De Dutra a João Goulart (cap. 3)

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
De Dutra a João Goulart (cap. 3) por Mind Map: De Dutra a João  Goulart (cap. 3)

1. Eurico Dutra (1951-1955) Em dezembro de 1945 ocorreram as eleições que garantiram a vitória do general Eurico Gaspar Dutra para presidente do Brasil e a escolha dos deputados e senadores, que comporiam, também, uma Assembleia Nacional Constituinte, para elaborar a nova Constituição que substituiria a de 1937.

2. Getúlio Vargas (1951-1954) De volta ao poder, dessa vez eleito democraticamente, Getúlio herdara a crise econômica deixada por Dutra e, para enfrentá-la, nomeou para a maioria de seus ministérios políticos conservadores do PSD. Ao mesmo tempo, sofria forte oposição da UDN, da grande imprensa e de setores militares.

3. Depois do conturbado período pós-eleitoral, no dia 31 de janeiro de 1956, tomou posse no Rio de Janeiro Anotações o presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, junto com seu vice, João Goulart. Seu governo foi todo baseado em medidas desenvolvimentistas, que prometiam fazer o Brasil crescer “50 anos em 5”. Para tanto, lançou o Plano de Metas, estabelecendo como prioridade os setores de alimentação, energia, transporte, educação e crescimento industrial pautado na produção de bens de consumo duráveis, porém, sem deixar de investir na indústria de base nacional.

4. Com o fim trágico do mandato de Getúlio, seu lugar foi então ocupado por João Fernandes Campos Café Filho, apoiado pela UDN. Sua política econômica foi marcada pela instrução 113 da Superintendência da Moe- da e do Crédito (Sumoc), que liberava os investimentos estrangeiros sem restrição. Contudo, a inflação atingia a economia brasileira, aprofundando o descompasso entre povo e governo.

5. O período da história do Brasil que se estende do fim do Estado Novo até o golpe militar de 1964 apresenta muitos aspectos importantes para a compreensão do Brasil atual. A partir de 1945, o país começou a desenvolver uma atividade político-partidária nos moldes das principais democracias liberais, ou seja, com partidos organizados nacionalmente, com estatutos e diretórios nacionais, estaduais e municipais.

6. A década de 1950 e o início dos anos 1960 foram particularmente ricos para a vida intelectual, cultural e artística do país. Vários autores escreveram obras importantes nas áreas de Sociologia, História e Geografia humana.

7. Depois de uma rápida ascensão na vida política pautada no discurso moralizador da administração pública e caracterizada por grandes vitórias eleitorais, Jânio da Silva Quadros assumiu a presidência dizendo que governaria acima dos partidos e não teria compromissos com ninguém. Com seu estilo personalista e sem um plano de governo claro, o novo presidente teve seu curto mandato marcado por polêmicas, a começar pelas leis sociais que promulgou, proibindo corridas de cavalo nos dias de semana, brigas de galo, o uso de biquíni em concursos de beleza e o tradicional lança-perfume nos bailes de Carnaval.

8. O presidente João Belchior Marques Goulart enfrentou, logo de início, uma situação econômica e financei- ra bastante delicada, com inflação em alta, queda do valor dos salários e elevação do custo de vida. Jango acreditava que só as reformas sociais poderiam fazer o país avançar social e economicamente, mas seus opositores contestavam duramente suas propostas.

9. Em Brasília, mesmo com o presidente em território brasileiro, foi declarada a vacância do cargo e o líder da Câmara, Ranieri Mazzilli, assumiu interinamente a presidência da República. Deposto, Jango pediu asilo ao Uruguai, onde permaneceu até a sua morte em 1976. Estava consumado o golpe militar.