PROPIEDADES FÍSICO-QUÍMICO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
PROPIEDADES FÍSICO-QUÍMICO por Mind Map: PROPIEDADES FÍSICO-QUÍMICO

1. Como juntar TODOS estas Propriedades FíSicas-QUÍMICAS na PRÁTICA???

1.1. Antes da aplicação

1.1.1. Preparo da calda

1.1.2. Interpretação do I.A com a água utilizada na pulverização

1.1.3. Adjuvantes misturados à calda

1.1.4. Outros PC's misturados Á calda (Fertilizantes, Defensivos, etc)

1.2. Pesquisar isso antes de recomendar as aplicações. EX: clima...

2. Fotólise

2.1. É a Degradação pela LUZ

2.2. Luz atua: rompendo reações; catalisadora reações

2.3. Mensaurado em dias (DT50 a pH7,0)

2.3.1. <1,0

2.3.1.1. Rápido. Degradação pela luz rápida

2.3.2. <1,0 e 14

2.3.2.1. Moderadamente rápida

2.3.3. 14 - 30

2.3.3.1. Devagar

2.3.4. >30

2.3.4.1. Estável

2.4. Camada superficial do solo

2.5. Luz ultravioleta (290 a 450 nm)

2.6. Exemplo: Trifluralina X Diquat X Atrazina

2.6.1. Trifluralina

2.6.1.1. DT50

2.6.1.1.1. 0,4 dias

2.6.2. Diquat

2.6.2.1. DT50

2.6.2.1.1. 7 dias

2.6.3. Atrazina

2.6.3.1. DT50

2.6.3.1.1. 2,6 dias

3. Hidrólise

3.1. É a DEGRADAÇÃO do I.A pela ÁGUA

3.1.1. pH altos tem que tomar cuidado com hidrolise Alcalina.

3.2. Mensaruada em dias para MEIA-VIDA (DT50 à pH7 e 20°C)

3.2.1. <30 dias

3.2.1.1. Não persistente

3.2.2. 30 - 100

3.2.2.1. Moderadamente persistente

3.2.3. >365

3.2.3.1. 100 - 365

3.2.3.1.1. Persistente

3.2.3.2. Estável

3.3. É a subtituição de átomos por hidroxilas (OH-) de água

3.4. Herbicidas: Solos úmidos e T°C altas. SÃO MAIS PROBLEMÁTICOS

4. Coeficiente de Sorção

4.1. Kd

4.2. Koc

4.3. Indicam a afinidade do herbicida com a fase sólida do solo

4.4. Koc (mg/g)

4.4.1. <15

4.4.1.1. Intensidade muito baixa

4.4.1.1.1. Muito móvel

4.4.2. <=15 e <=75

4.4.2.1. Intensidade baixa

4.4.2.1.1. Móvel

4.4.3. >75 e <= 500

4.4.3.1. Intensidade moderada

4.4.3.1.1. Moderadamente móvel

4.4.4. >500 e <= 4000

4.4.4.1. Intensidade

4.4.4.1.1. Pouco móvel

4.4.5. >4000

4.4.5.1. Intensidade muito alta

4.4.5.1.1. Imóvel

4.5. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

4.5.1. Trifluralina

4.5.1.1. 15800 mg/g

4.5.1.1.1. Imóvel

4.5.2. Glifosato

4.5.2.1. 1424 mg/g

4.5.2.1.1. Pouco móvel

4.5.3. 2,4-D

4.5.3.1. 39 mg/g Móvel

4.5.3.1.1. Móvel

4.5.4. É mais desejável PRÉ Emergentes, PÓS é interessante que ele seja MAIS MÓVEL pois eu não quero que ele atrapalhe minha cultura sequente. EX 2,4-D

5. Coeficiente de Partição Octanol-Água - Kow

5.1. O quanto meu I.A tem de hidrofobicidade ou lipofilicidade. Quanto MAIOR Kow MAIOR a chance de FITOTOXIDEZ

5.2. Log Kow ou Log de P

5.2.1. < 1,0

5.2.1.1. Baixa lipofilicidade

5.2.2. >= 1,0 e <= 2,5

5.2.2.1. Adequada lipofilicidade

5.2.3. > 2,5

5.2.3.1. Alta lipofilicidade

5.3. Em relação a bioacumulação

5.3.1. <2,7

5.3.1.1. Baixa bioacumulação

5.3.2. >=2,7 e <= 3,0

5.3.2.1. Moderada bioacumulação

5.3.3. >3,0

5.3.3.1. Alta bioacumulação

5.4. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

5.4.1. Trifluralina

5.4.1.1. 5,27

5.4.2. Glifosato

5.4.2.1. -3,2

5.4.3. 2,4-D

5.4.3.1. -0,82

5.5. Exemplo2: Fungicidas Epoxiconazole X Ciproconazole X Tebuconazole (TRIAZOIS)

5.5.1. Epoxiconazole

5.5.1.1. 3,3

5.5.2. Ciproconazole

5.5.2.1. 3,09

5.5.3. Tebuconazole

5.5.3.1. 3,7

5.6. Se eu observar SOMENTE o meu Kow, essa característica/ propiedade será SUFICIENTE para indicar o meu potencial de fitotoxidade (Fungicida)???

