O MAPA DO ORADOR DE SUCESSO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
O MAPA DO ORADOR DE SUCESSO por Mind Map: O MAPA DO ORADOR DE SUCESSO

1. Gravação

2. PONTO DE PARTIDA

2.1. Vergonha

2.2. Timidez

2.3. Nervosismo

2.4. Ansiedade

2.5. Dificuldade para se posicionar, se impor, ser firme com gentileza, ser direto

2.6. Preocupação com o que os outros vão pensar

2.7. Branco

2.8. Padrões rígidos de introversão

2.9. Não saber fazer uma introdução

2.10. Não saber estruturar seus conteúdos e roteiros

3. DESTINO

3.1. Confiança

3.2. Tranquilidade

3.3. Comunicação assertiva

3.4. Engajamento e encantamento

3.5. Vídeos gravados com excelência

3.6. Apresentações que dão orgulho!

3.7. Conteúdo de qualidade no digital

3.8. Novas oportunidades

3.9. Aumento de procura pelos seu trabalho

3.10. Ter a admiração e a confiança dos seus clientes, alunos ou da sua audiência

3.11. Liderar projetos e pessoas

3.12. Você se divertindo em lives, vídeos, falas, reuniões e apresentações

4. Créditos

4.1. Este material faz parte do Curso ECO: Expressão, Comunicação e Oratória

4.2. Autor

4.2.1. Rafael Zenato

4.2.1.1. Mentor de Comunicação e Oratória

4.2.1.2. Instagram

4.2.1.2.1. @rafaelzenato

5. 1ª parada: EBULIÇÃO

5.1. Problemas a serem consertados

5.1.1. Vergonha

5.1.2. Nervosismo

5.2. Vitórias após ajustar as peças

5.2.1. Autoconfiança

5.2.2. Serenidade

5.3. Peças

5.3.1. Compreensão das causas da dificuldade de falar em público

5.3.1.1. Vergonha

5.3.1.1.1. Ancestralidade

5.3.1.1.2. Níveis de Consciência (Escala das Emoções)

5.3.1.2. Crenças limitantes

5.3.1.2.1. O que acontece se eu ficar muito bom nisso?

5.3.1.3. Traumas

5.3.1.4. Padrões enraizados

5.3.1.4.1. Hormese e Homeostase

5.3.1.4.2. Neuroplasticidade cerebral

5.3.1.4.3. Autodesafios

5.3.2. Biohacking

5.3.2.1. Atalhos corporais

5.3.2.1.1. Termogenia

5.3.2.1.2. Exposição ao frio

5.3.2.1.3. Regulação bioquímica (neurotransmissores)

5.3.2.1.4. Respiração

5.3.2.1.5. Técnicas para limpeza de traumas

5.3.2.1.6. Técnicas para liberação de emoções negativas

5.3.3. Mindhacking

5.3.3.1. Atalhos mentais

5.3.3.1.1. Motivação extrínseca

5.3.3.1.2. Mudança de foco

5.3.3.1.3. Motivação intrínseca

5.3.4. Montagem do seu próprio ritual

5.3.4.1. Testes

5.3.4.1.1. Respostas

6. 2ª parada: LINGUAGEM CORPORAL

6.1. Problemas a serem consertados

6.1.1. Falta de confiança

6.1.2. Falta de credibilidade

6.1.3. Falta de conexão

6.2. Vitórias após ajustar as peças

6.2.1. Expansão de Autoconfiança

6.2.2. Ser visto como alguém em que as pessoas podem confiar

6.2.3. Expansão de Serenidade

6.2.4. Ficar mais à vontade

6.2.5. Deixar as pessoas mais à vontade

6.3. Peças

6.3.1. Como somos entendidos

6.3.1.1. Albert Mehrabian

6.3.2. Postura

6.3.2.1. Pose de Poder

6.3.2.1.1. Amy Cuddy

6.3.2.2. Princípios de postura e LC

6.3.2.2.1. Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal

6.3.2.2.2. O Corpo Fala

6.3.3. Aparência

6.3.3.1. Como se vestir

6.3.3.1.1. Gatilho mental da similaridade

6.3.3.1.2. Gatilho mental da autoridade

6.3.3.1.3. Ancoragem

6.3.3.1.4. Orientações de estilo

6.3.4. Presença

6.3.4.1. Energia

6.3.4.2. Mídia

6.3.4.3. Relação líder/liderado

6.3.4.4. Leitura prévia

6.3.4.4.1. Segundos iniciais

6.3.4.5. Movimentação

6.3.4.6. Proxêmica

6.3.5. Expressões faciais

6.3.5.1. Sorriso

6.3.5.2. Contato visual/ocular

6.3.5.2.1. Técnica dos quadrantes

6.3.5.2.2. Câmera x presencial

6.3.5.2.3. Com slides x Sem slides

6.3.5.3. Microexpressões

6.3.6. Gestos

6.3.6.1. Que transmitem verdade

6.3.6.2. Que transmitem confiança

6.3.6.3. Que transmitem neutralidade

6.3.6.4. Que transmitem abertura

6.3.6.5. Que aproximam

6.3.6.6. Que estimulam a interação

6.3.6.7. Que ilustram

6.3.6.8. Zona de segurança

7. 3ª parada: RAPPORT (Conexão)

