Embarcações

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Embarcações por Mind Map: Embarcações

1. Barco/Embarcação Marítimo(a)

1.1. Navio convencional para carga geral.

1.1.1. TRAMP: • Tem baixa potência propulsora; Baixa velocidade; Praticamente não possuem equipamento de carga/descarga; Baixo valor de estiva

1.1.2. LINER: Entrega com datas e locais pré-determinados; Alto fator de estiva; projetados para apresentar elevada potência e alta velocidade; possuem equipamentos de carga/descarga capazes de operar grandes pesos; além de instalações especializadas.

1.2. Navios para Bandejas.

1.2.1. Possuem aberturas laterais de empilhadeiras que permitem o acesso aos porões. Internamente possuem rampas de acesso aos diversos conveses.

1.3. Navios RO-RO

1.3.1. Apresentam aberturas laterais que permitem acesso de veículos ao interior do navio; Podem ser projetados com instalações para outros tipos de cargas.

1.4. Navios Porta-Contentores

1.4.1. Utilizados exclusivamente para transporte de contentores; São navios de grande capacidade e alta velocidade que operam em grandes portos; São mais caros, necessitando de um investimento inicial mais elevado.

1.5. Navios Porta-Barcaças

1.5.1. São capazes de içar barcaças carregadas diretamente de dentro d'água com equipamento próprio.; Possuem grande capacidade e alta velocidade; podem ser rebocadas diretamente para vias navegáveis interiores, evitando um transbordo adicional; Não ocupam lugar no cais para carregar e descarregar; Efetuam as operações com extrema rapidez. Desvantagem: Transporta obrigatoriamente equipamentos de elevada capacidade de carga.

1.5.1.1. LASH: guindaste de pórtico é capaz de içar barcaças de até 500 ton.; permite que a carga/descarga seja realizada por um só operador.

1.5.1.2. SEABEE: opera com elevadores submergíveis para até duas barcaças de de 1000 ton. cada.

1.6. Navios Container-Feeders

1.6.1. Têm como finalidade realizar viagens entre os portos maiores, onde recebem a carga de navios, porta contentores e portos menores onde consegue navegar sem problema de profundidade.

1.7. Navios Pretoleiros

1.7.1. Inicialmente construídos com grande quantidades de tanques que serviam como peça de reforço estrutural.; O crescimento no porte dos navios provocou também um aumento nos calados, o que provocou problemas para acessos a vários portos importantes. Gerando um navio de menor calado com maior boca, denominado RD-Tanker.

1.8. Navios Graneleiros

1.8.1. Possuem grandes porões com escotilhas que cobrem sua área, além de tanques laterais que recebem grãos, carga a granel, ou lastro d'água. Existe a possibilidade de realizar a própria carga ou descarga.

1.9. Navios Mineraleiros

1.9.1. Específicos para transporte de minérios, possuem pequenos porões e estrutura reforçada; Além de tanques laterais que carregam água quando os porões centrais estão carregados, evitando que o centro de gravidade fique muito baixo.

1.10. Navios Ore-Oil

1.10.1. Navio combinado para transporte de minério e petróleo; Possuem dois sistemas principais. Um em que os mesmos tanques são utilizados para transportar os dois produtos. E outro que os tanques centrais levam minério e os laterais levam óleo.

1.11. Navios Ore/Bulk/Oil

1.11.1. Graneleiro de múltipla finalidade; geralmente os porões são estanques e possuem tanques elevados para reduzir a altura metacêntrica.

1.12. Navios Universal Bulk Ship

1.12.1. Tem como característica especial uma série de tanques elevados, com formato que facilita a carga e descarga de grãos.

1.13. Navios PANAMAX

1.13.1. Podem ser de múltiplo uso ou para granéis; Suas dimensões foram projetadas para atravessar o canal do Panamá.

1.14. Navios PROBO

1.14.1. Navio combinado para produtos refinados de petróleo, óleo cru, graneis leves e minérios.

1.15. Outros

1.15.1. São navios com finalidades específicas, como navios propaneiros (transporte de GLP), para produtos químicos, carvão, vinho, etc.

2. Barco/Embarcação Fluvial

2.1. Não possuem um tamanho específico.

2.2. Devem ter características adequadas às navegações da hidrovia que se destinam.

2.3. Necessário estudos individuais visando cada hidrovia em particular.

2.4. CARACTERÍSTICAS GERAIS DESEJÁVEIS

2.4.1. Pequeno calado compatível com a mínima lâmina d'água.

2.4.2. Dimensões adequadas às curvaturas das curvas da hidrovia.

2.4.3. Proteção para o apêndice do casco

2.4.4. Boas características de manobra

2.4.5. Estabilidade dinâmica para guinadas bruscas.

2.4.6. Comando das máquinas no passadisso.

2.4.7. Recursos para desencalhe por meios próprios.

2.4.8. Capacidade adequada de armazenagem de combustível.

2.4.9. Recurso para tratamento da água do rio.

2.4.10. Disponibilidade de radar com grande poder de discriminação de distância.

2.4.11. Disponibilidade de holofote com luz direcional.

2.4.12. Disponibilidade de ecobatímetro capaz de determinar profundidades muito pequenas.