5.6.1. Observar a SOLUBILIDADE. Se minha SOLUBILIDADE for BAIXA e meu Kow ALTO é aí que vem o RISCO!!!

5.7. EX: Benzovindiflupyr

5.7.1. Kow??

5.7.1.1. 4,3!!!

5.8. Apesar da solubilidade X Kow serem importantes para determinar o risco de FITOTOXIDADE do I.A, estas 2 características não são suficiente!!!

6. Constante de Dissociação Eletrolítica (pKa ou Pkb)

6.1. É o quanto que o I.A (Herbicida, Fungicida e Inseticida) ele se dissocia em relação ao pH do meio (solo, água do solo e principalmente de calda)

6.1.1. É o pH no qual o I.A estará 50% na forma dissociada e 50% na forma molecular.

6.1.2. Quanto ele está DISSOCIADO ele é mais FACILMENTE PERDIDO porque os íos estão soltos

6.1.3. Isso causa, Fitotocidez; DT50 menor; ligação c/ outros I.a na calda; volatilidade.

6.2. pKa

6.2.1. usado com os ácidos

6.3. Pkb

6.3.1. usado para as bases

6.4. Constante de Dissociação - pKa

6.4.1. < 3,0

6.4.1.1. Ácido forte

6.4.2. => 3,0 a <=9,0

6.4.2.1. Ácido Fraco

6.4.3. > 9,0

6.4.3.1. Ácido muito fraco

6.4.4. Ácido: Quanto maior for meu pH de calda, Mais dissociado o meu I.A poderá estar.

6.4.5. Quanto MENOR for meu pH de calda, MENOS DISSOCIADO o meu I.A poderá estar.

6.4.6. pH da CALDA deve estar ÁCIDA para que meu produto esteja na forma molecular e assim mais aproveitado

6.5. pKb

6.5.1. < 3,0

6.5.1.1. Base muito fraca

6.5.2. => 3,0 a <= 9,0

6.5.2.1. Base fraca

6.5.3. > 9,0

6.5.3.1. Base forte

6.5.4. Quanto MAIOR for meu pH de calda, MENOS DISSOCIADO o meu I.A estará

6.5.5. Quanto MENOR for meu pH de calda MAIS DISSOCIADO o meu I.A estará.

6.5.6. pH da Calda deve ser BÁSICO para que meu produto esteja na forma molecular e assim mais aproveitado

6.6. I.A.s não ionizáveis

6.6.1. Não-iônicos

6.6.1.1. Flumioxazim

6.6.2. Catiônicos

6.6.2.1. Paraquate

6.6.2.2. Diquat

6.7. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

6.7.1. Trifluralina

6.7.1.1. Não ionizável

6.7.2. Glifosato

6.7.2.1. Ácido forte

6.7.2.1.1. 2,34

6.7.3. 2,4-D

6.7.3.1. Ácido forte / Moderadamente forte

6.7.3.1.1. 3,40

7. Índice de lixiviação (GUS)

7.1. Quanto mais alto mais lixiviavel, quanto menor menos lixiviavel

7.1.1. <1,8

7.1.1.1. Baixa lixiviação

7.1.2. <=1,8 e <= 2,8

7.1.2.1. Moderada lixiviação

7.1.3. >2,8

7.1.3.1. Alta lixiviação

7.2. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

7.2.1. Trifluralina

7.2.1.1. 0,13

7.2.1.1.1. Baixa lixiviação

7.2.2. Glifosato

7.2.2.1. -0,29

7.2.2.1.1. Baixa lixiviação

7.2.3. 2,4-D

7.2.3.1. 3,82

7.2.3.1.1. Alta lixiviação

7.3. NÃO posso COMPARA-LO SOZINHO!

8. Tempo de Meia-Vida (DT50 ou T1/2)

8.1. É o tempo que leva para 50% da massa de moléculas do I.A ser degradada

8.1.1. DT50 (dias)

8.1.1.1. <= 30

8.1.1.1.1. Não-persistente

8.1.1.2. >30 e <= 100

8.1.1.2.1. Moderadamente persistente

8.1.1.3. >100 e <= 365 diaas

8.1.1.3.1. Persistente

8.1.1.4. >365 dias

8.1.1.4.1. Muito Persistente

8.2. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

8.2.1. Trifluralina

8.2.1.1. ~ 170 dias

8.2.1.1.1. Persistente

8.2.2. Glifosato

8.2.2.1. ~ 24 dias

8.2.2.1.1. Não persistente

8.2.3. 2,4-D

8.2.3.1. ~ 29 dias

8.2.3.1.1. Não persistente

8.3. É variável à, pH de solo; T°C.