7.1. Problemas a serem consertados

7.1.1. Falta de conexão com o público

7.1.2. Baixo engajamento

7.1.3. Público resistente

7.2. Vitórias após ajustar as peças

7.2.1. Pessoas sentindo que você está falando exatamente com elas

7.2.1.1. Feedbacks agradecendo (ao invés de apenas parabenizando)

7.2.2. Maior participação e engajamento

7.2.2.1. Introvertidos em silêncio

7.2.2.1.1. Anotações

7.2.2.1.2. Práticas

7.2.2.2. Extrovertidos de forma visível

7.2.2.2.1. Perguntas

7.2.2.2.2. Comentários

7.2.3. Sua fala promove mudanças concretas (mesmo que a pessoa não exponha isso em público)

7.3. Peças

7.3.1. Dominância

7.3.1.1. Arquétipo do Anfitrião

7.3.1.2. Posturas psicofísicas

7.3.1.2.1. Facilitador

7.3.1.2.2. Mentor

7.3.1.2.3. Palestrante

7.3.2. Interações

7.3.2.1. Exercícios

7.3.2.1.1. Dinâmicas

7.3.2.1.2. Ferramentas

7.3.2.2. Gatilhos mentais

7.3.2.2.1. Participação

7.3.2.2.2. Conversa

7.3.2.2.3. Comunidade

7.3.2.3. Espelhamento

7.3.2.3.1. Por que espelhar

7.3.2.3.2. O que espelhar

7.3.2.3.3. Como espelhar com naturalidade

7.3.3. Perguntas

7.3.3.1. Permissão x Interação

7.3.3.1.1. Conforto e superficialidade

7.3.3.1.2. Desconforto e profundidade

7.3.3.2. Perguntas fechadas

7.3.3.2.1. Por que usar

7.3.3.2.2. Quando usar

7.3.3.2.3. Quando não usar

7.3.3.3. Perguntas abertas

7.3.3.3.1. Por que usar

7.3.3.3.2. Quando usar

7.3.3.3.3. Quando não usar

7.3.3.3.4. Técnica FORD

7.3.4. Audição atenta

7.3.4.1. Tony Robbins

7.3.4.1.1. Mapa de Mundo

7.3.4.1.2. Crenças e valores

7.3.4.1.3. Necessidades humanas

7.3.4.2. Movimentos de cabeça e corpo

7.3.4.3. Obstáculos mentais

7.3.5. Estado de Flow

7.3.5.1. Psicologia Positiva

7.3.5.1.1. Mihaly Csikszentmihalyihaly

7.3.5.1.2. Martin Seligman

8. 4ª parada: ROTEIRO

8.1. Problemas a serem consertados

8.1.1. Falta de estrutura

8.1.2. Falta de clareza na hora de apresentar

8.1.3. Não saber como iniciar

8.1.4. Branco: esquecimentos

8.1.5. Despreparo

8.2. Não saber como encerrar

8.3. Vitórias após ajustar as peças

8.3.1. Clareza para você e para o público

8.3.2. Simplicidade e leveza

8.3.3. Mais atenção e retenção

8.3.4. Fluidez: minimização de quebras e brancos

8.3.5. Conteúdo que produz muito mais resultados práticos

8.4. Peças

8.4.1. Planejamento de evento

8.4.2. Logística

8.4.3. Planos de Contingência

8.4.4. Estruturação

8.4.4.1. Introdução

8.4.4.1.1. Histórias

8.4.4.1.2. Humor

8.4.4.1.3. Método VPP

8.4.4.1.4. Benefícios

8.4.4.1.5. Gatilho mental da antecipação

8.4.4.1.6. Gatilho mental da curiosidade

8.4.4.1.7. Dinâmicas de introdução

8.4.4.2. Desenvolvimento

8.4.4.2.1. Os dois grandes modelos de roteiro

8.4.4.3. Conclusão

8.4.4.3.1. CTA

8.4.5. Checagem de equipamentos

8.4.6. Preparação

8.4.6.1. Ensaio

8.4.6.1.1. "Realidade Virtual"

