A TERCEIRA FORÇA Psicologia Humanista

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
A TERCEIRA FORÇA Psicologia Humanista por Mind Map: A TERCEIRA FORÇA Psicologia Humanista

1. Origens

1.1. A natureza humana é boa ou neutra, então é melhor encorajá-la

1.2. Carl Rogers: psicólogo psicodinamicamente treinado, mas discordou das teorias de Freud

1.3. Abraham Maslow ajudou Rogers a ser pioneiro em direção a um movimento humanista em terapia (terapia humanística)

2. Críticas

2.1. A psicologia humanista esteve no alvo de algumas críticas. Como muitos dos seus conceitos são muito subjetivos, às vezes pode ser difícil testar empiricamente suas afirmações. Conceitos como a autorrealização, as experiências máximas e a realização pessoal são difíceis de medir e de serem avaliados, embora em grande parte sejam avaliações subjetivas. Definição, operacionalização e quantificação, são exemplos.

3. Abordagens relacionadas ao contexto humanista

3.1. Terapia Gestalt: fundada por Fritz Perls; enfatiza uma abordagem holística para melhorar a experiência do cliente, que inclui percepções mentais e físicas; os terapeutas incentivam os clientes a atingir seu pleno potencial

3.2. Psicoterapia Existencial: desenvolvido por Rollo May, Victor Frankl e Irvin Yalom; centra-se na premissa de que cada pessoa está essencialmente sozinha no mundo e que a percepção desse fato pode nos sobrecarregar com ansiedade; ênfase é colocada sobre as habilidades dos clientes para superar a falta de sentido, criando um senso de significado.

3.3. originalmente desenvolvido para tratar comportamentos de dependência, mas tem sido usado para tratar uma grande variedade de distúrbios

3.4. os profissionais não pressionam o cliente a mudar o que permite que os clientes ativem seus próprios valores intrínsecos para obter motivação

3.5. Entrevista Motivacional: desenvolvido por William Miller; centra-se em abordar a ambivalência dos clientes ou a incerteza sobre como fazer grandes mudanças em seu modo de vida

4. Elementos da Psicoterapia Humanista

4.1. Nível relativamente alto de transparência do terapeuta; aberto e franco sobre seus próprios pensamentos e sentimentos

4.2. Empatia: o terapeuta é capaz de sentir as emoções do cliente e perceber / compreender os acontecimentos da sua vida de uma forma compassiva

4.3. 3 condições p/ relação terapeuta - paciente

4.4. Permitir que os clientes clarifiquem seus próprios sentimentos e tenham mais confiança em suas emoções e se sintam valorizados / apoiados

4.5. Aceitação incondicional POSITIVA: aceitação total de uma pessoa, não importa o que

4.6. Congruência terapêutica - existe uma correspondência entre os self real e ideal do terapeuta

4.7. Genuíno - honestidade; verdadeiramente empático e aceitação incondicional positiva

4.8. Humanistas olham como os terapeutas deveriam estar com os clientes

4.9. Reflexão: ocorre quando um terapeuta responde a um cliente reformulando ou reafirmando as declarações do cliente de uma forma que realce os sentimentos ou emoções do cliente

5. Objetivos da Psicoterapia Humanista

5.1. Congruência: correspondência entre o eu real e o eu ideal; alcançado quando a auto-realização guia a vida de uma pessoa sem interferência

5.2. Incongruência: discrepância entre o eu real e o eu ideal; raiz da psicopatologia

5.3. Eu ideal: quem a pessoa quer ser (preenchendo o potencial)

6. Clínica

6.1. Auto-realização: os seres humanos têm uma tendência inata para crescer e, se o ambiente o estimular, isso acontecerá

6.2. Consideração positiva condicional: somos valorizados somente se atendemos a certas condições

6.3. Consideração positiva: o calor, amor e aceitação daqueles que nos rodeiam