FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA por Mind Map: FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA

1. CARACTERÍSTICAS

1.1. PRESSÃO ARTERIAL DIMINUÍDA

1.2. FREQUÊNCIA CARDÍACA AUMENTADA EM TENTATIVA DE AUMENTAR O DÉBITO CARDÍACO

1.3. DÉBITO CARDÍACO REDUZIDO

2. PRINCIPAIS CAUSAS DA ICC:

2.1. INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

2.2. HIPERTENSÃO DESCOMPENSADA

2.3. PACIENTES COM DOENÇAS VALVARES NÃO SOLUCIONADAS

2.4. ANORMALIDADE NA FUNÇÃO SISTÓLICA OU DIASTÓLICA

2.4.1. IC SISTÓLICA: REDUZINDO O VOLUME SISTOLICO

2.4.2. IC DIASTÓLICA: DEFEITO NO ENCHIMENTO VENTRICULAR

3. É UMA SÍNDROME CLÍNICA NA QUAL O CORAÇÃO É INCAPAZ DE BOMBEAR SANGUE DE FORMA A ATENDER ÀS NECESSIDADES METABÓLICAS OU A FAZ EM ELEVADAS PRESSÕES DE ENCHIMENTO

4. A INSUFICIÊNCIA CARDÍACA PODE SER CLASSIFICADA DE ACORDO COM:

4.1. TIPO DE EJEÇÃO

4.1.1. GRAVIDADE DOS SINTOMAS

4.2. GRAVIDADE DOS SINTOMAS

4.3. PROGRESSÃO DA DOENÇA

5. SINTOMAS

5.1. DISPNEIA

5.2. ORTOPNEIA

5.3. FADIGA

5.4. INTOLERÂNCIA AO EXERCÍCIO

5.5. DISPNEIA PAROXÍSTICA NOTURNA

5.6. DOR ABDOMINAL

5.7. TOSSE NOTURNA

6. SINAIS:

6.1. PRESSÃO VENOSA JUGULAR ELEVADA

6.2. REFLUXO HEPATOJUGULAR

6.3. TERCEIRA BULHA CARDIACA

6.4. IMPULSO APICAL DESVIADO PARA A ESQUERDA

6.5. TAQUICARDIA

6.6. EDEMA PERIFÉRICO

6.7. EXTREMIDADES FRIAS

7. DIAGNÓSTICO DA IC:

7.1. ANAMNESE +EXAME FÍSICO

7.2. ELETROCARDIOGRAMA

7.3. RX TÓRAX

7.4. MARCAÇÃO DE PEPTÍDEOS NATRIURÉTICOS

8. EXAMES COMPLEMENTARES:

8.1. ELETROCARDIOGRAMA EM REPOUSO

8.2. RADIOGRAFIA DE TÓRAX

8.3. RESSONÂNCIA MAGNÉTICA CARDÍACA

8.4. PET

8.5. ANGIOTOMOGRAFIA CORONÁRIA

8.6. TESTE DE ESFORÇO CARDIOPULMONAR

8.7. AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE MIOCÁRDICA

8.8. ECOCARDIOGRAMA TRANSESOFÁGICO

9. PREVENÇÃO:

9.1. CLASSE I

9.1.1. TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO

9.1.2. INTERRUPÇÃO DO TABAGISMO

9.1.3. REDUÇÃO DA INGESTA EXCESSIVA DE ÁLCOOL

9.2. CLASSE II:

9.2.1. USO DE ESTATINAS

9.2.2. ESTABELECIMENTO DE META PRESSÓRICA PARA HIPERTENSOS COM ALTO RISCO CARDIOVASCULAR

9.2.3. USO DE EMPAGLIFIOZINA EM DIABÉTICOS

10. TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO:

10.1. RESTRIÇÃO DE SÓDIO

10.2. RESTRIÇÃO HÍDRICA

10.3. DIETA E PERDA DE PESO

10.4. VACINAÇÃO PARA INFLUENZA E PNEUMOCOCO

10.5. REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR

11. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO:

11.1. INIBIDORES DA ENZIMA CONVERSORA DA ANGIOTENSINA

11.2. BLOQUEADORES DOS RECEPTORES DE ANGIOTENSINA II

11.3. BETABLOQUEADORES

11.4. ANTAGONISTAS DOS RECEPTORES MINERALOCORTICOIDES

11.5. INIBIDORES DE NEPRILISINA

11.6. IVABRADINA

11.7. DIGITÁLICOS

11.8. DIURÉTICOS DE ALÇA E TIAZÍDICOS

11.9. NITRATO E HIDRALAZINA