A contextualização do conceito de deficiência à luz de indicadores teóricos.

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
A contextualização do conceito de deficiência à luz de indicadores teóricos. por Mind Map: A contextualização do conceito de deficiência à luz de indicadores teóricos.

1. Fundamentos históricos da Educação Especial.

1.1. A pessoa com deficiência em diferentes contextos históricos.

1.1.1. Na antiguidade.

1.1.1.1. Considerada ineficiente

1.1.2. Na Bíblia

1.1.2.1. Considerada diferente, pecador.

1.1.3. No Cristianismo- Idade Média/ Santa Inquisição.

1.1.3.1. Considerada demoníaca

1.1.4. Revolução Burguesa/ Capitalismo Mercantil/Séc. XVII.

1.1.4.1. Considerada de natureza orgânica

1.2. Fundamentos históricos no Brasil

1.2.1. lei 4.024 LDB/61

1.2.2. Lei 5.692 LDB/71

1.2.3. C.F 1988-art. 208

1.2.4. Lei nº 8.069/90 - ECA

1.2.5. Leinº 9394/96 - LDBEN

1.2.6. Resolução CNE/CEB nº 2/2001 - Diretrizes Nacionais para Educação Especial na Educação Básica.

1.3. Fundamentos históricos internacionais

1.3.1. Declaração Mundial sobre Educação para Todos/1990.

1.3.2. Declaração de Salamanca/1994.

2. Os paradigmas da pessoa com deficiência.

2.1. Paradigma da Institucionalização. Idade Moderna

2.1.1. Criação de instituições para abrigar pessoas com deficiência.

2.1.2. Habilitação e reabilitação da pessoa com deficiência.

2.1.3. Criação do direito de trabalho e sistema de seguridade social.

2.1.4. Iniciam-se os estudos para os problemas de cada deficiência.

2.1.5. No Brasil- Criação do Imperial Instituto dos meninos Cegos (1854) e Imperial Instituto de Surdos e Mudos(1857).

2.1.5.1. aprendizagem de ofício.

2.2. Instituições para pessoas com deficiência tornarem -se produtivas.

2.3. Paradigma de Serviços

2.3.1. Abordagem pela American National Association of Rehabiliton Counseling- ANARC- 1973.

2.3.1.1. Padrões e condições de vida.

2.3.2. ideologia de normalização.

2.3.3. A diminuição das responsabilidades sociais do Estado.

2.3.4. Integração social.

2.3.5. Classes especiais - capacitação e integração.

2.3.6. Pressão exercida pela sociedade garantem direitos.

2.3.6.1. Reabilitação, seguridade social, trabalho, transporte.

2.4. Paradigma do Suporte

2.4.1. A pessoa com deficiência tem direito a convivência não segredada.

2.4.2. Suporte social, econômico, físico e instrumental.

2.5. Paradigma da Inclusão

2.5.1. Iniciados nos anos 90.

2.5.2. Nova concepção de deficiência e integração.

2.5.3. Nova concepção de aluno e escola.

3. Procedimentos metodológicos

3.1. O conceito de deficiência

3.1.1. Para Vygotski tipologia de deficiência é abordada à luz de duas perspectivas.

3.1.1.1. A Primeira se ancora numa concepção organicista

3.1.1.2. A segunda por prejuízos ocasionados em função da dificuldade do estabelecimento das interações sociais

3.1.2. Concepção individual

3.1.3. concepção psicossocial

3.1.4. concepção Interacionista

3.1.5. Concepção Metafísica

3.2. Pesquisa para definir uma escala sobre a concepção de deficiência.

3.2.1. Socialização dos percursos metodológicos utilizados para a elaboração de uma ferramenta de pesquisa.