Mapa Mental

Um mapa mental sobre mapas mentais

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Mapa Mental por Mind Map: Mapa Mental

1. O Que se trata

1.1. Um estruturador do conhecimento

1.2. Representação visual utilizada para partilhar significados

1.3. Forma de estudo ou fixação do conhecimento, em uma estrutura similar a uma teia.

2. Origens

2.1. Teoria da aprendizagem significativa de David Ausubel

3. Motivos para utilizar esse método

3.1. Tornar mais clara as conexões.

3.1.1. Considera as questões mais gerais e inclusivas do tema.

3.1.2. Se faz clara a ligação entre tópicos e a divisão dos conhecimentos.

3.2. Estruturar os conhecimentos aprendidos pelo estudante.

3.2.1. Serve como guia de seleção e categorização.

3.3. É possível tornar mais nítida as dificuldades do aprendizado.

3.3.1. Se cria mais clareza nas questões a serem feitas sobre suas dificuldades.

3.3.2. Com a esquematização do seu aprendizado, duvidas podem ser sanadas, relacionando os conceitos e conteúdos.

4. Como utilizar o método

4.1. Passo 1

4.1.1. Se faz uso, inicialmente, das ideias mais gerais e inclusivas da disciplina abordada.

4.1.1.1. mapa começa com uma boa seleção de conceitos relacionados ao tema principal

4.1.1.2. Cada conceito pode estar relacionado a mais de um outro conceito. A existência de grande número de conexões entre os conceitos revela a familiaridade do autor com o tema considerado

4.2. Passo 2

4.2.1. Progressivamente diferencia-las em termos de pormenor e de especificidade.

5. Tipos de Mapas Mentais

5.1. Aranha

5.1.1. Pela facilidade de elaboração

5.1.2. Vantagens

5.1.2.1. Fácil de estruturar, pois todas as informações estão unificadas em torno de um ou vários temas centrais

5.1.2.2. O foco principal é a irradiação das relações conceituais, sem preocupação com as relações hierárquicas, ou transversais

5.1.3. Desvantagens

5.1.3.1. Dificuldade em mostrar as relações entre os conceitos, e desse modo permitir a percepção de uma integração entre as informações

5.1.3.2. Não fica clara a opinião do autor sobre a importância relativa entre os vários conceitos e o conceito central.

5.2. Fluxograma

5.2.1. Pela clareza que explicita processos

5.2.2. Quando se deseja otimizar um determinado processo

5.2.3. Esse tipo de mapa deixa claro quais são as confluências e as possíveis opções a serem escolhidas. Ele ainda é extremamente utilizado na elaboração de programas de computador, quando se deseja construir um algoritmo eficiente para determinada função

5.2.4. Vantagens

5.2.4.1. Fácil de ler; as informações estão organizadas de uma maneira lógica e sequencial.

5.2.5. Desvantagens

5.2.5.1. Ausência de pensamento crítico, normalmente é incompleto na exposição do tema. Ele é construído para explicitar um processo, sem a preocupação de explicar determinado tema; na sua gênese não pretende facilitar a compreensão do processo, mas otimizar a sua execução.

5.3. Entrada e Saída

5.3.1. Organiza a informação num formato que é semelhante ao fluxograma, mas com o acréscimo da imposição das possibilidades “entrada” e “saída”.

5.3.2. Vantagens

5.3.2.1. Mostra várias relações entre os conceitos.

5.3.3. Desvantagens

5.3.3.1. Alguma vezes é difícil de se ler devido ao grande número de relações entre os conceitos. Na sua gênese pretende explicar a transformação de insumos em produto acabado. É adequado para explicar processos que impliquem em entrada e saída.

5.4. Hierárquico

5.4.1. A informação é apresentada numa ordem descendente de importância. A informação mais importante (inclusiva) é colocada na parte superior. Um mapa hierárquico é usado para nos dizer algo sobre um procedimento.

5.4.2. Vantagens

5.4.2.1. Os conceitos mais inclusivos estão explícitos; os conceitos auxiliares e menos inclusivos estão inter-relacionados. Estrutura o conhecimento de maneira mais adequada a compreensão humana, considerando em posição de destaque os conceitos mais inclusivos.

5.4.3. Desvantagens

5.4.3.1. Mais difícil de externar e construir, visto que expõe a estrutura cognitiva do autor sobre o assunto. A clareza do autor sobre o tema fica evidente quando da sua construção. A sua construção sempre representa um desafio, visto que explicita (principalmente para si) a profundidade do conhecimento do autor sobre o tema do mapa.

6. Exemplos de utilização.

6.1. Fixação de aprendizagem.

6.2. Roteiro de estudos

6.3. Preparação para planejamentos, de estudos ou outros

6.4. Brainstorming ("Explosão de ideias" em tradução livre)

6.5. Avaliação formativa

7. Diversificações de um mapa mental.

7.1. Por Cores

7.2. Com imagens relacionadas ao tema

7.3. Vídeos e links externos