Inteligência

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Inteligência por Mind Map: Inteligência

1. Testes sensoriais

1.1. Francis Galton

1.1.1. habilidades mentais eram transmitidas da mesma forma que os traços físicos através das gerações

1.1.2. origem da crença na teoria da inteligência fixa

2. Influências filosóficas iniciais

2.1. Platão

2.1.1. mente exerce maior influência sobre o corpo que o contrario

2.1.2. conceito de inteligência muito parecido com o atual de sabedoria

2.2. Aristóteles

2.2.1. dois tipos de virtudes: a moral e a intelectual

2.3. Sucessores de Platão e Aristóteles

2.3.1. Santo Agostinho, São Thomás de Aquino, Montaigne e etc.

2.3.1.1. inteligência: o julgamento das qualidades e virtudes de uma pessoa

2.4. René Descartes

2.4.1. razão era o único método confiável de se obter o conhecimento

2.5. John Locke

2.5.1. mente é uma tabula rasa: é preenchida pela experiência posterior do indivíduo

2.6. Immanuel Kant

2.6.1. conciliou a razão e o sentido como igualmente importantes na nossa concepção do mundo

3. A inteligência no mundo contemporâneo

3.1. Modelo cognitivo-contextual da inteligência

3.1.1. A Teoria das Inteligências Múltiplas

3.1.1.1. Howard Gardner

3.1.1.2. Nosso raciocínio possui múltiplas capacidades mentais

3.1.1.3. Utilização de outras evidências ao invés de resultados em testes psicométricos

3.1.1.4. Foco nos potenciais humanos, e não nas habilidades fixas

3.1.1.5. Inteligência é “a habilidade ou conjunto de habilidades que permitem ao indivíduo resolver problemas ou modelar produtos importantes em um ambiente cultural particular.”

3.1.1.6. Competência cognitiva humana: conjunto de pelo menos oito capacidades mentais universais

3.1.1.6.1. Linguística

3.1.1.6.2. Lógico-matemática

3.1.1.6.3. Espacial

3.1.1.6.4. Musical

3.1.1.6.5. Corporal-cinestésica

3.1.1.6.6. Interpessoal

3.1.1.6.7. Intrapessoal

3.1.1.6.8. Naturalista

3.1.2. A Teoria Triárquica de Inteligência

3.1.2.1. Robert Sternberg

3.1.2.2. Inteligência é “capacidade mental de emitir comportamentos contextualmente apropriados naquelas regiões do continuum experimental que envolve resposta à novidade ou automatização do processamento da informação como uma função de metacomponentes, componentes de desempenho e os componentes de aquisição do conhecimento.”

3.1.2.3. Composta de três subteorias inter-relacionadas:

3.1.2.3.1. Subteoria componencial

3.1.2.3.2. Subteoria experiencial

3.1.2.3.3. Subteoria contextual

3.1.2.4. A pessoa superdotada com altas habilidades:

3.1.2.4.1. analíticas

3.1.2.4.2. sintéticas

3.1.2.4.3. prática

3.1.2.5. ampliou a noção de superdotação e serviu de base teórica para novos testes

3.1.2.6. adição recente do fator sabedoria

3.1.2.6.1. grande importância

3.1.2.6.2. requer equilíbrio entre:

3.1.3. O Modelo de Enriquecimento Escolar

3.1.3.1. Joseph Renzulli

3.1.3.1.1. Superdotação

3.1.3.2. Ancorado em três pilares:

3.1.3.2.1. O Modelo dos Três Anéis

3.1.3.2.2. O Modelo de Identificação das Portas Giratórias (RDIM)

3.1.3.2.3. Modelo Triádico de Enriquecimento

4. o pensamento

5. informações durante o processo de resolução de problemas

6. bem geral

7. sucesso na vida

8. interação com ambiente e personalidade

9. relativamente independentes

9.1. critérios para selecioná-las

9.1.1. conhecimento sobre o desenvolvimento em indivíduos normais e talentosos

9.1.2. ter uma trajetória desenvolvimental distinta

9.1.3. ter base na biologia evolucionária

9.1.4. ser passível de se capturar em sistemas simbólicos

9.1.5. estar apoiado por evidências de estudos psicométricos em diferentes culturas

9.1.6. ser distinto de outras inteligências por meio de tarefas psicológicas experimentais

9.1.7. deve ter um processo mental específico para lidar com a informação

10. A inteligência emocional

10.1. traços de personalidade, da criatividade e outras características relacionadas à responsabilidade social

10.1.1. +

10.1.1.1. habilidades cognitivas tradicionais

10.1.1.1.1. =

10.2. surgimento do interesse em pesquisas sobre os fatores relacionados à realização pessoal

10.2.1. emergência à definição de inteligência emocional

10.2.1.1. Reuven Bar-On

10.2.1.1.1. pelo Inventário de Quociente Emocional (EQi), ha 5 meta-fatores:

10.2.1.2. Peter Salovey e John Mayer

10.3. superdotação e os talentos são notáveis por cauda da criatividade

10.4. o desenvolvimento da inteligência emocional é necessário para todas as crianças, principalmente para as com superdotação

