FIOS DE SUTURA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
FIOS DE SUTURA por Mind Map: FIOS DE SUTURA

1. COMPOSIÇÃO

1.1. MATERIAL NATURAL

1.1.1. Materiais de ocorrência natural estão mais associados a reações inflamatórias dentro dos tecidos e sua absorção pode ser variável

1.1.1.1. SEDA

1.1.1.2. CATEGUTE

1.1.1.3. ALGODÃO

1.2. FIBRA SINTÉTICA

1.2.1. Materiais sintéticos em geral são polímeros químicos e suas características de absorção normalmente são mais previsíveis.

1.2.1.1. ÁCIDO POLIGLICOICO

1.2.1.2. POLIAMIDA

1.2.1.3. POLIPROPILENO

1.2.1.4. AÇO

1.2.1.5. POLIGLECRAPONA

1.2.1.6. POLIGLICONATO

1.2.1.7. POLIGLACTINA 910

2. PERSISTÊNCIA

2.1. ABSORVÍVEL

2.1.1. Utilizados nas suturas em que o fio não deve permanecer por longos períodos, como nas vísceras por exemplo, pois sua absorção varia de 1 a 3 meses

2.1.1.1. CATEGUTE (SIMPLES E CROMADO)

2.1.1.2. POLIGLACTINA 910 (VRICRIL)

2.1.1.3. ÁCIDO POLIGLICOICO (DEXON)

2.1.1.4. POLIGLECRAPONA (MONOCRIL)

2.1.1.5. POLIGLICONATO (MAXON)

2.2. NÃO ABSORVÍVEL

2.2.1. Tem como principal característica a elasticidade e a resistência à água. Atua na cicatrização de ferimentos leves, evitando que o machucado fique exposto a infecções.

2.2.1.1. POLIAMIDA (MONONYLON)

2.2.1.2. ALGODÃO

2.2.1.3. SEDA

2.2.1.4. POLIPROPILENO (PROLENO)

2.2.1.5. AÇO (ACIFLEX)

3. ESTRUTURA

3.1. MULTIFILAMENTAR

3.1.1. Compostos de vários filamentos, que são torcidos ou trançados juntos. Esses materiais são menos rígidos para manusear, mas têm coeficiente de atrito mais alto. É normal que tenham resistência à tensão mais alta, maleabilidade e flexibilidade melhores e manuseio e segurança de nó melhores

3.1.1.1. CATEGUTE

3.1.1.2. FIOS DE COLÁGENO

3.1.1.3. ÁCIDO POLIGLICÓICO

3.1.1.4. POLIGLACTINA 910

3.1.1.5. POLIAMIDA (NORULON)

3.2. MONOFILAMENTAR

3.2.1. Fabricados a partir de um filamento único. Essa estrutura possibilita que o fio de sutura passe através dos tecidos com menos resistência e é até certo ponto mais resistente à colonização bacteriana

3.2.1.1. POLIGLECRAPRONA 25

3.2.1.2. POLIGLICONATO

3.2.1.3. POLIAMIDA (MONONYLON)

3.2.1.4. POLIPROPILENO

3.2.1.5. AÇO (ACIFLEX)

4. OUTROS FATORES

4.1. ELASTICIDADE

4.1.1. A elasticidade diz respeito à possibilidade de retorno à posição inicial após a sutura ter sido estirada. O Efeito de elástico é o que permite manter a tensão da sutura em áreas de variações de volume (edema). A tensão dos nós é a força necessária para um nó deslizar, sendo de especial importância na laqueação arterial.

4.1.1.1. SEDA

4.1.1.1.1. FLEXÍVEL

4.1.1.2. ALGODÃO

4.1.1.2.1. FLEXÍVEL

4.1.1.3. POLIAMIDA

4.1.1.3.1. RÍGIDA

4.1.1.4. FIOS DE COLÁGENO

4.1.1.4.1. FLEXÍVEL

4.1.1.5. CATEGUTE

4.1.1.5.1. FLEXÍVEL

4.1.1.6. POLIPROPILENO

4.1.1.6.1. RÍGIDO

4.1.1.7. ÁÇO INOXIDÁVEL

4.1.1.7.1. RÍGIDO

4.1.1.8. POLIGLECRAPRONA

4.1.1.8.1. RÍGIDA

4.1.1.9. POLIGLACTINA 910

4.1.1.9.1. RÍGIDO