Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Epidemiologia por Mind Map: Epidemiologia

1. Identificar fatores etiológicos na gênese das enfermidades.

2. Proporcionar dados para planejamento, execução e avaliação das ações de prevenção, controle e tratamento das doenças;

3. Descrever a distribuição e a magnitude dos problemas de saúde na população;

4. Ramo da ciência que estuda na população a ocorrência, a distribuição e os fatores determinantes dos eventos relacionados com a saúde.

5. Até Séc XIX

5.1. Perspectiva Histórica:

5.2. Busca das raízes

5.3. Epidemiologia

5.4. História da Medicina

5.5. Evolução das teoria das causas das doenças

5.6. Miasmas

5.6.1. Situava que a origem das doenças era da má qualidade do ar e decomposição de animais e plantas o que originava a malária.

5.6.2. Os leigos realizavam práticas místicas com danças e amuletos para afastar danos a saúde.

5.6.3. Há 3 séculos iniciou a quantificação dos temas biológicos e sociais mediante a utilização de dados de mortalidade= saúde pública.

5.7. John Graunt

5.7.1. Analisou a mortalidade entre sexo e região. Não tendo anotação da idade no registro de óbitos. selecionou causas como prematuridade e raquitismo, para estimar a proporção de crianças nascidas vivas e que morriam antes do 6 anos de idade. Foi o primeiro a utilizar coeficientes o que o denominou como pai da demografia ou das estatísticas vitais.

6. Pilares atuais

6.1. Epidemiologia Clínica

6.1.1. Conhecer o ambiente em que vive o paciente

6.1.1.1. Verificar circunstâncias que possibilitam o aparecimento da doença

6.2. Epidemiologia Social

6.2.1. Verificar a situação da saúde da população dando um enfoque nas desigualdades sociais existentes

6.3. Pilares da Epidemiologia

6.3.1. Ciências Biológicas - Descrever e classificar as doenças

6.3.1.1. Clínica

6.3.1.2. Patologia

6.3.1.3. Microbiologia

6.3.1.4. Parasitologia

6.3.1.5. Imunologia

6.3.2. Ciências Sociais

6.3.2.1. Biológico

6.3.2.2. Ambiental

6.3.3. Estatísticas

6.3.3.1. Coletar, resumir e analisar dados sujeitos a variações

6.3.3.1.1. Controle de variáveis

6.3.3.1.2. Aleatoriedade dos eventos

7. Séc XIX

7.1. Revolução industrial: êxodo rural. Epidemias de cólera, febre tifóide e febre amarela constituiu grandes problemas nas cidades. Disputa de teorias: miasmas x germes.

7.1.1. Pierre Louis: revolucionou a epidemiologia pelo uso da estatística em pesquisa clínica. Suas obras: estudos clínicos e patológicos sobre a tuberculosa e febre tifoide. Sua maior contribuição foi o método estatístico utilizando a investigação clínica das doenças.

7.1.2. Louis Villérme: estudo das determinantes sociais da doença. Investigou a pobreza, condições de trabalho e sua repercussão sobre a saúde. Relação sobre situação econômica e mortalidade. Pioneiro da etiologia social das doenças.

7.1.3. Louis Pasteur: Pai da bacteriologia. Assentou as bases biológicas para estudo das doenças infecciosas influenciando na história da epidemiologia. Identificou e isolou numerosas bactérias. Descobriu o principio da pasteurização e desenvolveu a vacina antirrábica. Descobriu o papel do agente etiológico, sendo a teoria dos germes

7.1.4. William farr: estudo da mortalidade. Uma das suas contribuições: classificação de doenças das epidemias e a produção de informações epidemiológicas para usar no planejamento de ações de prevenção e controle.

7.1.5. Jhon Snow: Fez investigações para esclarecer a origem de epidemias de cóleras. Assim conseguiu incriminar o consumo de água poluída sendo responsável pelo episódio da doença e traçar os princípios de prevenção e controle dos surtos. É considerado clássico da epidemiologia de campo.

7.1.6. Epidemiologia de campo: coleta planejada de dados na comunidade

7.1.7. Edward Jenner: Considerado pai da imunologia pois ele desenvolveu uma vacina contra varíola.

7.1.8. Gregor Mendel: pioneiro dos estudos de genética descobrindo o mistério da transmissão de pais para filho e assim explicando a distribuição da desigual da doença na coletividade.

8. Conceito

9. Objetivo

10. Histórico

10.1. Hipócrates (460aC - 377aC)

10.2. Grécia Antiga

10.3. Filhas do Deus Asclépios

10.4. Higéia: saúde coletiva. Harmonia entre homem e ambiente. Ações preventivas entre os elementos (terra, fogo, ar e água).

10.5. Conceitos de Higiene e Higiênico= promoção a saúde

10.6. Panacéia: medicina curativa e individual. Intervenção sobre o indivíduo doente. Termo Panaceia universal

10.7. epidemion: enfermidades que visitam (do grego)

10.8. Avaliava doenças em bases racionais: relacionando a constituição do indivíduo e ambiente

10.9. Avaliava paciente na alimentação, hábitos de vida e clima

10.10. Estudou as doenças epidêmicas e condições endêmicas

10.11. Pai da epidemiologia e da medicina

10.12. Preservação dos ensinamentos hipocráticos

10.13. Galeno --> Roma antiga: censos periódicos + registros compulsórios dos nascimentos e óbitos

10.14. Idade Média (Árabes): grandes avanços tecnológicos e uma visão coletiva da medicina (auge séc X) --> Avicena (989-1037): precursor do higienismo.

10.15. Idade Média - Europa Ocidental (Clínicos): saúde caráter médico-religioso--> supremacia da igreja católica; ** cuidado era realizado por ordens religiosas ---- baseada na medicina das epidemias e observação cuidadosa dos sinais e sintomas do paciente

11. Séc XX - segunda metade

11.1. Morbidade e mortalidade: Intensificação com maior número de pesquisas e maior detalhamento

11.2. 1 - Ênfase das pesquisas

11.2.1. A) Determinação das condições de saúde da população

11.2.2. Investigações Etiológicas: Estudos de coorte ou de caso-controle

11.2.3. B) Investigações Etiológicas

11.2.4. C) Avaliações das Intervenções

11.2.4.1. Curativas

11.2.4.2. Preventivas

12. Primeira metade do Séc. XX

12.1. Influência da microbiologia

12.1.1. Alterou o conceito de doença e contágio

12.1.1.1. Progresso da ciência e da tecnologia

12.1.1.1.1. Promoção da imunização e do saneamento ambiental

12.1.2. Oswaldo Cruz

12.1.2.1. Peste, Varíola e Febre Amarela

12.1.2.1.1. Instituto Oswaldo Cruz

12.2. Teoria dos germes

12.2.1. Identificação dos agentes etiológicos

12.2.1.1. Expanção do campo de investigação

12.2.1.1.1. Ciclo dos parasitas

12.3. Epidemiologia nutricional

12.3.1. Escorbuto (deficiência de vit. C)

12.3.1.1. Lind

12.3.2. Beribéri (deficiência de vit. B1)

12.3.2.1. Takaki

12.3.3. Pelagra (deficiência de niacina)

12.3.3.1. Goldberger