Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
LEPTOSPIROSE por Mind Map: LEPTOSPIROSE

1. Definição

1.1. Doença infeciosa febril

1.2. Causada pela Leptospira Interrogans

1.3. Transmitida pela urina de ratos contaminados

1.4. Forma grave: Síndrome de Weil

1.4.1. Icterícia, insuficiência renal aguda e hemorragias

1.5. É uma zoonose

2. Epidemiologia

2.1. Regiões tropicais e temperadas

2.2. Doença negligenciada -> Subnotificada

2.3. Endêmica no Brasil

2.4. Torna-se epidêmica em períodos de chuva -> enchentes

2.5. 4 mil casos anuais no Brasil

2.6. Relacionada a saneamento inadequado e infestação de roedores

2.7. 60% dos ratos do Brasil carregam a bactéria

2.8. Doença sazonal com períodos chuvosos

3. Etiologia

3.1. Bactéria helicoidal - espiroqueta

3.2. Aeróbica obrigatória

3.3. Variantes genéticas na superfície -> Sorovars

3.3.1. Sorovar icterohaemorrhagie

3.4. Possui simbiose com ratos, e estes armazenam nos rins e fazem a eliminação pela urina durante a vida toda

3.5. Não é corada pelo método Gram, apenas campo escuro

4. Fisiopatologia

4.1. Ratos, cães, bois, porcos são reservatórios

4.2. A leptospira eliminada na urina sobrevive em meios úmidos/aquosos

4.3. O homem é hospedeiro acidental

4.4. A bactéria penetra na mucosa íntegra ou na pele lesada

4.5. Fase da leptospiremia

4.5.1. Lesão do endotélio vascular e adesão à membrana plasmática

4.5.2. Aumento da permeabilidade celular com hemorragia e perda de líquidos

4.5.3. Febre secundária a liberação de citocinas

4.5.4. Rim

4.5.4.1. Nefrite intersticial aguda

4.5.4.2. Distúrbio de túbulo contorcido proximal -> IRA com hipocalemia

4.5.4.3. Lesão devido ao hipofluxo, imunocomplexos e ação direta da bactéria

4.5.5. Fígado

4.5.5.1. Alteração de hepatócitos centrolobulares + hipertrofia/hiperplasia de macrófagos

4.5.5.2. Icterícia rubínica

4.5.5.2.1. Aumento de bilirrubina direta

4.5.5.2.2. Colestase intra-hepática

4.5.5.3. Não há necrose hepatocelular

4.5.5.4. Diminuição da síntese de albumina, fatores de coagulação e esterificação de colesterol

4.5.6. Pulmão

4.5.6.1. Capilarite difusa

4.5.6.1.1. ruptura de capilares

4.5.6.2. Hemorragia pulmonar

4.5.6.2.1. Principal causa de morte

4.5.7. Coração

4.5.7.1. Insuficiência cardíaca por miocardite mononuclear

4.5.7.2. Fibrilação atrial

4.5.7.3. Extrassístoles

4.5.8. Músculos

4.5.8.1. Miosite

4.5.8.2. Rabdomiólise focal

4.5.9. Duração de de 3 a 7 dias

4.6. Fase imune

4.6.1. Possui anticorpos IgM contra a leptospira

4.6.2. Anticorpos ineficientes em olhos, rins e meninges

4.6.3. Há uma reação de hipersensibilidade

4.6.3.1. Meningite asséptica

4.6.3.2. Uveíte anterior

4.6.4. Duração de 8 a 30 dias

5. Quadro clínico

5.1. Incubação de 7 a 14 dias

5.2. Forma anictérica

5.2.1. 95% dos casos

5.2.2. Leptospiremia

5.2.2.1. Dura de 3 a 7 dias

5.2.2.2. Febre remitente (38º - 40º)

5.2.2.3. Náuseas/vômitos

5.2.2.4. Cefaleia

5.2.2.5. Mialgia - panturrilha, dorso, coxa e abdomem

5.2.2.6. Sufusão conjuntival *

5.2.3. Imune

5.2.3.1. Dura de 8 a 30 dias

5.2.3.2. Redução da febre

5.2.3.3. Meningite asséptica ou uveíte anterior

5.3. Forma Íctero-hemorrágica

5.3.1. 5% dos casos

5.3.2. Síndrome de Weil

5.3.3. Leptospiremia

5.3.3.1. Dura 3 a 7 dias

5.3.3.2. Quadro inespecífico semelhante a mesma fase na forma anictérica

5.3.4. Imune

5.3.4.1. Dura de 8 a 30 dias

5.3.4.2. Icterícia rubínica + Disfunção renal aguda + Diátese hemorrágica por disfunção endotelial

6. Diagnóstico

6.1. Anamnese - questionar exposição a esgotos, enchentes

6.2. Cultura - sangue e líquor até 7 dias e urina a partir de 8 dias

6.2.1. Campo escuro

6.3. Sorologia - ELISA IgM a partir do 7º dia

6.4. Aglutinação - microaglutinação no sangue ou liquor; > 1:100 é sugestivo

6.5. Exames complementares (complicações): hemograma (leucocitose à esquerda), ureia, creatinina, potássio, sódio, CPK (elevado), PCR, TGO/TGP, Gama-GT, FA, Bilirrubinas, Gasometria (acidose), Liquor (pleocitose linfomonocitária), hemocultura, ECG, RaioX de tórax

7. Complicações

7.1. Insuficiência renal

7.2. Icterícia

7.3. Hemorragia pulmonar

8. Tratamento

8.1. Formas leves

8.1.1. Sem sinais de alerta

8.1.2. Amoxicilina - 500 mg - 1 cp VO - 8/8h - p/ 7 dias

8.1.3. Doxiciclina - 100 mg - 1 cp VO - 12/12h - p/ 7 dias

8.2. Formas graves

8.2.1. Penicilina G cristalina - 1,5 milhões UI EV - 6/6h

8.2.2. Ampicilina - 1000 mg EV - 6/6h

8.2.3. Ceftriaxona - 1-2g EV - 1x/dia

8.2.4. Ventilação mecânica + Soro fisiológico 0,9% + Furosemida ou Hemodiálise + Reposição de potássio + Plaquetas

9. Sinais de alerta (internação)

9.1. Dispneia, tosse e taquipineia

9.2. Alterações urinárias

9.3. Fenômenos hemorrágicos: hemoptise, escarros hemoptoicos

9.4. Hipotensão

9.5. Alteração do nível de consciência

9.6. Arritmias

9.7. Icterícia