EVOLUÇÃO DAS PERCEPÇÕES SOBRE A FONÉTICA E FONOLOGIA.

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
EVOLUÇÃO DAS PERCEPÇÕES SOBRE A FONÉTICA E FONOLOGIA. por Mind Map: EVOLUÇÃO DAS PERCEPÇÕES SOBRE A FONÉTICA E FONOLOGIA.

1. GREGOS: Fonética apenas responsável por diferenciar o valor de letras do alfabeto nas línguas escritas e sons das línguas estrangeiras.

2. Platão: classificação de sons como vogais e consoantes, oclusivas e contínuas.

3. Estóicos: diferenciaram o estudo da escrita ao estudo dos sons; atribuem para cada letra valor fonético; forma escrita; som.

4. SÉC. XII: Primeiras descrições fonéticas; observações sobre a pronúncia da língua feitas na Islândia. Apenas deveria ser transcrito o que fosse uma pronúncia antagônica.

5. Gramáticos árabes relacionam os órgão de fala e mecanismos de produção de som, interpretando que mudanças devem-se a obstruções diversas no aparelho fonador.

6. Hindus foram pioneiros em traduzir o papel da glote para a produção dos sons surdos.

7. Século XIX: os estudos fazem comparação a partir da natureza e da história das línguas, especialmente as indo-europeias. Ainda no séc XIII, foi Dante Alighieri que reconheceu três famílias linguísticas europeias; a germânica, latina e grega.

8. 1889: Alfabeto Fonético Internacional: Feita a distinção entre letra e som e de representação de símbolos distintos sons também distintos.

9. Século XV Leonardo da Vinci criou tábuas anatômicas para conhecer melhor o mecanismo da laringe e das cordas vocais. No século XVIII com a máquina falante do barão Von Kempeler existe a primeira tentativa de sintetizar a fala, já que a máquina reproduzia as câmaras de ressonância do aparelho fonador.

10. Um maior salto acontece no séc XIX com o uso do palato artificial que permitiu determinar quais são as partes do palato tocadas pela língua na produção de um som e com a invenção do quimógrafo que permitia registrar as qualidades quantitativas e musicais por meio de uma curva analisável em um papel preto.

11. Com o passar dos anos e o advento de novas tecnologias, passou a se utilizar técnicas que usam sistemas computadorizáveis para aprimorar a análise do contínuo sonoro. Mesmo assim ainda não são claras a complexidade da fala, a relação entre produção de fala e o sinal acústico dela resultante, e os princípios de segmentação e de discriminação de um registro acústico.