8.4.6.1.2. Tempo de apresentação

8.4.6.1.3. Branco

8.4.6.2. Visualização

8.4.6.2.1. Efeitos no cérebro

8.4.6.2.2. Como fazer

9. 5ª parada: DIDÁTICA

9.1. Problemas a serem consertados

9.1.1. Conteúdo fraco, pouco atrativo

9.1.2. Conteúdo confuso que cansa o ouvinte

9.1.3. Baixa retenção de aprendizado

9.2. Vitórias após ajustar as peças

9.2.1. O público sai energizado

9.2.2. Alta retenção de aprendizado

9.2.3. Aumento de indicações e recomendações

9.2.4. Aumento de valor agregado no trabalho por entrega duradoura

9.3. Peças

9.3.1. Histórias

9.3.1.1. Exemplos

9.3.1.1.1. Onde encontrar

9.3.1.2. Estruturas clássicas

9.3.1.2.1. Jornada do Herói

9.3.1.3. Como transmitir

9.3.1.3.1. Visual

9.3.1.3.2. Auditivo

9.3.1.3.3. Cinestésico

9.3.2. Analogias

9.3.2.1. Natureza

9.3.2.2. Esportes

9.3.2.3. Ser humano

9.3.2.4. Objetos simbólicos

9.3.2.5. Ferramentas

9.3.2.6. outras

9.3.3. Linearidade

9.3.3.1. Linha do Tempo

9.3.3.2. Passo a passo

9.3.3.3. Etapas

9.3.3.4. Checklist

9.3.3.5. Ciclo

9.3.3.6. Mapa

9.3.3.7. Tríade

9.3.3.8. Pilares

9.3.4. Falar a língua do ouvinte

9.3.4.1. Construção de ponte

9.3.4.2. Síndrome do especialista

9.3.4.2.1. Por que oradores iniciantes levam vantagem

9.3.4.3. Observação e espelhamento

9.3.4.3.1. Contexto

9.3.4.3.2. Vocabulário

9.3.4.3.3. Tom de voz

9.3.4.3.4. Simplificação

9.3.5. Feedbacks

9.3.5.1. Como colher feedbacks

9.3.5.1.1. Tipos de feedback

9.3.5.2. Como dar feedbacks

9.3.5.2.1. Quando dar feedbacks

9.3.5.2.2. Técnicas de feedback

9.3.5.2.3. Alinhamento

10. 6ª parada: LINGUAGEM VERBAL

10.1. Problemas a serem consertados

10.1.1. Apresentação cansativa ou monótona

10.1.2. Voz fraca

10.1.3. Dicção ruim

10.1.4. Comunicação passiva ou agressiva

10.1.4.1. Excesso de energia Yin

10.1.4.2. Excesso de energia Yang

10.2. Vitórias após ajustar as peças

10.2.1. Apresentação prazerosa de acompanhar

10.2.2. Potência vocal

10.2.3. Clareza extrema

10.2.4. Comunicação assertiva

10.3. Peças

10.3.1. Saúde vocal

10.3.1.1. O que evitar

10.3.1.1.1. Leite

10.3.1.1.2. Gritar

10.3.1.1.3. Temperaturas extremas

10.3.1.2. O que praticar

10.3.1.2.1. Comer maçã

10.3.1.2.2. Beber água

10.3.1.2.3. Aquecimento

10.3.2. Impostação

10.3.2.1. Diafragma

10.3.2.1.1. Consciência

10.3.2.1.2. Fortalecimento

10.3.3. Dinâmica de voz

10.3.3.1. Yin e Yang

10.3.3.1.1. Volume

10.3.3.1.2. Altura

10.3.3.1.3. Ritmo

10.3.3.1.4. Temperatura

10.3.3.1.5. Energia

10.3.3.1.6. Intenção

10.3.3.2. O Poder da Pausa

10.3.3.2.1. Brian Tracy

