Martin Luther King Jr.

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Martin Luther King Jr. por Mind Map: Martin Luther King Jr.

1. Quem é

1.1. Nasceu em 1929

1.1.1. EUA, Virginia

1.1.2. Filho de um Pastor da Igreja Baptista Americana

1.2. Morreu em 1968

1.2.1. Foi assassinado devido ao seu ativismo

1.3. Formou-se em Teologia na Universidade de Boston

1.4. Tornou-se Pastor em 1954, no Alabama

2. O que fez

2.1. Ativista Norte Americano contra a segregação social e racial

2.1.1. Iniciou o seu ativismo em 1955

2.1.2. Foi preso em 1955 por ativismo contra uma empresa de transportes que obrigava todos os Não-Brancos a cederem os lugares a brancos e ficarem em pé nos transportes

2.1.3. O famoso diretor do FBI - J. Edgar Hoover - considerou Martin Luther King um radical, passando a ser tratado como um terrorista a partir de 1963. Foi alvo de tentativas de incriminação do FBI como tendo laços comunistas (na altura da Guerra fria com a Russia)

2.1.4. Nesta altura Martin Luther King alargou a sua luta e as manifestações organizadas para além dos temas raciais, passando a abordar temas sociais mais abrangentes

2.1.4.1. Combate à pobreza

2.1.4.2. Combate ao Capitalismo

2.1.4.3. Contra a Guerra do Vietname

2.1.5. Antes de ser assassinado, em 1968, planeava uma manifestação pacífica gigante em Washington chamada "A marcha dos pobres sobre Washington" - que o Governo americano considerou ser uma ocupação ilegal da Capital - que envolvia pessoas vindas de todos os EUA, para lutar pela justiça económica para todos, independentemente da raça

2.1.5.1. Era uma manifestação multi-racial que envolvia:

2.1.5.2. Afro-americanos

2.1.5.3. Americanos brancos

2.1.5.4. Asio-americanos

2.1.5.5. Hispânicos

2.1.5.6. Nativo-americanos ("Índios")

2.1.6. O seu assassinato deu origem a confrontos violentos em muitas cidades americanas.

2.1.6.1. Muitos anos mais tarde a história repetiu-se com o movimento Black Lives Matter no seguimento de mais uma morte racial

2.2. Lutava contra a discriminação racial, utilizando métodos pacíficos,

2.2.1. Inspirou-se em Mahatma Gandhi (outro prémio Nobel da Paz)

2.2.2. e na Teoria da Desobediência Civil de Henry David Thoreau (a mesma teoria que inspirou Nelson Mandela na luta contra o Apartheid na Africa do Sul)

2.2.3. Era Defensor da mudança social não violenta

2.3. Foi líder dos movimentos pelos direitos civis dos negros nos EUA

2.3.1. Organizou demonstrações massivas não-violentas para chamar a atenção contra a discriminação racial

2.3.2. Lutava pelo reconhecimento dos direitos civis de todos os não brancos na legislação norte-americana

2.3.2.1. Direito ao voto

2.3.2.2. Eliminação das leis de segregação racial

2.3.2.3. Direitos do trabalho

3. Os seus Momentos chave

3.1. Ganhou o Prémio Nobel da Paz em 1964

3.1.1. Pela luta não violenta pela igualdade dos homens, independentemente da cor da pele

3.1.2. Inspira ainda hoje movimentos como o Black Lives Matter

3.1.3. O tema das injustiças raciais continua a estar muito presente nos EUA e em todo o mundo

3.2. Em 1963 houve a famosa manifestação em Washington DC,

3.2.1. Com +250.000 manifestantes

3.2.2. Proferiu o seu Famoso Discurso "Eu Tenho Um Sonho":

3.2.2.1. "Estou feliz por estar aqui hoje com vocês num evento que entrará para a história como a maior demonstração pela liberdade na história do nosso país." (...)

3.2.2.2. "Digo-lhes hoje, meus amigos, que, apesar das dificuldades e frustrações do momento, eu ainda tenho um sonho." (...)

3.2.2.3. "Eu tenho um sonho que um dia essa nação levantar-se-á e viverá o verdadeiro significado da sua crença: "Consideramos como verdades auto-evidentes que todos os homens são criados iguais." (...)

3.2.2.4. "Eu tenho um sonho que um dia, (...), os filhos dos descendentes de escravos e os filhos dos descendentes de donos de escravos poderão sentar-se juntos à mesa da fraternidade."

3.2.2.5. "Eu tenho um sonho que um dia mesmo o estado do Mississippi, um estado desértico sufocado pelo calor da injustiça, e sufocado pelo calor da opressão, será transformado num oásis de liberdade e justiça."

3.2.2.6. "Eu tenho um sonho que os meus quatro filhos um dia viverão em uma nação onde não serão julgados pela cor da pele, mas pelo conteúdo do seu caráter. Eu tenho um sonho hoje."

3.2.2.7. "Eu tenho um sonho que um dia, mesmo o estado do Alabama, com seus racistas cruéis, cujo governador cospe palavras de "interposição" e "anulação", os meninos negros e meninas negras possam dar as mãos com meninos brancos e meninas brancas, como irmãs e irmãos. Eu tenho um sonho hoje."

3.2.2.8. "Eu tenho um sonho que um dia "todos os vales serão elevados, todas as montanhas e encostas serão niveladas; os lugares mais acidentados se tornarão planícies e os lugares tortuosos se tornarão retos e a glória do Senhor será revelada e todos os seres a verão conjuntamente"

3.2.2.9. Essa é a nossa esperança. Essa é a fé com a qual eu regresso ao Sul. Com essa fé nós poderemos esculpir na montanha do desespero uma pedra de esperança. (...)

3.2.2.10. Com essa fé poderemos trabalhar juntos, rezar juntos, lutar juntos, ser presos juntos, defender a liberdade juntos, sabendo que um dia haveremos de ser livres. Esse será o dia, esse será o dia quando todos os filhos de Deus poderão cantar com um novo significado:

3.2.2.11. Meu país é teu, doce terra da liberdade, de ti eu canto.

3.2.2.12. Terra onde morreram meus pais, terra do orgulho dos peregrinos, que de cada lado das montanhas ressoe a liberdade! (...)

3.2.2.13. E quando isso acontecer, quando permitirmos que a liberdade ressoe, quando a deixarmos ressoar de cada vila e cada lugar, de cada estado e cada cidade, seremos capazes de fazer chegar mais rápido o dia em que todos os filhos de Deus, negros e brancos, judeus e gentios, protestantes e católicos, poderão dar-se as mãos e cantar (...):

3.2.2.14. Finalmente livres! Finalmente livres!

3.2.2.15. Graças a Deus Todo Poderoso, somos livres, finalmente."

3.2.3. Tornou-se notícia a nível mundial

3.3. Após a sua morte várias acções foram tomadas para lembrar a importância do seu activismo

3.3.1. Foi-lhe atribuída a Medalha Presidencial da Liberdade e a Medalha de Ouro do Congresso Americano

3.3.2. O aniversário da sua morte foi considerado Feriado Nacional - Martin Luther King Day - para lembrar a importância da luta pela igualdade e pelos direitos civis.

3.3.3. Fio dado o seu nome a centenas de Ruas, por todos os EUA e em Washington um condado passou a ter o seu nome

3.3.4. Foi criado o Martin Luther King Memorial em Washington

3.3.5. Tornou-se uma figura mítica, a nível mundial no combate à injustiça racial e direitos civis para todos