8.4. DIRETAMENTE CORRELACIONADO com o Carry-Over

9. Henry's Law

9.1. Relação de PV e Solubilidade

9.1.1. KH = PV / S

9.1.1.1. < 0,1

9.1.1.1.1. Não-volátil

9.1.1.2. 0,1 a 100

9.1.1.2.1. Moderadamente volátil

9.1.1.3. > 100

9.1.1.3.1. Volátil

9.2. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

9.2.1. Trifluralina

9.2.1.1. 10,2 Pa m3 mol-1

9.2.1.1.1. Moderadamente volátil

9.2.1.2. Tomar MAIS CUIDADO com VOLATILIZAÇÃO com a TRIFLURALINA

9.2.1.3. Tomar CUIDADO com as PERDAS e USAR ADJUVANTE

9.2.2. Glifosato

9.2.2.1. 2,1 X 10^-7

9.2.2.1.1. Não volátil

9.2.3. 2,4-D

9.2.3.1. 4,0 X 10^-6

9.2.3.1.1. Não volátil

10. Propriedades físico-químicas

10.1. Solubilidade em água (S)

10.2. Pressão de vapor (PV)

10.3. Constante de Henrry (Kh)

10.4. Constante de Dissociação Eletrolítica (pKa ou Pkb)

10.5. Coeficiente de partição octanol-água (Kow)

10.6. Constante de sorção na fração mineral do solo (Kd)

10.7. Constante de sorção normalizado para o teor de carbono orgânico (Koc)

10.8. Fotólise

10.9. Hidrólise

10.10. Potencial de volatilização (Kh)

10.11. Potencial de persistência no solo (DT50 ou T1/2)

10.12. Potencial de lixiviação (Índice GUS)

11. Por que falar de propriedades físico-químicas

11.1. Plantio direto BEM FEITO

11.1.1. Manutenção de palhada

11.2. Plantio direto MAL FEITO

11.2.1. Manutenção de palhada mal feita

11.3. Plantio convencional

11.4. 1° HERBICIDAS

11.5. 2° FUNGICIDAS

11.6. 3° INSETICIDAS

11.7. 4° MISTURAS EM TANQUE

11.8. Dinâmica do flumioxazim

11.8.1. Pka

11.8.1.1. Sem dissociação

11.8.2. Solubilidade

11.8.2.1. 0,786 mg/L

11.8.3. Constante de Henrry

11.8.3.1. 0,145

11.8.4. DT50

11.8.4.1. ~18 dias

11.8.5. Fotólise

11.8.5.1. 1 dia

11.8.6. Hidrólise

11.8.6.1. 15 a 20 min em pH 9,0

11.9. As carac. Físico-Químicas dos I.A são INERENTES a eles!!!!

12. Solubilidade em água (S)

12.1. O quanto ele é solúvel em água

12.1.1. S (mg/L)

12.1.1.1. =< 50

12.1.1.1.1. Baixa

12.1.1.2. >50 e <=500

12.1.1.2.1. Moderada

12.1.1.3. >500

12.1.1.3.1. Alta

12.2. Os defensivos MENOS SOLÚVEIS GERALMENTE são apresentados como SUSPENSÕES

12.3. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

12.3.1. Trifluralina

12.3.1.1. 0,221 mg/L

12.3.1.1.1. Baixa

12.3.2. Glifosato

12.3.2.1. 10500 mg/L

12.3.2.1.1. Alta

12.3.3. 2,4-D

12.3.3.1. 24300 mg/L

12.3.3.1.1. Alta

12.4. TESTE da GARRAFA

13. Pressão de Vapor (PV)

13.1. Quando as velocidades de evaporação e condensação são iguais, a composição das 2 fases é constante e a PRESSÃO DO SISTEMA denomina-se Pressão de Vapor de saturação.

13.1.1. PV (mPa) (milliPascal) a 20°C

13.1.1.1. <5,0

13.1.1.1.1. Baixa volatilidade

13.1.1.2. 5,0 a 10,0

13.1.1.2.1. Moderadamente volátil

13.1.1.3. >10,0

13.1.1.3.1. Altamente volátil

13.2. Exemplo: Trifluralina X Glifosato X 2,4-D

13.2.1. Trifluralina

13.2.1.1. 9,5 mPa

13.2.1.1.1. Moderadamente volátil

13.2.2. Glifosato

13.2.2.1. 0,0131 mPa

13.2.2.1.1. Baixa volatilidade

13.2.3. 2,4-D

13.2.3.1. 0,009 mPa

13.2.3.1.1. Baixa volatilidade

13.3. Quer dizer NECESSARIAMENTE que o Glifosato será MAIS VOLÁTIL que o 2,4-D?

13.3.1. NÃAAAAO!!!!!

13.3.2. Pois tenho que relacionar a PRESSÃO DE VAPOR com a SOLUBILIDADE