. 12 sem. ext. joelhos com tornozeleira 6 a 10 reps. com 5s. duração cada. 3x sem

5.1.2. Agre et al, 1997

5.1.2.1. N=7 Sem grupo controle Tipo de exercício Resistido

5.1.2.1.1. 12 sem. exerc. isométrico e isotônico de quadríceps; 3x4 contr. Isométricas Máximas 2d./sem. e 3x12 Reps com tornozeleiras 2d./sem. intensidade baseada em escala de borg

5.1.3. Spector et a.,1996

5.1.3.1. N=6 Sem grupo controle Tipo de exercicio Resistido

5.1.3.1.1. 10 sem. de exercícios dinâmicos para quadríceps e tríceps em maquina pneumática de res. varável. 3x10 a 20 reps. Em intensidade de 75% de 3RM, 3d./sem.

6. Miosite por Corpo de Inclusão

6.1. O termo miosite por corpos de inclusão foi introduzido em 1971 por Yunis e Samahal, para descrever um subconjunto de pacientes com miosite crônica, cujas biópsias musculares mostraram, além de inflamação, fibras musculares contendo vacúolos anormais e inclusões características de filamentos no citoplasma e núcleo.

6.1.1. Spector el al, 1997

6.1.1.1. N= 5 Sem grupo controle Tipo de exercício Resistido

6.1.1.1.1. 12 sem. ext. e flex. de joelhos, flexão de cotovelos e flexão de punho em maquina pneumática de resistência variada. 3x10 a 20 reps. 3d./sem.

7. Miopatia Metabólica

7.1. As miopatias metabólicas são um grupo de doenças musculares e genéticas. Elas são geradas por defeitos no metabolismo, ou seja, nas reações químicas celulares responsáveis pela produção e armazenamento de energia. Para cumprir seu papel na movimentação e fortalecimento do corpo, os músculos precisam de uma grande quantidade de energia armazenada. Então, se a energia disponível é menor do que a necessária, eles são os principais afetados.

7.1.1. Taivassalo et al, 1998

7.1.1.1. N=10 Sem grupo controle Tipo de exercicio Aeróbio

7.1.1.1.1. 8 sem. de treinamento em esteira por 20 a 30min,. 3 a 4d./sem. em intensidades entre 60 e 80% da FCR.

7.1.2. Taivassalo et al, 1999.

7.1.2.1. N=14 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercício Aeróbio

7.1.2.1.1. 8 sem. de caminhada em esteira com intensidades entre 70% a 85% de FCR 3 a4d./Sem. po 20 a 30min..

8. Distrofia de Cintura e Membros

8.1. fraqueza predominantemente na cintura pélvica e escapular, e que se diferenciavam das já conhecidas distrofias ligadas ao cromossomo X (Duchenne e Becker) e a distrofia fáscio-escápulo-umeral.

8.1.1. Taivassalo et al, 1999.

8.1.1.1. N=4 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercício Aeróbio

8.1.1.1.1. 8 sem. de caminhada em esteira com intensidades entre 70% a 85% de FCR 3 a4d./Sem. po 20 a 30min..

8.1.2. Wright et al, 1996

8.1.2.1. N=1 Sem grupo controle Tipo de exercício Aeróbio

8.1.2.1.1. 12 sem. de caminhada 3 a 4d./sem. em intensidades entre 50 e 60% da FCR durante 15 min. nas sem. iniciais e 30min. nas semanas finais

8.1.3. Kilmer et al,2001

8.1.3.1. N= 2 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercício Resistido

8.1.3.1.1. 1 dia, 2 x 8RM(excêntricas)

9. Distrofia Oculafaringea

9.1. é uma doença genética com padrão predominantemente autossômico dominante, ligada ao gene PABPN1. A OPMD cursa com quadro de ptose progressiva, disfagia e fraqueza dos músculos proximais dos membros.

9.1.1. Taivassalo et al, 1999.

9.1.1.1. N=2 Grupo controle indíviduos saudáveis Tipo de exercício Aeróbio

9.1.1.1.1. 8 sem. de caminhada em esteira com intensidades entre 70% a 85% de FCR 3 a4d./Sem. po 20 a 30min..

10. Miopatia( inespecífica)

10.1. Denominamos de miopatias todas as desordens musculares que são restritas ao músculo sem nenhum problema estrutural envolvendo o nervo periférico. Suas causas podem ser genéticas ou não.

10.1.1. Taivassalo et al, 1999.

10.1.1.1. N=3 Grupo controle indivíduos saudáveis Tipo de exercício Aeróbio

10.1.1.1.1. 8 sem. de caminhada em esteira com intensidades entre 70% a 85% de FCR 3 a4d./Sem. po 20 a 30min..

11. Moléstia hereditária autossômica recessiva

11.1. Uma doença autossómica recessiva é caracterizada por atingir homens e mulheres na mesma proporção e induzida pelo gene recessivo originado do cruzamento dos pais do indivíduo. A doença só se manifesta se existir 2 genes recessivos.

11.1.1. Haller et al, 1998

11.1.1.1. N=4 Sem grupo controle Tipo de exercício Aeróbio

11.1.1.1.1. 14 sem. 30 a 40 min por sessão, 4d./sem. em intensidades entre 70 a 80% da FCMáx.

12. Distrofia Muscular de Becker

12.1. Doenças genéticas causadas por mutações no mesmo gene, o DMD, ambas com padrão de herança recessivo ligado ao cromossomo X (Xp21). Deleções (perda de DNA) e duplicações (ganho de DNA) no gene DMDsão responsáveis pela doença em aproximadamente 70% dos pacientes. Os casos restantes são causados por mutações de ponto ou microrearranjos.

12.1.1. Kilmer et al,2001

12.1.1.1. N=1 Grupo controle indivíduos saidáveis Tipo de exercício Resistido

12.1.1.1.1. 1 dia, 2 x 8RM(excêntricas)

13. Distrofia Muscular de Duchenne

13.1. Sua principal característica é a degeneração progressiva do músculo, em decorrência da ausência de uma proteína. Distrofia de Duchenne é uma doença genética de caráter recessivo, ligada ao cromossomo X, degenerativa e incapacitante. ... No entanto, cerca de 1/3 dos casos ocorre por mutação genética nova.

13.1.1. Skura et al, 2005

13.1.1.1. N=2 Sem grupo controle Tipo de exercício Resistido

13.1.1.1.1. 14 sem. de exerc. Concêntricos de extensores e flexores da coxa, 1x10 Reps, Contra borracha elástica