Sentido da Visão

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Sentido da Visão por Mind Map: Sentido da Visão

1. Órgão óptico

1.1. Busca e focalização do objeto de interesse

1.2. Sistema de lentes que refratam a luz

1.3. Pupila de diâmetro regulável

1.4. Especializado na detecção e análise de luz visível

1.4.1. Propriedades de reflexão, absorção e refração da luz são essenciais para formação da imagem (percepção visual)

1.4.2. Luz visível depende de três fatores: matriz, saturação e brilho

1.4.3. Organiza ritmos biológicos

2. Campo visual

2.1. No homem, abrange cerca de 150º e os campos de ambos os olhos se sobrepõem em cerca de 120º

2.1.1. A sobreposição dos dois campos na retina proporciona a experiência tridimensional do ambiente

3. Anatomia do olho

3.1. Pupila

3.2. Íris

3.2.1. Músculo esfíncter da pupila (miose)

3.2.2. Músculo dilatador da pupila (midríase)

3.3. Córnea

3.4. Pálpebra

3.5. Esclera

3.6. Músculos extrínsecos do olho

3.7. Nervo óptico

3.7.1. Originado a partir do disco óptico (ponto cego)

3.8. Parede com três camadas

3.8.1. Esclera (externa)

3.8.2. Coróide (intermediária)

3.8.3. Retina (interna)

3.8.3.1. Mácula lútea

3.8.3.1.1. Fóvea

3.8.3.2. Músculo ciliar

3.8.3.3. Morfologia

3.8.3.3.1. Camada de neurônios ganglionares

3.8.3.3.2. Camadas nucleares

3.8.3.3.3. Fluxo de informações se dá no sentido oposto: fotorreceptores - células bipolares - células ganglionares

3.8.3.3.4. Processamento de imagens na retina

3.8.3.3.5. Duas partes: nasal e temporal

3.9. Cristalino

3.9.1. Entre cristalino e íris forma-se a câmera posterior

3.9.2. Entre cristalino e córnea forma-se a câmera anterior

3.9.3. Entre cristalino e retina está o humor vítreo

3.9.4. Ambas as câmaras são preenchidas com humor aquoso

4. Movimentos oculares

4.1. Coordenação binocular

4.1.1. Conjugado ou disjuntivo ou vergência (convergência ou divergência)

4.2. Velocidade

4.2.1. Saádicos ou de segmento

4.3. Trajetória

4.3.1. Radiais ou torsionais

4.4. Músculos extrínsecos controlados pelos lll, lV e Vl pares de nervos cranianos

5. Formação da imagem é focalizada automaticamente sobre a retina

5.1. A córnea e o cristalino

5.1.1. Acomodação visual

5.1.1.1. Focaliza a imagem sobre a retina alterando o poder de difração do cristalino

5.1.2. Acuidade visual

5.1.2.1. Resolução espacial de dois pontos

5.1.2.2. Depende da densidade dos receptores da retina e poder de refração das lentes ópticas

5.2. Deficiências visuais

5.2.1. Míope

5.2.2. Hipermétrope

5.2.3. Astigmatismo

5.2.4. Catarata

6. Vias visuais

6.1. Inicio na retina com os fotorreceptores

6.2. Dois nervos ópticos que se encontram para formar os quiasmas óptico

6.2.1. Terminam no tálamo, nos núcleos geniculados laterais

6.2.1.1. Partem para o córtex visual

6.2.1.1.1. Chegam na fissura calcaria no lobo occipital

6.2.1.2. Decussação das pirâmides: córtex do lado direito toma consciência do hemicampo visual temporal do olho direito e do hemicampo temporal do olho esquerdo

6.3. As informações da retina têm vários destinos

6.3.1. Fibras retino-geniculadas

6.3.2. Fibras retino-hipotalâmicas

6.3.3. Fibras retino tectais

6.4. Efeitos nas lesões na Via óptica

6.4.1. Lesão do Nervo Óptico E

6.4.1.1. Perda total da sensibilidade neste olho

6.4.2. Lesão do Trato Óptico E

6.4.2.1. Perda da sensibilidade visual da retina temporal do olho esquerdo e da retina nasal do olho direito; conserva-se apenas a visão do hemicampo visual esquerdo (Hemianopsia homônima)

6.4.3. Lesão mediana do quiasma óptico

6.4.3.1. Perda de sensibilidade das retinas nasais de ambos os olhos; estreitamento do campo visual (Hemianopsia heterônima bitemporal)