Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
SOPRO CARDÍACO por Mind Map: SOPRO CARDÍACO

1. Principal causa de encaminhamento da criança para o cardiologista pediátrico

2. O sopro cardíaco, frequente na criança, muitas vezes se origina do fluxo sanguíneo normal sem anormalidade estrutural no coração, chamado sopro inocente.

2.1. Diante de uma criança com sopro, o pediatra tem que fazer o diagnóstico diferencial entre sopro inocente e patológico.

2.1.1. As principais características de um sopro inocente são: sopro sistólico, suave, de curta duração, com timbre vibratório ou musical, que muda de intensidade com a posição, sendo mais intenso com a criança em posição supina.

2.1.1.1. Os sopros inocentes podem ser os seguintes tipos:

2.1.1.1.1. Sopro de Still

2.1.1.1.2. Sopro sistólico aórtico

2.1.1.1.3. Sopro de fluxo pulmonar

2.1.1.1.4. Sopro de estenose de ramo pulmonar

2.1.1.1.5. Sopro sistólico supraventricular

2.1.1.1.6. “Venous hum” ou zumbido venoso

3. Na anamnese

3.1. Questionar sobre a existência de condições que estão associadas a doenças cardíacas

3.1.1. História familiar de cardiopatia congênita em parentes de primeiro grau

3.1.2. Cardiomiopatia hipertrófica ou morte súbita em lactentes

3.1.3. História pessoal de condições associadas a cardiopatias congênitas como doenças genéticas

3.1.4. Doenças do tecido conectivo

3.1.5. Erro inato do metabolismo e má-formação em outros órgãos

3.1.6. História de doenças associadas a cardiopatias adquiridas como doença de Kawasaki e febre reumática

3.2. Interrogar sobre a presença de sinais e sintomas que podem ser decorrentes de doenças cardíacas, tais como intolerância aos esforços (lembrando que para o lactente o ato de mamar é esforço), dificuldade de ganho ponderal, cianose, dor precordial, palpitação e síncope.

4. Exame físico

4.1. Avaliar o estado geral, a atividade, a coloração da pele e as características fenotípicas

4.2. Dados antropométricos e dados vitais como frequência cardíaca, frequência respiratória, pressão arterial e saturação periférica de oxigênio devem ser aferidos e comparados aos valores normais para faixa etária

4.3. O exame cardiovascular não é restrito à ausculta cardíaca, inicia com a inspeção do precórdio pesquisando a presença de abaulamento em região precordial que corresponde a aumento da área cardíaca, seguido pela palpação em que a presença de impulsão sugere sobrecarga de volume ou pressão nos ventrículos e o achado de frêmito, que decorre de significativa turbulência de fluxo; e finalmente a ausculta em que se analisa o ritmo se é regular em dois tempos (presença de terceira bulha resulta de alteração de complacência do ventrículo em pacientes com insuficiência cardíaca), as características da segunda bulha com atenção para achados patológicos como desdobramento fixo e hiperfonese e a pesquisa de sons anormais como estalidos, além dos sopros.

4.3.1. Diante da ausculta de um sopro cardíaco ele deve ser analisado nos seguintes pontos:

4.3.1.1. Tempo no clico cardíaco

4.3.1.2. Localização

4.3.1.3. Intensidade

4.3.1.4. Qualidade

4.4. Os pulsos devem ser palpados nos quatro membros e as amplitudes comparadas; o diferencial de amplitude de pulsos entre membro superior e inferior é um dado semiológico de coarctação da aorta