Abordagem Estruturalista

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Abordagem Estruturalista por Mind Map: Abordagem Estruturalista

1. Teoria Estruturalista

1.1. Sistema fechado

1.2. Sistema aberto

1.2.1. Origens

1.2.1.1. Teoria Clássica

1.2.1.1.1. Fayol se baseou em 14 princípios de administração, às quais definem sua teoria. Sua teoria acreditava que a organização deveria se organizar de forma racional, mantendo o controle através de previsões anuais e decenais. Para Fayol a organização é fundamental em qualquer organização para alcançar seu objetivo.

1.2.1.2. Teoria das Relações Humanas

1.2.1.2.1. Estudo da relação homem x trabalho. A experiência de Hawthorne foi realizada em 1927, pelo Conselho Nacional de Pesquisas dos Estados Unidos (National Research Council), em uma fábrica da Western Electric Company e sua finalidade era determinar a relação entre a intensidade da iluminação e a eficiência dos operários medida através da produção. Estendeu-se à fadiga, acidentes no trabalho, rotatividade do pessoal (turnover) e ao efeito das condições de trabalho sobre a produtividade do pessoal

1.2.1.3. Teoria Burocrática

1.2.1.3.1. O termo Burocracia foi usado, pela primeira vez, por Max Weber para descrever uma cultura e estrutura de empresa rigidamente fixadas. Embora tivesse sido aplicada com relativo sucesso em numerosas organizações no início do séc. XX e continue a ser utilizada atualmente em diversas organizações, a burocracia caiu em desuso devido à impessoalidade que lhe está associada, à rigidez estrutural que depende (impedindo a inovação e a criatividade) e à morosidade que provoca nos processos.

1.2.1.3.2. Conceito de Teoria da Burocracia O termo Burocracia foi usado, pela primeira vez, por Max Weber para descrever uma cultura e estrutura de empresa rigidamente fixadas. A Teoria da Burocracia nasceu da necessidade de definição rigorosa das hierarquias, das regras e regulamentos e das linhas de autoridade como forma de garantir a sobrevivência a longo prazo. Embora tivesse sido aplicada com relativo sucesso em numerosas organizações no início do séc. XX e continue a ser utilizada atualmente em diversas organizações, a burocracia caiu em desuso devido à impessoalidade que lhe está associada, à rigidez estrutural que depende (impedindo a inovação e a criatividade) e à morosidade que provoca nos processos.

1.2.2. Perspectivas

1.2.2.1. A sociedade de organizações

1.2.2.1.1. A sociedade é composta de organizações com as quais o homem se relaciona para todos os seus atos.

1.2.2.2. Homem organizacional

1.2.2.2.1. Características do homem organizacional: • Flexibilidade, em face das constantes mudanças que ocorrem na vida moderna e da diversidade de papéis desempenhados nas organizações. • Tolerância às frustrações para evitar o desgaste emocional decorrente do conflito entre necessidades organizacionais e necessidades individuais, cuja mediação é feita através de normas racionais, escritas e exaustivas. • Capacidade de adiar as recompensas e poder de compensar o trabalho rotineiro na organização em detrimento de preferências pessoais. • Permanente desejo de realização para garantir cooperação e conformidade com as normas organizacionais para obter recompensas sociais e materiais.

1.2.2.3. Abordagem múltipla

1.2.2.3.1. A multiplicidade conjunta das teorias clássica, humana e burocrática da abordagem estruturalista envolve: • Organização formal e informal • Recompensas salariais e sociais e tudo que se inclui nos símbolos de posição (status) é importante na vida de qualquer organização. • As organizações enfrentam situações e problemas que são classificados e categorizados para que sua solução seja atribuída a diferentes níveis hierárquicos –institucional, gerencial e técnico. • Percepção do que ocorre externamente, mas que afetam os fenômenos que ocorrem dentro da organização.

1.2.2.4. Tipologia

1.2.2.4.1. Teóricos

1.2.2.5. Teoria da crise e conflitos

1.2.2.5.1. Dentro das organizações acontecem conflitos e situações que causam tensão e antagonismos envolvendo aspectos positivos e negativos. Todavia, sua resolução pode induzir inovação e mudança. Via de regra, os estruturalistas discordam de que haja harmonia de interesses entre patrões e empregados ou que essa harmonia deva ser preservada a qualquer custo.

2. Teoria burocrática - Weber

2.1. A burocracia é uma forma de organização baseada da racionalidade humana, isto é, na adequação dos meios aos objetivos pretendidos. Weber constatou que grandes organizações como a Igreja, as universidades e as grandes empresas que adotaram o tipo burocrático da organização, concentrando a administração no topo da hierarquia e utilizando regras e impessoais, visando a máxima eficiência.

2.2. A Teoria das Organizações de Max Weber

3. Teoria Clássica - Henry Fayol

3.1. Teoria clássica da administração é caracterizada pelo olhar sobre todas as esferas (Operacionais e Gerenciais), bem como na direção de aplicação do topo para baixo, como uma pirâmide (da gerência para a produção).

3.2. Jules Henri Fayol – Wikipédia, a enciclopédia livre

4. Teoria das Relações Humanas

4.1. A Teoria das Relações Humanas, ou Escola das Relações Humanas, é um conjunto de teorias administrativas que ganharam força com a Grande Depressão criada na quebra da bolsa de valores de Nova Iorque, em 1929. Com a "Grande Crise" todas as verdades até então aceitas são contestadas na busca da causa da crise. Essas teorias criaram novas perspectivas para a administração, visto que buscavam conhecer as atividades e sentimentos dos trabalhadores e estudar a formação de grupos. Até então, o trabalhador era tratado pela Teoria Clássica, e de uma forma muito mecânica. Com os novos estudos, o foco mudou e, do Homo economicus o trabalhador passou a ser visto como "homo social". As três principais características desses modelos são: O ser humano não pode ser reduzido a um ser cujo comportamento é simples e mecânico. O homem é, ao mesmo tempo, guiado pelo sistema social e pelas demandas de ordem biológica. Todos os homens possuem necessidades de segurança, afeto, aprovação social, prestígio e autorrealização.

4.2. Elton Mayo – Wikipédia, a enciclopédia livre