REGULAÇÃO HORMONAL SISTEMA RENAL

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
REGULAÇÃO HORMONAL SISTEMA RENAL por Mind Map: REGULAÇÃO HORMONAL SISTEMA RENAL

1. HORMÔNIO ANTIDIURÉRTICO (ADH)

1.1. HORMÔNIO ANTIDIURÉTICO, TAMBÉM CONHECIDO COMO VASOPRESSINA

1.2. PRINCIPAL REGULADOR DO EQUILÍBRIO HÍDRICO NO ORGANISMO

1.3. É SECRETADO PELA NEURO-HIPÓFISE

1.3.1. PORÉM É PRODUZIDO NO HIPOTÁLAMO

1.3.1.1. O HIPOTÁLAMO PRODUZ O ADH POR MEIO DOS NÚCLEOS PARAVENTRICULAR E SUPRAÓPTICO

1.3.1.1.1. EM SEGUIDA POR MEIO DE TRANSPORTE AXONAL, O ADH É LEVADO ATÉ A NEURO-HIPÓFISE

1.3.2. A NEURO-HIPÓFISE NÃO REALIZA PRODUÇÃO DE HORMÔNIOS, APENAS ARMAZENA E SECRETA

1.3.2.1. O ADH QUANDO SECRETADO ATUA DIRETAMENTE NO ORGANISMO, SENDO UM HORMÔNIO FINAL

1.4. INIBE A DIURESE

1.4.1. A INIBIÇÃO DA DIURESE FAZ COM QUE UMA MENOR QUANTIDADE DE LÍQUIDO SEJA EXCRETADA

1.4.1.1. AUMENTA A QUANTIDADE DE LÍQUIDO NO ORGANISMO

1.5. FUNÇÕES

1.5.1. VASOCONSTRIÇÃO DOS VASOS

1.5.1.1. O ADH ATUA EM RECEPTORES V1A, PRESENTES NOS VASOS

1.5.2. EFEITO ANTIDIURÉTICO

1.5.2.1. O ADH ATUA EM RECEPTORES V2 PRESENTES NOS TÚBULOS RENAIS, ESPECIFICAMENTE NOS TÚBULOS DISTAL FINAL E COLETOR

1.6. ESTÍMULOS QUE REGULAM A SECREÇÃO DE ADH

1.6.1. CONCENTRAÇÃO OSMÓTICA

1.6.1.1. QUANDO OCORRE UM AUMENTO DA OSMOLARIDADE DO PLASMA

1.6.1.1.1. OSMORRECEPTORES PERCEBEM ESSA ALTERAÇÃO E ESTIMULAM O HIPOTÁLAMO A PRODUZIR O ADH PARA CORRIGIR TAL ALTERAÇÃO

1.6.2. REDUÇÃO DA P.A

1.6.2.1. QUANDO OCORRE REDUÇÃO DA P.A

1.6.2.1.1. SENSORES LOCALIZADOS NO SEIO CAROTÍDEO PERCEBEM A REDUÇÃO E ENVIAM SINAIS AO HIPOTÁLAMO PARA QUE HAJA LIBERAÇÃO DE ADH, AUMENTANDO A PRESSÃO ATÉ QUE ESTEJA REGULARIZADA

1.6.3. REDUÇÃO DA VOLEMIA

1.6.3.1. QUANDO OCORRE REDUÇÃO DO VOLUME SANGUÍNEO

1.6.3.1.1. OS RECEPTORES NÃO SÃO ESTIRADOS DEVIDO A UM VOLUME ABAIXO DO NORMAL E OCORRE UM GRANDE AUMENTO DA SECREÇÃO DE ADH PARA CONTROLAR A VOLEMIA

1.7. SÍNDROME INAPROPIADA DE ADH

1.7.1. OCORRE PELO EXCESSO DE ADH

1.8. DIABETES INSIPIDUS

1.8.1. OCORRE PELA FALTA DE ADH

2. ERITROPOETINA (EPO)

2.1. O RIM É O PRINCIPAL ÓRGÃO PRODUTOR DE EPO

2.1.1. NORMALMENTE CERCA DE 90%DA EPO É PRODUZIDA NOS RINS E 10% NO FÍGADO

2.1.2. O FATOR PRIMORDIAL NO CONTROLE DA PRODUÇÃO DA ERITROPOETINA É A QUANTIDADE DE OXIGÊNIO DISPONÍVEL

2.1.2.1. É PRODUZIDA EM RESPOSTA À UMA HIPÓXIA TECIDUAL (NÍVEL REDUZIDO DE OXIGÊNIO NOS TECIDOS CELULARES)

2.1.2.1.1. A HIPÓXIA TENDE A INCREMENTAR A PRODUÇÃO DE EPO ENDÓGENA (ORGÂNICO), CONSEQUENTEMENTE ESTIMULANDO A ERITROPOIESE

2.1.3. OBS: NO DESENVOLVIMENTO FETAL A PRODUÇÃO DE ERITROPOETINA OCORRE NO FÍGADO. MAS ANTES DO NASCIMENTO PASSAR A SER NOS RINS

2.2. É UM HORMÔNIO GLICOPROTEICO

2.2.1. CONTÉM APROXIMADAMENTE 30% DE CARBOIDRATOS, SENDO 11% DE ÁCIDO SIÁLICO, 11% DE HEXOSE E 8% DE AMINO-ACETILGLICOSAMINA

2.3. ATUA COMO FATOR HORMONAL DE ESTIMULAÇÃO MITÓTICA E DE DIFERENCIAÇÃO CELULAR, ELEVANDO A PRODUÇÃO DAS HEMÁCIAS

2.4. INDICADA PARA AUXILIAR NO TRATAMENTO DA ANEMIA ASSOCIADA À INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA, BEM COMO PARA PACIENTES EM DIÁLISE

2.4.1. ELA TEM FUNÇÃO DE AUMENTAR O NÍVEL DE CÉLULAS VERMELHAS NO SANGUE A FIM DE REDUZIR A QUANTIDADE DE TRANSFUSÕES SANGUÍNEAS NOS PACIENTES

3. PEPTÍDEO NATRIURIÉTICO ATRIAL (PNA)

3.1. É UM HORMÔNIO PRODUZIDO EM CÉLULAS ESPECIALIZADAS DO MIOCÁRDIO, LOCALIZADAS PRINCIPALMENTE NO ÁTRIO CARDÍACO

3.1.1. LIBERADO PELO CORAÇÃO QUANDO AS CÉLULAS MIOCÁRDICAS SE ESTIRAM MAIS QUE O NORMAL

3.2. ESTIMULA A DILATAÇÃO DAS ARTERÍOLAS RENAIS AFERENTES E A CONSTRIÇÃO DAS EFERENTES, PROVOCANDO UM AUMENTO DE PRESSÃO NOS CAPILARES GLOMERULARES

3.2.1. ESSA PRESSÃO MAIS ELEVADA PROMOVE AUMENTO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR

3.3. É A MOLÉCULA SINALIZADORA MAIS IMPORTANTE NA FISIOLOGIA NORMAL

3.3.1. REDUZ DIRETAMENTE A REABSORÇÃO DE SÓDIO NO DUCTO COLETOR

3.3.2. TAMBÉM ATUAEM PARA AUMENTAR A EXCREÇÃO DE SÓDIO E ÁGUA ATRAVÉS DA INIBIÇÃO DA LIBERAÇÃO DE RENINA, ALDOSTERONA E VASOPRESSINA

3.3.2.1. AÇÕES QUE REFORÇAM O EFEITO NATRIURÉTICO DIRETO