11. Críticas aos testes psicométricos

11.1. os testes se centram na linguagem e na matemática

11.1.1. incluem apenas a inteligência acadêmica

11.1.2. exclui outras capacidades humanas fundamentais para resolução de problemas

11.2. cautela no seu uso indiscriminado ou isolado

11.2.1. o teste deve estar sempre associado a outras fontes de informação

11.2.1.1. habilidades em outras áreas possam ser apreciadas

11.2.2. testes de QI são sensíveis às diferenças étnicas, linguísticas e socioeconômicas

11.3. Maker e Schiever

11.3.1. A necessidade de se buscar atingir altos padrões de desenvolvimento

11.3.2. excelência (definida como as competências necessárias para o futuro

11.3.2.1. as escolas devem preparar os alunos

11.3.2.1.1. aprender e adquirir novas habilidades, e focalizar em habilidades de pensamento de “ordem superior”

11.3.3. aluno superdotado: tem condição de entender princípios relacionados às disciplinas tradicionais e com eles, tentam soluções criativas para o futuro

11.4. a visão unicista dá lugar a visões pluralísticas e dinâmicas

12. A inteligência na visão de Piaget e Vigotsky

12.1. teorias concorrentes da unicista sobre inteligência

12.1.1. Jean Piaget

12.1.1.1. procurou explicar o desenvolvimento intelectual pelas mudanças no desenvolvimento do funcionamento cognitivo

12.1.1.1.1. o desenvolvimento psico-cognitivo é resultado da interação dinâmica da criança com seu ambiente

12.1.1.1.2. COMO ao invés do O QUE

12.1.1.2. desenvolveu uma teoria interativa da inteligência

12.1.1.2.1. o desenvolvimento cognitivo depende:

12.1.2. Lev Vygotsky

12.1.2.1. a aquisição do conhecimento

12.1.2.1.1. Conhecimento: as habilidades necessárias para raciocinar, compreender e memorizar

12.1.2.1.2. se dá pela experiência, sendo mediado pela vivência da criança na sociedade

12.1.2.1.3. obtenção das funções mentais superiores envolve o uso de instrumentos físicos e simbólicos

12.1.2.2. Zona de Desenvolvimento Proximal

12.1.2.2.1. a distância entre o nível de desenvolvimento real e o potencial

12.1.2.2.2. boa situação de aprendizagem é a dentro da zona de desenvolvimento proximal do aluno

13. Guilford, Torrance e o papel da criatividade

13.1. J. P. Guilford

13.1.1. Estrutura do Intelecto

13.1.1.1. modelo tridimensional

13.1.1.2. cada fator é caracterizado por uma operação, um tipo de conteúdo e um produto

13.1.2. inteligência: “uma coleção sistemática de habilidades ou funções para o processamento de diferentes tipos de informação em diferentes formas, tanto com respeito ao conteúdo (substância) quanto ao produto (construto mental)”

13.1.2.1. essa ideia permitiu a discussão do papel de outras habilidades cognitiva, como a criatividade

13.2. E. P. Torrance

13.2.1. estudou as quatro dimensões cognitivas da criatividade

13.2.1.1. fluência

13.2.1.2. flexibilidade

13.2.1.3. originalidade

13.2.1.4. elaboração

13.2.2. também estudou os componentes afetivos

14. A inteligência para Spearman, Thurstone e Cattell

14.1. Charles Spearman

14.1.1. análise fatorial

14.1.1.1. fator g

14.1.1.1.1. inteligência geral

14.1.1.2. fator s

14.1.1.2.1. inteligência específica

14.1.2. Inteligência:

14.1.2.1. construto teórico, único e imutável, fundamentalmente hereditário, e que estaria na base de todas as funções intelectuais, determinando, desta forma, a capacidade de cada pessoa

14.2. Louis L. Thurstone

14.2.1. Inteligência consiste em oito fatores:

14.2.1.1. compreensão verbal

14.2.1.2. fluência verbal

14.2.1.3. número

14.2.1.4. memória

14.2.1.5. velocidade perceptual

14.2.1.6. raciocínio indutivo

14.2.1.7. visualização espacial

14.3. Raymond Cattell

14.3.1. Reconciliação entre as duas teorias

14.3.2. dividiu fator g de Spearman em:

14.3.2.1. habilidade fluida

14.3.2.1.1. componentes não verbais, pouco dependente de conhecimentos previamente adquiridos

14.3.2.2. habilidade cristalizada

14.3.2.2.1. experiências culturais e educacionais

15. O teste Binet-Simon

15.1. Binet reconheceu logo que os processos intelectuais mais complexos, como imaginação e compreensão, não poderiam ser acessados através dos testes sensoriais

15.2. os resultados nos testes eram dados, não em termos de um nível absoluto de inteligência, mas pela comparação da idade mental do aluno

15.3. Henry H. Goddard

15.3.1. defensor da eugenia

15.3.2. aprendeu o teste de inteligência na europa

15.3.3. criou a indústria dos testes de inteligência

15.4. não se preocupou em definir a inteligencia