Infarto Agudo do Miocárdio e Acidente Vascular Encefálico.

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Infarto Agudo do Miocárdio e Acidente Vascular Encefálico. por Mind Map: Infarto Agudo do Miocárdio e Acidente Vascular Encefálico.

1. Sintomas de IAM .

1.1. Infarto é uma necrose que se instala após interrupção prolongada do fluxo sanguíneo (isquemia), devido a algum distúrbio da circulação arterial ou venosa.

1.2. Infarto agudo do miocárdio ou"ataque cardíaco"é a morte das células de uma porção do músculo do coração,resultante da oferta inadequada de oxigênio para esse órgão.

2. Os principais sinais de alerta para qualquer tipo de AVC são: fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo; confusão mental; alteração da fala ou compreensão; alteração na visão (em um ou ambos os olhos); alteração do equilíbrio, coordenação, tontura ou alteração no andar; dor de cabeça súbita, intensa, sem causa aparente.

3. O que é um AVC isquêmico

3.1. O AVC isquêmico ocorre quando há obstrução de uma artéria, impedindo a passagem de oxigênio para células cerebrais, que acabam morrendo. Essa obstrução pode acontecer devido a um trombo (trombose) ou a um êmbolo (embolia). O AVC isquêmico é o mais comum e representa 85% de todos os casos.

4. O que é um AVC hemorrágico

4.1. O AVC hemorrágico ocorre quando há rompimento de um vaso cerebral, provocando hemorragia. Esta hemorragia pode acontecer dentro do tecido cerebral ou na superfície entre o cérebro e a meninge. É responsável por 15% de todos os casos de AVC, mas pode causar a morte com mais frequência do que o AVC isquêmico.

5. Diagnóstico do AVC

5.1. O diagnóstico do AVC é feito por meio de exames de imagem, que permitem identificar a área do cérebro afetada e o tipo do derrame cerebral. Tomografia computadorizada de crânio é o método de imagem mais utilizado para a avaliação inicial do AVC isquêmico agudo, demonstrando sinais precoces de isquemia. Assim que o paciente chega ao hospital, entre os cuidados clínicos de emergência estão: Verificar os sinais vitais, como pressão arterial e temperatura. Checar a glicemia. Colocar a pessoa deitada, exceto se houver vômitos. Colocar acesso venoso no braço que não estiver paralisado. Administrar oxigênio, caso a pessoa precise. Determinar o horário de início dos sintomas por meio de questionário ao paciente ou acompanhante. Os procedimentos com finalidade diagnóstica em neurologia estão contemplados no Sistema Único de Saúde - SUS.