Fracasso Escolar

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Fracasso Escolar por Mind Map: Fracasso Escolar

1. Revista Brasileira de estudos pedagógicos

1.1. Canal de expressão do pensamento oficial sobre os assuntos referentes a educação escolar no país.

1.1.1. Sua analise resultou num quadro relevante para a caracterização do modo oficial de pensar as dificuldades da escolarização das crianças pobres.

2. A marca liberal

2.1. Durante mais de 30 anos os colaboradores eram escolanovistas de 1° ou 2° geração.

2.1.1. Nortearam as politicas educacionais até o inicio dos anos 60.

2.2. Literatura estrangeira, especialmente norte-americana.

2.3. Unidade ideológica

2.3.1. Todos se movimentam nos limites do ideários liberal e invariavelmente partem da crença de que a universalização e a diversificação do ensino promovem a igualdade de oportunidades e são garantia de um regime democrático.

2.4. A Revista se manifesta preferencialmente através de ensaios cuja intenção parece ser sedimentar no país um politica educacional baseada nos princípios escolanovistas.

2.4.1. Porta voz de uma leitura dos problemas educacionais brasileiros.

2.4.2. Defesa da escola pública.

2.4.2.1. Urgência em reforma-la e busca por respostas para os problemas educacionais.

3. Um discurso fraturado

3.1. Quatro tipos de fatores que respondem pelo que a autora classifica como estado de calamidade na educação primaria: pedagógicos, sociais, médicos e psicológicos.

3.1.1. É preciso adaptar a atividade educativa ás necessidades e possibilidades do aprendiz.

3.1.1.1. Somente um ensino de boa qualidade (manejo correto dos conteúdos ensinados levando em conta a bagagem que os alunos trazem de fora) pode garantir a eficiência da escola.

3.1.2. Maneira de pensar educação e sua eficacia = ambiguidade

3.1.2.1. Um lado - afirma inadequação do ensino e sua impossibilidade de motivar os alunos

3.1.2.2. Outro lado - cobra do aluno interesse por uma escola qualificada como desinteressante, atribuindo seu desinteresse á inferioridade cultural do seu grupo social.

3.1.3. Cada vez mais, as causas do fracasso escolar são buscadas nos alunos

3.1.3.1. Planchard = todo seu raciocínio desenvolve-se em torno das condições físicas, sociais, intelectuais e temperamentais do aluno e de sugestões de tratamento

3.1.4. Veloso = 3 artigos

3.1.4.1. 1° - Crianças com problemas de personalidade tendem a ter dificuldade na escola.

3.1.4.2. 2° - causas localizadas fora da historia escolar. 3 circunstancias = 1. não estar frequentando a escola ideal; 2. disciplina muito rígida; 3. o professor pode ter algum problema de personalidade.

3.1.4.3. 3° - Importância de levar em conta as condições emocionais adequadas da criança antes de por ela na escola, esperar chegar ao período de latência.

4. Uma tentativa de sutura do discurso fraturado

4.1. ''Teoria da carência cultural'' - desigualdade pelas diferenças de ambiente cultural em que as crianças de diferentes classes se desenvolvem (baixa e média).

4.1.1. Pobreza ambiental nas classes baixas produz deficiência no desenvolvimento psicológico infantil.

4.2. Somente 10% das crianças não estudavam por falta de escola. As outras não se matriculavam por pobreza, necessidade de trabalhar, deficiência física e mental, doenças e desinteresse pela escola.

4.3. ''A escola é inadequada para crianças carentes''

4.3.1. Uma escola supostamente adequada para as classes favorecidas estaria falhando ao tentar ensinar, com os mesmos métodos, crianças culturalmente ''deficientes''.

4.4. Passagem da defesa nominal da igualdade de oportunidades educacionais para medidas educacionais concretas foi mediada por concepções negativas a respeito de estudantes pobres, que afastavam a politica educacional das teses defendidas pela liberal democracia e encaminhavam para tentativas equivocadas de solução.

5. Liberal democracia e politica educacional.

5.1. Manifesto dos pioneiros da educação nova.

5.1.1. Assume caráter biológico.

5.1.1.1. Reconhece a todo individuo o direito de ser educado até onde as aptidões naturais permitissem, independente de condições econômicas e sociais.

