Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
ROLAMENTOS por Mind Map: ROLAMENTOS

1. Tipos de Movimentos

1.1. Movimento Deslizante

1.2. Movimento Rolante

2. Carga Aplicada no Rolamento

2.1. Axial

2.1.1. Nas cargas axiais, a força aplicada no rolamento é na mesma direção de que o eixo

2.2. Radial

2.2.1. Já as cargas radiais, a força que é exercida sobre o rolamento é numa direção perpendicular ao eixo

2.3. Combinadas

2.3.1. E nas combinadas, como o próprio nome diz, é onde o rolamento suporta cargas axiais e radiais. Porém, se houver a falta de alguma força, pode ocorrer o mal funcionamento do rolamento, podendo chegar até o ponto de desmontá-lo

3. Para que a aplicação dos rolamentos seja correta, é necessário fazer a verificação de ajuste, folga e precisão

3.1. Ajuste: Para ter controle do ajuste, é necessário realizar medições de circularidade no eixo (com o micrômetro) e no alojamento (com o relógio comparador de diâmetros internos, súbito), assim é possível ter uma base das dimensões para conseguir analisar as condições dos componentes com o auxilio das tolerâncias

3.1.1. Tipos de ajustes: Com folga; interferente; incerto.

3.2. Folga: Após ter realizado as medições, com as tolerâncias em mãos (tabelas), de eixo e furo (alojamento) com as devidas restrições de aplicações e forças atuantes, calcula-se quais serão as dimensões máximas e mínimas tendo como base as medidas nominais. Assim, é possível ver se os resultados das medições realizadas no eixo e no alojamento estão entre as dimensões máximas e mínimas propostas pelas tolerâncias

3.3. Precisão: Este é um setor importante, pois segue normas como DIN e ISO que determinam o quanto cada rolamento pode ter de variações no anel interno e externo,determinando o nível da variação em classes de tolerâncias e tendo como base as medidas nominais.

4. Codificação

4.1. 1º Dígito: Tipo de rolamento, podendo ser classificado por números ou letras

4.2. Séries de dimensão, 2º e 3ª dígitos

4.2.1. 2º Dígito: Identificação da largura (Radiais) e altura (axiais).

4.2.2. 3º Dígito: Série de diâmetros, relacionado ao diâmetro externo do rolamento.

4.3. Diâmetro interno, anel interno, 4º e 5º dígitos

4.3.1. Para furos de até 9mm: o último dígito é o valor inteiro do anel interno

4.3.2. Para furos com 10mm, 12mm, 15mm e 17mm: Os números dos dois últimos dígitos serão respectivamente: 00, 01, 02 e 03

4.3.3. Para furos acima de 20mm: É necessário multiplicar o valor por 5, resultado será o valor do diametro do furo, exemplo: xxx04 = 20mm (04*5)

4.3.4. E para furos maiores que 480mm: Após aos dígitos de outras identificações adiona-se uma barra e o valor logo depois da barra será o valor inteiro do furo, exemplo: xxx/500 = 500mm

4.4. Prefixos e sufixos

4.4.1. São nomenclaturas que ajudam a designar as características adicionais dos rolamentos

4.4.1.1. Prefixos

4.4.1.1.1. São normalmente usados para identificar itens diferentes de sua composição e os componentes de um rolamento

4.4.1.2. Sufixos

4.4.1.2.1. São usados para identificar projetos, na qual são diferentes de seu projeto original

5. Tipos

5.1. Rolamento axial

5.1.1. Código: 80000

5.2. Rolamento Radial

5.2.1. Rolamento fixo de uma carreira de esferas

5.2.1.1. Código: 60000

5.2.2. Rolamento fixo de duas carreiras de esferas

5.2.2.1. Código: 40000

5.2.3. Rolamento fixo de uma carreira de esfera de contato angular

5.2.3.1. Código: 70000

5.2.4. Rolamento de rolo cilíndrico

5.2.4.1. Código: N (Podem ser usadas duas ou mais letras para identificar o número de carreiras ou a configuração dos flanges, por exemplo, NJ, NU, NUP, NN, NNU, NNCF, etc

5.2.5. Rolamento série EM, EW

5.2.5.1. Rolamento de Rolo Cilíndrico com gaiola de latão usinada.

5.2.6. Rolamentos autocompensadores de esferas

5.2.6.1. Código: 10000

5.2.7. Rolamentos autocompensadores de rolos

5.2.7.1. Código: 20000

5.2.8. Rolamento série EA

5.2.8.1. Rolamento autocompensador de rolos com gaiola de alta resistência. Código: 20000 EA

5.2.9. Rolamentos de rolos de agulhas

5.2.9.1. Código: NK, NA

5.2.10. Rolamento de rolo cônico

5.2.10.1. Código: T

6. Componentes básicos

6.1. Anel interno, esferas ou rolos, gaiola, anel externo, pista de rodagem (apoio dos elementos rolantes, esferas ou rolo, no anel interno e externo)

6.1.1. Componetes que podem ser adicionados: blindagem e vedação

6.1.1.1. Vedação: Pode trabalhar em altas rotações, consegue impedir a entrada de impurezas ou água, tem boa retenção de graxa.

