Metodologia Científica

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Metodologia Científica por Mind Map: Metodologia Científica

1. atuais formas de vida social têm origem no passado, logo é importante pesquisar suas raízes para compreender sua natureza e função

2. PENSAMENTO CIENTÍFICO

2.1. Teorias irrefutáveis não são científicas, não podem ser testadas

2.2. Teorias constituem o seu núcleo

2.3. testável, refutável, falseável

3. investigação racional na tentativa de captar a essência imutável do real, através da compreensão da forma e das leis da natureza.

4. TIPOS DE CONHECIMENTO

4.1. CIENTÍFICO

4.1.1. factual, contingente, sistemático, verificável, falível, aprox. exato

4.1.2. racional, procedimentos científicos

4.1.3. porquê e como

4.2. POPULAR

4.2.1. senso comum

4.2.2. experiência pessoal, imitação, estudo informal

4.2.3. superficial, sensitivo, subjetivo, assistemático, acrítico

4.3. FILOSÓFICO

4.3.1. valorativo, racional, sistemático, não verificável, infalível, exato

4.4. TEOLÓGICO

4.4.1. valorativo, inspiracional, sistemático, não verificável, infalível, exato

4.4.2. tentativa de explicar os acontecimentos através de causas primeiras - os deuses

5. CIÊNCIA

5.1. DEFINIÇÃO

5.1.1. "é todo um conjunto de atitudes e atividades racionais, dirigidas ao sistemático conhecimento com objeto limitado, capaz de ser submetido à verificação"

5.2. VS PSEUDOCIÊNCIA

5.2.1. A ciência desconfirma, a pseudociência confirma

5.2.2. Karl Popper

5.3. COINCIDÊNCIA VS EFICÁCIA

5.3.1. Viés de confirmação

5.3.1.1. ignora o que contradiz e lembra mais o que evidência o que achamos

6. CIÊNCIA VS SENSO COMUM

6.1. Ambos almejam ser racionais e objeivos

6.2. RACIONALIDADE

6.2.1. sistematização coerente de enunciados fundamentados e passíveis de verificação

6.2.2. obtido muito mais por intermédio de teorias

6.3. OBJETIVIDADE

6.3.1. construção de imagens da realidade, verdadeiras e impessoais, não pode ser alcançado se não ultrapassar os estreitos limites da vida cotidiana

6.4. CONHECIMENTO COMUM

6.4.1. acumulação de partes ou "peças" de informação frouxamente vinculadas

6.5. DIFERENÇAS

6.5.1. Basicamente a forma, o modo ou o método e os instrumentos do "conhecer"

6.5.2. O que leva ao conhecimento científico ou ao popular é a forma de observação.

6.6. 2 FATOS

6.6.1. 1. A ciência não é o único caminho de acesso ao conhecimento e à verdade.

6.6.2. 2. Um mesmo objeto ou fenômeno pode ser matéria de observação tanto para o cientista quanto para o homem comum.

7. MÉTODO

7.1. DEFINIÇÃO

7.1.1. conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e econpmia, permite alcançar o objetivo -conhecimentos válidos e verdadeiros

7.1.2. Caminhos, erros e decisões

7.1.3. não há ciência sem o emprego de métodos científicos

7.1.4. Teoria da Investigação

7.2. SÉCULO XVI

7.2.1. Não se buscam mais as causas absolutas ou a natureza íntima das coisas

7.2.2. procura-se compreender as relações entre elas, assim como a explicação dos acontecimentos, através da observação científica aliada ao raciocínio.

7.3. BUNGE - ETAPAS

7.3.1. 1. descobrimento do problema

7.3.2. 2. colocação precisa do problema

7.3.3. 3. procura de conhecimentos ou instrumentos relevantes ao problema

7.3.4. 4. tentativa de solução do problema com auxílio dos meios identificados

7.3.5. 5. invenção de novas ideias ou produção de novos dados empíricos

7.3.6. 6. obtenção de uma solução

7.3.7. 7. investigação das consequências da solução obtida

7.3.8. 8. prova (comprovação) da solução

7.3.9. 9. correção das hipóteses, teorias, procedimentos ou dados empregados na obtenção da solução incorreta.

8. TIPOS DE MÉTODOS

8.1. INDUTIVO

8.1.1. ampliar o alcance dos conhecimentos

8.1.2. ETAPAS

8.1.2.1. a. observação dos fenômenos

8.1.2.2. b. descoberta da relação entre eles

8.1.2.3. c. generalização da relação

8.1.3. CLASSIFICAÇÃO

8.1.3.1. Formal

8.1.3.1.1. não leva a novos conhecimentos

8.1.3.2. Científica

8.1.3.2.1. fundamenta-se na causa ou na lei que rege o fenômeno ou fato, constatada em um núme-ro significativo de casos (um ou mais) mas não em todos

8.1.4. PROBLEMAS

8.1.4.1. Amostra insuficiente

8.1.4.2. Amostra tendenciosa

8.2. DEDUÇÃO

8.2.1. I. Se todas as premissas são verdadeiras, a conclusão deve ser verdadeira.

8.2.2. II. Toda a informação ou conteúdo fatual já estava, pelo menos implicitamente, nas premissas.

8.2.3. tem o propósito de explicar o conteúdo das premissas

8.2.4. afIrmação do antecedente & negação do consequente

8.3. ETAPAS

8.3.1. b. PROBLEMA

8.3.2. a. EXPECTATIVAS ou CONHECIMENTO PRÉVIO

8.3.3. c. CONJECTURAS

8.3.4. d. FALSEAMENTO

8.4. HIPOTÉTICO-DEDUTIVO

8.4.1. a ciência começa e termina com problemas

8.4.2. corroboração

8.4.3. Bunge explica mais detalhadamente

8.5. MÉTODO DIALÉTICO

8.5.1. LEIS

8.5.1.1. a) ação recíproca

8.5.1.2. b) mudança dialética

8.5.1.3. c) mudança qualitativa

8.5.1.4. d) contradição

8.5.1.4.1. é interna

8.5.1.4.2. é inovadora

8.5.1.4.3. unidade dos contrários

9. MÉTODOS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS

9.1. Método Histórico

9.2. Método Comparativo

9.2.1. permite analisar o dado concreto, deduzindo do mesmo os elementos constantes, abstratos e gerais

9.2.2. POSSUI

9.2.2.1. Objetivo ou finalidade

9.2.2.2. Função/Aperfeiçoamento

9.2.2.3. Objeto

9.3. Método Monográfico

9.3.1. respeitar a "totalidade solidária"

9.4. Método Estatístico

9.5. Método Tipológico

9.5.1. Ao comparar fenômenos sociais complexos, o pesquisador cria tipos ou modelos ideais, construídos a partir da análise de aspectos essenciais do fenômeno

9.5.2. fornecer uma descrição quantitativa da sociedade, considerada como um todo organizado

9.6. Método Funcionalista

9.6.1. estuda a socie-dade do ponto de vista da função de sua organização de atividades

9.7. Método Estruturalista

9.7.1. consiste em construir modelos explicativos de realidade, chamados estruturas