INFERTILIDADE EM PACIENTES URÊMICOS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
INFERTILIDADE EM PACIENTES URÊMICOS por Mind Map: INFERTILIDADE EM PACIENTES URÊMICOS

1. associada a

1.1. espermatogênese prejudicada

1.2. dano testicular

1.3. falência gonadal

2. caracterizado por

2.1. volume diminuído da ejaculação

2.2. azoospermia baixa ou completa

2.3. baixa porcentagem de motilidade.

2.4. Essas anormalidades são freqüentemente evidentes antes da necessidade de diálise e depois deteriora-se mais uma vez quando a terapia dialítica é iniciada

2.5. A falta de hipertrofia celular de Leydig e níveis normais de estradiol também aumentam a possibilidade de hipogonadismo funcional

3. As alterações histológicas nos testículos incluem

3.1. diminuição da atividade espermatogênica

3.1.1. rmudanças nos estágios tardios dependentes hormonalmente na espermatogênese.

3.2. número de espermatócitos é reduzido

3.3. pouca evidência de maturação no estágio do esperma maduro

3.4. Na maioria dos casos, o número de espermatogonia é normal, mas a aplasia completa de elementos germinativos também pode estar presente

3.5. danos ao túbulos seminíferos,

3.6. fibrose intersticial

3.7. calcificações

4. níveis de LH são apenas moderadamente aumentados na insuficiência renal crônica

4.1. sugerem

4.1.1. uma resposta diminuída do eixo hipotálamo-pituitário para níveis baixos de testosterona

4.1.2. redução da regulação da secreção de gonadotrofina

5. aumento do LH em resposta a baixos níveis de testosterona

5.1. O eixo hipotalâmico-hipofisário na insuficiência renal crônica é reiniciado de tal forma que é mais sensível à inibição de feedback negativo da testosterona.

5.2. o eixo começa a assumir uma característica semelhante, como visto no estado pré-púbere, onde há sensibilidade extrema ao efeito inibitório dos esteróides gonadais