6.1.1.1.1. Ambos trabalham com temperaturas de até 100ºC.

6.1.1.2. Blindagem: Tem uma ótima disponibilidade no mercado, não consegue impedir a entrada de impurezas tanto quanto as vedações, tem boa retenção de graxa

6.1.1.3. Códigos

6.1.1.3.1. Blindagem: Z ou ZZ, vai depender do rolamento, podendo ter blindagem um ou em dois lados do rolamento

6.1.1.3.2. Vedações: DDU (vedação com contato), DDW (vedação com contato mais leve), VV (vedação sem contato)

7. Instalação e Remoção

7.1. INSTALAÇÃO

7.1.1. Tipos de ferramentas usadas para instalação (cada um tem o seu papel em situações diferentes).

7.1.1.1. Aquecedor para a dilatação térmica do material

7.1.1.2. Prensa

7.1.1.3. Martelo e punção

7.1.2. FATORES ESSENCIAIS

7.1.2.1. Para que não ocorra um rompimento ou o desalinhamento do rolamento, é necessário que quando ocorra a instalação em algum eixo, em um dispositivo tubular ou em ambos, a parte de contato que será apoiada na ferramenta de instalação deve ser a mesma que entrará em contato com a outra face.

7.1.3. Na instalação, o rolamento deve estar alinhado com o mesmo ponto da linha de centro do eixo e do rolamento (anel interno ou anel externo)

7.2. REMOÇÃO

7.2.1. Tipos de ferramentas usadas para remoção (cada um tem o seu papel em situações diferentes).

7.2.1.1. Prensa

7.2.1.2. Extrator

7.2.2. Fatores essenciais

7.2.2.1. Seguindo a mesma linha de raciocínio da instalação, no ato de remover o rolamento é necessário que o anel que será usado como base para a remoção esteja em contato com a outra face. Portanto, seguindo esse raciocínio, não haverá perigo de ocorrer um rompimento ou desalinhamento do rolamento

8. O que são:

8.1. O rolamento é uma peça de transmissão mecânica que auxilia na rotação e locomoção de uma determinada carga.

8.2. pode fazer a transmissão de cargas em direções radiais ou axiais, e até fazer movimentos combinação das duas.

8.3. Ele ajuda a reduzir a fricção das peças móveis de uma máquina e suportar a sua carga.

9. Aplicações do rolamento

9.1. Em cargas leves e variáveis

9.1.1. Esteiras transportadoras

9.1.2. Rolamentos de caixa redutora com carga leve

9.2. Em cargas normais a pesadas

9.2.1. Motores elétricos

9.2.2. Turbinas

9.2.3. Bombas

9.2.4. Engrenagens

9.2.5. Máquinas de trabalho com madeira

9.3. Em cargas pesadas a cargas muito pesadas e cargas de choque em condições operacionais difíceis

9.3.1. Caixas de mancal de veículos ferroviários pesados

9.3.2. Motores de tração

9.3.3. Laminadores

9.3.4. Turbinas eólicas

10. Cuidados com o Rolamento

10.1. Armazenagem

10.1.1. Empilhar as caixas do rolamento firmemente e em pequeno numero de caixas

10.1.2. Manter embalagem original até o uso do mesmo

10.1.3. Cuidado no transporte

10.1.4. Realizar armazenamento dos rolamentos no ambiente de estocagem livre de impurezas, vibrações, pouca umidade e em temperatura ambiente.

10.2. Condição de trabalho

10.2.1. Diminuir as vibrações, em que o rolamento irá trabalhar

10.2.2. Evitar o falso brinelling (vibração de rolamentos que estão parados)

10.3. Ambiente Hostil

10.3.1. Impurezas

10.3.1.1. Relubrificar regularmente com lubrificante apropriado

10.3.1.2. Evitar contaminação direta

10.3.2. Umidade

10.3.2.1. Proteger os rolamentos de contato com a água para evitar corrosão e oxidação

10.3.3. Temperatura

10.3.3.1. Limitações de temperatura - Rolamentos de Esferas

10.3.3.1.1. Rolamentos Abertos

10.3.3.1.2. Rolamentos blindados (ZZ)

10.3.3.1.3. Rolamentos vedados (DDU e W)

11. ATRITO

11.1. Denomina-se a resistência que dois corpos em contato oferecem ao movimento

11.2. Estático

11.2.1. Ocorre quando a força aplicada não é suficiente para mover o objeto.

11.3. Dinâmico

11.3.1. É a força que surge em oposição ao movimento dos objetos que estão se movendo