5.1.2. Educação nova alarga sua finalidade para além dos limites de classe.

5.1.2.1. Feições mais humanas, função social. Hierarquia das capacidades.

5.1.3. Plano de reconstrução

5.1.3.1. Continuidade e articulação do ensino, em seus diversos graus.

5.2. A reforma do ensino secundário do estado novo não se deu inteiramente nos moldes previstos pelos escolanovistas.

5.2.1. Separou as modalidades: ensino industrial, o secundário (propriamente dito), o comercial, o agrícola entre outros...

5.2.1.1. Porém garantiu que todos tivessem o direito de recorrer a universidade.

5.3. Valnir Chagas = ''como se houvesse uma adolescência predestinada a conduzir e outra a ser conduzida. ''

5.4. Moreira = defendia a terminalidade profissionalizantes da escola primária.

5.4.1. Acrescentar mais 2 anos aos 5 que já se tinha.

5.5. Diferença individual de habilidade e de aptidão.

5.5.1. Maior contribuição da moderna Psicologia Educacional.

6. Um diagnostico se repete

6.1. Dois Aspectos

6.1.1. 1- permanência de altos índices de evasão e repetência na escola publica.

6.1.2. 2 - recorrência de discrições de determinados aspectos do sistema escolar e de recomendações que visam alterar o quadro descritivo.

6.2. Necessidades para o aprimoramento da escola primaria: correção do sistema de afastamento/remoção/licenças; organização de um corpo docente especializado; estudo e adoção de métodos e processos eficientes no ensino de leitura e escrita.

7. Teoria da carência cultural

7.1. Nesta época, a única critica que se fazia a participação da escola na produção de alta incidência de fracasso escolar entre crianças pobres era a de que as atividades nela desenvolvidas eram ''carregadas de padrões culturais estranhos e não satisfatórios para a subcultura a que se destinam.

7.2. A causa principal do fracasso encontrava-se no aluno, cabendo a escola uma parcela de responsabilidade por não se adequar a esse aluno de baixa renda.

8. Ruptura e repetição

8.1. 3 afirmações normalmente encontradas

8.1.1. 1- As dificuldades de aprendizagem escolar da criança pobre decorrem de suas condições de vida

8.1.2. 2- A escola pública é uma escola adequada as crianças de classe média e o professor tende a agir, em sala de aula, tendo em mente um aluno ideal.

8.1.3. 3- Os professores não entendem ou descriminam seus alunos de classe baixa por terem pouca sensibilidade e grande falta de conhecimento a respeito dos padrões culturais dos alunos pobres, em função da sua condição de classe média.

9. As teorias crítico-reprodutivas e a pesquisa do fracasso escolar

9.1. As ideias de Althusser, Bordieu, Bordieu e Passeron e Establet e Baudelot introduziram a possibilidade de se pensar o papel da escola no âmbito de uma concepção crítica de sociedade.

9.1.1. Dominação Cultural.

9.1.2. Conceito de Dominação = contrapartida cultural da exploração econômica inerente a uma sociedade de classe regida pelo capital.

9.1.2.1. Imposição da cultura da maioria dos grupos minoritários ou como imposição dos valores da classe bem-sucedida a classe malsucedida no contexto urbano.

9.1.2.2. Passou a ser entendida como um desencontro entre dois segmentos culturais distintos que resultava na segregação dos grupos ou classes mais pobres da classe média.

9.2. Concessionário da violência simbólica

9.2.1. Atribuída ao professor, a serviço da imposição de uma visão de mundo legitimadora de uma ordem social vantajosa para os dominantes.

9.2.1.1. Encontrar as condições pedagógicas adequadas para aculturar seus alunos e proporciona-lhes condições de ascensão social.

9.3. Capital cultural

9.3.1. Sinônimo de desenvolvimento psicológico consonante com os critérios de uma psicologia normativa, segundo a qual todos os resultados de provas psicométricas situados abaixo da média são considerados indicadores de desenvolvimento deficitário.

9.4. Bourdieu e Passeron

9.4.1. 1°- colocou em foco a dimensão relacional do processo de ensino-aprendizagem, abrindo espaço para a percepção da importância da relação professor-aluno

9.4.2. 2°- chamou atenção para a dominação e a discriminação social presente no ensino.

9.4.3. 3°- tornou mais próxima a possibilidade de educação escolar ser pensada a partir de seus condicionantes sociais, contribuindo, assim, para a superação do mito da neutralidade do processo educativo e abrindo caminho não só para uma melhor compreensão posterior das próprias ideias reprodutivas como para a incorporação de teorias que permitiram inserir a reflexão sobre a escola numa concepção dialética da totalidade social.