RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS ALIMENTARES E COMPOSIÇÃO CORPORAL COM A QUALIDADE DE VIDA DE MULHE...

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS ALIMENTARES E COMPOSIÇÃO CORPORAL COM A QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES SUBMETIDAS À CIRURGIA BARIÁTRICA por Mind Map: RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS ALIMENTARES E COMPOSIÇÃO CORPORAL  COM A QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES SUBMETIDAS À CIRURGIA BARIÁTRICA

1. Obesidade

1.1. recursos terapêuticos

1.1.1. alterações na alimentação

1.1.2. prática de exercícios físicos

1.1.3. uso de medicamentos

1.2. cirurgias

1.2.1. deficiências nutricionais

1.2.2. alterações na composição corporal

1.2.3. intolerância alimentar

1.2.4. pacientes IMC

1.2.4.1. maior que 40 kg/m²

1.2.4.2. maior que 35 kg/m² associado a alguma comorbidade

2. cirurgia

2.1. gastroplastia com derivação gastrojejunal em Y de Roux

2.1.1. morbimortalidade

2.1.2. taxa de perda de peso

2.1.3. o espaço para o alimento e desvia o intestino inicial

2.1.4. secciona parte do estômago, criando uma pequena bolsa de 30 a 50 mL de volume

2.1.5. a bolsa é ligada a uma alça do jejuno - não há contato do bolo alimentar com o duodeno

2.1.6. a área de entrada e armazenamento do alimento no estômago

2.1.7. GLP-1

2.1.7.1. reduz diabetes

2.1.7.2. sensação de saciedade

2.2. deficiências de nutrientes

2.2.1. proteína, ferro, zinco, vitamina D e B12

2.2.1.1. ingestão e absorção

3. materiais e métodos

3.1. estudo clínico transversal

3.1.1. mulheres submetidas à derivação gastrojejunal em Y de Roux

3.1.1.1. 35 a 61 anos

3.1.1.2. tempo de pós-operatório mínimo e máximo foram 9 a 24 meses, respectivamente.

3.2. entrevista e aplicação dos questionários.

3.3. consumo de alimentos, número de refeições diárias, presença de restrições, preferências e intolerâncias alimentares.

3.4. sintomas gastrointestinais

3.5. estado nutricional - IMC

3.6. peso pré-operatório e comparar com o peso pós cirúrgico

3.6.1. calcular a porcentagem da perda do excesso de peso das mulheres estudadas.

4. resultados

4.1. IMC pré-operatório

4.1.1. 60% obesidade grau III

4.1.2. 20% obesidade grau II

4.1.3. 20% classificação especifica p/ idosos acima do peso

4.2. bioimpedância

4.2.1. 20%gordura corporal adequada

4.2.2. 10% valores inferiores ao recomendado

4.2.3. 70% gordura elevada

4.3. qualidade de vida

4.3.1. autoestima; condições físicas; sociabilidade; trabalho e sexualidade - 100% estão em nível aceitável

4.4. SF-36

4.4.1. Resultado insatisfatório

4.4.1.1. 30% dores frequentes; 20% estado geral de saúde não aquedado; 20% piora nos aspectos sociais

4.5. melhora nas comorbidades

4.5.1. 70% melhora em: dores na região do joelho e coluna

5. discussão

5.1. av. antropométrica

5.1.1. redução significativa de peso; porém nem todas alcançaram o objetivo

5.2. paciente com baixa qtd de massa magra

5.3. 70% restringem algum alimento

5.4. algumas desenvolveram intolerância a lactose - produção inadequada de lactase

5.5. náuseas e vômitos - superalimentação ou devido a deglutição de fragmentos maiores de alimento

6. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento versão eletrônica

6.1. Universidade de Franca, Franca-SP, Brasil

6.1.1. 2018

7. conclusão

7.1. estratégias de educação nutricional e prática de exercício físico para beneficiar o estado nutricional de pacientes que realizam gastroplastia para a perda de peso

7.1.1. visar minimizar os efeitos colaterais deste tratamento e alcançar uma composição corporal saudável

7.1.2. conquistar de forma permanente uma melhor qualidade de vida.