10.3.3.2.2. Pausa Dramática

10.3.3.2.3. Pausa "Complete a frase"

10.3.3.3. Autodesafios para sair da passividade

10.3.3.4. Autodesafios para equilibrar a agressividade

10.3.4. Dicção

10.3.4.1. Técnicas

10.3.4.1.1. Faber Castell

10.3.4.1.2. Gravação

10.3.4.1.3. Articulação exagerada

11. 7ª parada: CREDIBILIDADE

11.1. Problemas a serem consertados

11.1.1. Não ser levado a sério

11.1.2. Receber elogios, mas não vender

11.1.3. Baixa influência e liderança

11.2. Vitórias após ajustar as peças

11.2.1. Mais credibilidade

11.2.2. Mais resultado prático

11.2.2.1. Mudanças

11.2.2.2. Finanças

11.2.3. Facilidade para liderança e influência

11.3. Peças

11.3.1. Oratória Aristotélica

11.3.1.1. Logos

11.3.1.1.1. Ciência

11.3.1.1.2. Pesquisa

11.3.1.1.3. Dados e estatísticas

11.3.1.1.4. Autores

11.3.1.1.5. Cruzamento de fontes

11.3.1.1.6. Pensamento crítico

11.3.1.2. Pathos

11.3.1.2.1. Dinâmicas emocionais

11.3.1.2.2. Dores

11.3.1.2.3. Compaixão

11.3.1.2.4. Emoções básicas humanas

11.3.1.3. Ethos

11.3.1.3.1. Seu

11.3.1.3.2. Emprestado

11.3.2. Gatilhos Mentais

11.3.2.1. História

11.3.2.2. Especificidade

11.3.2.3. Prova

11.3.2.4. Prova social

11.3.2.5. Autoridade

11.3.2.6. Escassez

11.3.2.7. Antecipação

11.3.2.8. Reciprocidade

11.3.2.9. Evento

11.3.2.10. Conversa

11.3.2.11. Emoção

11.3.2.12. Desapego

11.3.2.13. Surpresa

11.3.3. Aumento de Autoridade

11.3.3.1. Metalearning

11.3.3.2. Ultralearning

11.3.4. Níveis de Credibilidade

11.3.4.1. Modelo de Brendon Burchard

11.3.4.1.1. O Mensageiro Milionário

11.3.4.2. Tríade

11.3.4.2.1. Pesquisa

11.3.4.2.2. Resultados

11.3.4.2.3. Comportamento

12. 8ª parada: AUTENTICIDADE

12.1. Hora de desfrutar!

12.1.1. Naturalidade

12.1.2. Expressar a sua essência

12.1.3. Diversão e leveza se tornam cada vez mais presentes

12.2. Peças

12.2.1. Perfis Comportamentais

12.2.1.1. Integração

12.2.1.1.1. Luz (Self) e sombra

12.2.1.1.2. Personas

12.2.1.2. MBTI

12.2.1.3. DISC

12.2.1.4. Temperamentos

12.2.1.5. O Corpo Expllica

12.2.1.6. outros

12.2.1.6.1. Eneagrama

12.2.1.6.2. Big Five

12.2.2. Vulnerabilidade

12.2.2.1. Brené Brown

12.2.2.1.1. O Poder da Vulnerabilidade

12.2.2.1.2. A Coragem de Ser Imperfeito

12.2.3. Arquétipos

12.2.3.1. Os 12 Arquétipos Clássicos

12.2.3.1.1. Os arquétipos e o inconsciente coletivo

12.2.3.2. Carl Jung

12.2.4. Individuação

12.2.4.1. Carl Jung

12.2.5. Prática avançada

12.2.5.1. Apresentação

12.2.5.2. Publicação

12.2.6. Compaixão

12.2.6.1. Suas dores

12.2.6.2. Dores do público