Século das Luzes

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Século das Luzes por Mind Map: Século das Luzes

1. Período muito rico em reflexões pedagógicas, foi a politica educacional focada no esforço para tornar a escola leiga e a função do Estado

1.1. Contribuições predominantemente teóricas da pedagogia da Ilustração: o naturalismo de Rousseau e a pedagogia idealista de Kant

2. Revoluções

2.1. Burguesas

2.1.1. Burguesia

2.1.1.1. Impostos

2.1.1.1.1. Previlegiados eram a nobreza a e Clero

2.2. Industrial

2.2.1. Maquina a vapor

2.2.1.1. Inevitável que a burguesia, já detentora do poder econômico e sentindo-se espoliado pela nobreza, reivindicasse para si o poder politico.

2.2.1.1.1. Explosão das revoluções burguesas

3. Iluministas

3.1. O despotismo ilustrado

3.1.1. Prussia, Austria, Russia e Portugal

3.1.1.1. Reis se faziam cercar por pensadores e adotavam o discurso dos filósofos iluministas, procurando criar a imagem de racionalidade e tolerância, o que dissimulava o caráter absoluto do poder

3.1.1.1.1. Poder do rei X Estado leigo, secularizado, disposto a intervir em diversas areas, incluindo na Educação

3.2. Ideias Iluministas

3.2.1. O poder da razão humana de interpretar e reorganizar o mundo

3.2.1.1. Liberalismo representava as aspirações da burguesia desejosa de gerenciar seus negócios sem intervenção do Estado mercantilista

3.2.1.1.1. Pensamento liberal de um estado não intervencionista

4. Educação

4.1. Tendência Liberal e Laica

4.1.1. Não fazia mais sentido atrelar a educação á religião, como as escolas confessionais, nem aos interesses de uma classe, como queria a aristocracia.

4.1.1.1. A escola deveria ser leia (não religiosa) e livre (independente de privilégios de classe)

4.2. Defesas de Ideias

4.2.1. Educação ao encargo do estado

4.2.1.1. obrigatoriedade e gratuita do ensino elementar

4.2.1.1.1. nacionalismo, isto é recusa do universalismo jesuiítico

4.3. Dificuldades do Ensino

4.3.1. Apesar das discussões avançadas sobre o ideal liberal da educação, era critica a situação do ensino na Europa

4.3.1.1. Queixas quanto ao conteúdo, excessivamente literário e pouco cientifico

4.3.1.1.1. As escolas era insuficientes e os mestres sem qualificações adequada. Mal pagos, geralmente não tinham experiência ou permaneciam nessa profissão enquanto não arrumavam outra melhor

5. Reformas

5.1. Portugal e a reforma pombalina

5.1.1. Na metade do século XVII ainda continuava a influencia dos jesuítas, como seus colégios espalhados pelo mundo, embora as criticas a eles se tornassem mais fortes

5.1.1.1. Os Jesuítas foram expulsos de diversos países - de Portugal e, portanto, do Brasil em 1759 - até que o papa Clemente XIV extinguiu a Companhia de Jesus em 1773

5.1.1.1.1. Gestor da Introdução de ideias Iluministas marques de Pombal agiu com rigor da reforma do ensino, educação leiga com responsabilidade total do estado

6. Pedagogia

6.1. Iluminista

6.2. Rousseau

6.2.1. Discurso sobre a origem da desigualdade entre os homens, do contrato social, ambos sobre a politica, MARCO DA PEDAGOGIA COMTEMPORÂNEA

6.2.1.1. O homem nasce bom, e a socidade o corrompe

6.2.1.1.1. Contrato Social: verdadeiro e legitimo que reúne o povo numa só vontade, resultante do consentimento de todas as pessoas

6.3. Kant e a pedagogia idealista

6.3.1. A ação moral é autônoma porque o ser humano é o único ser capaz de se determinar segundo leis que a própria razão estabelece

6.3.1.1. Cabe a educação, ao desenvolver a faculdade da razão, formar o caráter moral

6.3.1.2. A aprendizagem do controle do desejo pela disciplina, a fim de que a pessoa atinja seu próprio governo e seja capaz de autodeterminação

7. Brasil

7.1. Educação

7.1.1. animosidade contra a Companhia de Jesus

7.1.1.1. Poder economico e politico

7.1.1.1.1. Campanhia tornara-se então muito rica, como todos esses beneficios, sem contar com a produção agraria das missões, altamente lucrativa

7.2. Na era pombalina

7.2.1. No século XVIII, a Europa enfrentava a crise do Antigo Regime

7.2.1.1. Ao absolutismo e ao mercantilismo opunham-se os ideias liberais, que culminariam nas revoluções burguesas

7.2.1.1.1. Inglaterra - capitalismo industrial

7.3. Alemanha

7.3.1. Governo reconheceu a necessidade do investimento em educação

7.3.1.1. Ao se tornar obrigatório o ensino primário, ampliou-se a rede de escolas elementares, com especial atenção para o método e o conteúdo de ensino

7.4. A reforma pombalina no Brasil

7.4.1. Portugal não permitia a criação de universidades na colônia bem como impunha outras medidas cerceadores de nossa emancipação intelectual

7.4.1.1. Jesuítas tiveram influencias na educação dos filhos dos colonos, cujo o foco estava voltado para o ensino médio

7.4.1.1.1. Expulsão dos Jesuítas de imediato não se substituiu o ensino regular por outra organização escolar, enquanto os índios, entregues a sua própria sorte, abandonaram as missões 1759.