Testagem e Avaliação Psicológica

Teorias e Técnicas de Avaliação Psicológica - Contexto Histórico

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Testagem e Avaliação Psicológica por Mind Map: Testagem e Avaliação Psicológica

1. Contexto Histórico

1.1. Localização

1.1.1. China

1.1.1.1. 2200 a.C.

1.1.1.1.1. Obtenção de empregos

1.1.2. Egito

1.1.2.1. Os sacerdotes Egípcios eram treinados em muito mais do que religião

1.1.3. Greco-Romanos

1.1.3.1. Primeiras tentativas de categorizar pessoas em termos de tipos de personalidade

1.2. Origem das Espécies (Charles Darwin)

1.2.1. Estimulou o interesse nas diferenças individuais

1.2.2. Despertou interesse em pesquisas sobre hereditariedade

1.2.2.1. Francis Galton

1.2.2.1.1. Mensuração

1.2.2.1.2. Avaliação

1.3. Século XIX

1.3.1. Mensuração de capacidades sensoriais, tempo de reação, etc

1.4. Sugestão que ensaios de testes mentais poderiam ser usados para medir processos mentais superiores

1.5. Século XX

1.5.1. Surgimento dos primeiros testes formais de inteligência

1.5.2. Da simples curiosidade do público começou a surgir o absoluto entusiasmo

1.5.3. Teste projetado para uso com jovens alunos em Paris

1.5.4. Mensuração da Inteligência

1.5.4.1. Teste de Binet

1.5.4.1.1. Iniciaria o movimento de testagem da inteligência e o movimento de testagem clínica

1.5.5. David Wechsler

1.5.5.1. Inteligência é a capacidade agregada ou global para agir intencionalmente, para pensar racionalmente e para lidar de modo eficaz com o meio ambiente

1.5.5.2. O teste de Wechsler foi revisado e renomeado de Escala de Inteligência Wechsler para Adultos (WAIS)

1.5.6. Testes de Inteligência Grupais

1.5.6.1. EUA

1.5.6.2. Resposta a necessidade dos militares para avaliar a capacidade intelectual

1.5.6.3. Adotada nas Guerras Mundiais

1.5.6.3.1. Após as guerras serviu de informação útil para serem trabalhados em população civil

1.5.7. Mensuração da personalidade

1.5.7.1. Críticas a Psicologia clínica

1.5.7.1.1. Era sinônimo de "testagem mental"

1.5.8. Robert S. WoodWorth

1.5.8.1. Desafio de desenvolver uma medida de ajustamento e estabilidade emocional

1.5.8.2. Desenvolveu um teste de personalidade para uso civil que era baseado na Folha de dados pessoais

1.5.8.2.1. Autorrelato

1.5.9. Método Projetivo

1.5.9.1. Indivíduo projeta em algum estímulo suas próprias necessidades, medos, esperanças e motivações

1.6. Pontos Importantes na fundamentação dos testes

1.6.1. Cultura e Avaliação

1.6.1.1. Demonstração de uma sensibilidade cada vez maior considerando as diversas questões culturais de cada indivíduo

1.6.1.2. Nem sempre foi respeitado o aspecto cultural

1.6.1.2.1. Imigrantes que fracassavam nos testes físicos ou em outros eram devolvidos a seus países de origem

1.6.1.3. Tentativa de isolar a variável cultural

1.6.1.3.1. Fazer testes específicos de acordo com cada cultura

1.6.1.4. A comunicação entre avaliador e avaliando é a parte mais básica da avaliação

1.6.1.5. Comunicação Verbal

1.6.1.5.1. Respeito por diferenças de idiomas e cuidado com os testes de acordo com o nível do idioma nativo daquele teste

1.6.1.6. Comunicação Não-Verbal

1.6.1.6.1. Atenção aos comportamentos não verbais durante os testes e avaliações

1.6.1.7. Padrão de Avaliação

1.6.1.7.1. De acordo com o avaliador pode ser que ocorra alguma influência no método de avaliação segundo o padrão de quem está avaliando

1.6.1.8. As diferenças culturais trazem com elas importantes implicações para a avaliação

1.6.2. Testes e os membros do grupo

1.6.2.1. Ocorre uma diferenciação no comportamento do indivíduo estando ele sozinho ou diferentes grupos durante o teste

1.6.2.2. Os aplicadores devem seguir determinações legais e éticas

1.6.3. Testes e política pública

1.6.3.1. Criação de ações afirmativas

1.6.3.1.1. As políticas podem estar de certa forma operando um favorecimento de indivíduos de um grupo sobre os indivíduos de outro grupo, por isso a necessidade das ações afirmativas