Dor no Idoso

Mapa dor idoso

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Dor no Idoso por Mind Map: Dor no Idoso

1. Introdução

1.1. Dor Crônica

1.1.1. População Geriátrica

1.1.1.1. Qualidade de Vida

1.1.1.1.1. depressão

1.1.1.1.2. anorexia

1.1.1.1.3. distúrbios do sono

1.1.1.1.4. artrites inflamatórias

1.1.1.1.5. emagrecimento

1.1.1.1.6. desnutrição

1.1.2. doenças osteodegenerativas

1.1.2.1. neuropatias periféricas

1.1.2.2. câncer

1.1.3. estudo

1.1.3.1. 451 idosos

1.1.3.2. acima de 60 anos

1.1.3.3. dor em 51%

1.1.3.3.1. região dorsal

1.1.3.3.2. membros inferiores

2. Avaliação da Dor no Idoso

2.1. Dor

2.1.1. Nociceptiva

2.1.1.1. nociceptores periféricos

2.1.1.1.1. pressão, temperatura e distensão

2.1.1.2. Pode ser ativada por:

2.1.1.2.1. lesão tecidual, trauma, inflamação e deformação.

2.1.1.3. EX.: artrite, dor miofascial, fraturas e isquemia

2.1.2. experiência sensorial e emocional desagradável

2.1.2.1. Dor crônica

2.1.2.1.1. contínua e recorrente

2.1.3. Neuropática

2.1.3.1. sistema nervoso central ou periférico

2.1.3.2. EX.: neuralgia pós-herpética, dor central, neuralgia do trigêmeo e dor fantasma.

2.2. Tratamento

2.2.1. Dificuldades de avaliação da dor

2.2.1.1. testes e escalas de avaliação quantitativa da dor

2.3. Testes e escalas

2.3.1. Dor de McGill

2.3.1.1. aspectos sensoriais, afetivos e avaliativos da dor

2.3.1.1.1. diagrama corporal

2.3.2. Mini Mental State

2.3.2.1. avaliação das funções cognitivas

2.3.3. Katz

2.3.4. Lewton

2.3.5. FIM (functional independence measure)

2.3.5.1. avalia:

2.3.5.1.1. Função motora

2.3.5.1.2. comunicação/compreensão

2.3.5.1.3. expressão e as funções cognitivas

2.3.6. avalia atividades de vida prática

2.3.6.1. EX.: usar o telefone, fazer compras e manejar medicamentos.

2.3.7. Barthel

2.3.7.1. avalia a capacidade de:

2.3.7.1.1. alimentação, transferência, higiene pessoal,

2.3.7.1.2. banho, marcha e capacidade de vestir-se

2.4. Bonicas Management of Pain

2.4.1. gerais:

2.4.1.1. a idade por si não diminui a sensibilidade

2.4.1.1.1. pacientes devem falar sobre sua dor

2.4.2. estado mental:

2.4.2.1. Avaliado e conhecido

2.4.3. depressão:

2.4.3.1. Dor como uma das maiores causas

2.4.4. suporte familiar e social ao idoso

2.5. grau de independência para a execução de atividades

2.5.1. EX.: banhar-se, alimentar-se, vestir-se e caminhar.

3. Tratamento da Dor no Idoso

3.1. medicamentos

3.1.1. interferidos

3.1.1.1. Comorbidades:

3.1.1.1.1. inter-relação entre as patologias do paciente e a dor

3.1.1.2. alterações fisiológicas do envelhecimento

3.1.1.2.1. declínio

3.1.1.2.2. 1% ao ano

3.1.1.2.3. a partir de 30 anos

3.1.1.2.4. função cardiorrespiratória

3.1.1.2.5. sistema renal

3.1.1.3. paciente

3.1.1.3.1. condição física

3.1.1.3.2. funcionamento dos órgãos

3.1.1.3.3. patologia

3.1.1.3.4. dor

3.1.2. baixa dosagem

3.1.2.1. aumento gradual

3.1.2.1.1. efeito desejado

3.1.2.1.2. lento

3.1.2.1.3. efeitos colaterais

3.1.3. mais efetivos

3.1.3.1. fisioterapia

3.1.3.2. psicoterapia

3.1.3.2.1. melhora

3.1.3.3. terapia funcional

3.1.4. OMS

3.1.4.1. terapêutica

3.1.4.1.1. escada analgésica

3.1.4.1.2. persistência da dor

3.1.4.1.3. mais dor, mais droga