PLANETAS FRIOS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
PLANETAS FRIOS por Mind Map: PLANETAS FRIOS

1. MARTE

1.1. Marte é o quarto planeta mais próximo do Sol e o segundo menor planeta do sistema solar, depois de Mercúrio, sendo consideravelmente menor que o planeta Terra.

1.2. Apresenta uma coloração avermelhada, pela presença de óxido de ferro na sua superfície. Por isso, recebeu o nome de Marte, em homenagem ao deus romano da guerra.

1.3. Possui duas pequenas luas de formato irregular: Fobos (medo) e Deimos (pânico). Seus nomes derivam da mitologia grega e representam os filhos de Ares (Marte) e Afrodite (Vênus).

1.4. Marte é um dos planetas mais estudados do sistema solar. Podendo ser visto da Terra a olho nu, ou seja, sem auxílio de um telescópio.

1.5. A duração do dia em Marte aproxima-se do planeta Terra, com 24 horas e 37 minutos, embora o ano marciano tenha duração de 687 dias terrestres.

1.6. Marte é um planeta muito frio, árido e rochoso. A sua temperatura máxima é de aproximadamente 25°C, com uma média de -60°C, a qual pode chegar até cerca de -140°C durante à noite.

1.7. Sendo um planeta terrestre (rochoso), suas camadas são compostas por atmosfera, crosta, manto e núcleo. A maioria das rochas na superfície é formada por basalto.

1.8. Sua atmosfera é muito fina e é composta essencialmente de gás carbônico, embora exista em menor quantidade o nitrogênio, oxigênio, argônio, dentre outros gases.

2. JÚPTER

2.1. Área da superfície: 6.14x1010 km2

2.2. Massa: 1.899x1027 kg

2.3. Distância do Sol: 778.330.000 km

2.4. Satélites naturais: estima-se que Júpiter tenha entre 60 e 70 satélites conhecidos. Quatro foram apelidados de Luas Galileanas, pois foram descobertas, em 1610, por Galileu Galilei. Ganímedes, Calisto, Io e Europa são seus nomes. A primeira é um pouco maior que Mercúrio, e as outras três são semelhantes à nossa Lua.

2.5. Período de rotação: aproximadamente 10 horas

2.6. Período de translação: aproximadamente 12 anos

2.7. Temperatura média: -121,1 °C

2.8. Composição atmosférica: a atmosfera de Júpiter é composta, basicamente, por dois gases: 86% de hidrogênio e 14% de hélio. Há, de forma ínfima, a presença de metano, amoníaco, vapor d’água e sulfureto de hidrogênio.

2.9. Dentre as características visíveis, podemos destacar as nuvens coloridas que pairam na superfície. Tal coloração é resultado da composição atmosférica (hidrogênio e hélio) e das intensas tempestades que ocorrem, com ventos de até 600 km/hora. A nuvem mais famosa foi apelidada de Mancha Vermelha, tão grande que é capaz de encobrir toda a Terra.

2.10. Essas tempestades são comuns em Júpiter devido a ele ser um planeta gasoso e ter a atmosfera com grande quantidade de hidrogênio. Estudos apontam que algumas tempestades duram horas, outras podem durar séculos, sendo fatais para os seres humanos.

3. SATURNO

3.1. 1-Saturno é o planeta menos denso do Sistema Solar 8 curiosidades sobre o senhor dos anéis, mais conhecido como saturno Sobretudo, a densidade de saturno chega a ser em média 30% menor que a da água. Inclusive, alguns físicos acreditam que por conta da densidade de saturno ser tão baixa daria até pra fazer o planeta boiar em uma piscina cheia d’água. Porém, vale ressaltar que isso é só um exemplo sem comprovações.

3.2. 2-O planeta tem um formato achatado Sobretudo, por conta do planeta girar tão rápido em seu eixo, ele acaba por assumir o formato de esferoide oblato. Aliás, ele não possui uma superfície definida. Porém, é constatado que ele tem uma aparência mais achatada nos polos e é convexo na região do equador. Inclusive, o raio do equador e dos polos tem diferença de quase 10%. Enquanto a distância do centro para os polos é de 54 mil quilômetros. E já entre o centro e o equador ela chega a mais de 60 mil quilômetros. Ou seja, a região equatorial é mais distante do centro do que os polos do planeta.

3.3. 3- Apenas quatro espaçonaves “visitaram” Saturno até hoje Primeiramente, foi em 1979 com a nave Pioneer 11. Logo depois, foi a nave Voyager 1 e 2 que em 1980 voou próximo de saturno, e ainda conseguiu estudar sobre várias de suas luas. Já a terceira ocorreu somente em 2004, e foi com a nave Cassini, a qual foi inserida na órbita do planeta. Assim sendo, a nave Cassini após ser inserida na órbita ela liberou a sonda Huygens na lua Titã em 2005. Inclusive, ela conseguiu enviar uma série de dados durante a descida atmosférica logo depois que houve o pouso no satélite natural. Sobretudo, vale destacar que essa viagem de 2004 foi responsável por enviar várias imagens do planeta. Além do mais, os estudos dessa viagem ainda ajudam os pesquisadores a fazerem suas observações sobre as luas de saturno e o seu sistema de anéis. E por fim, a última viagem ocorreu em 2017, também com a nave Cassini. Vale destacar que possivelmente eles tenham finalizado sua missão.

3.4. 4- Saturno tem 62 luas Primeiramente, vale destacar que o primeiro que possui mais luas é o planeta Júpiter, o qual contém 67 luas. Porém, o planeta saturno é o segundo que contém mais luas, com 62 satélites naturais. Inclusive, alguns de seus satélites são bem grandes, como o Titã e já outras são bem pequenas, com poucos quilômetros de diâmetro. Sobretudo, o Titã é a segunda maior lua do Sistema Solar. Além de ser o lugar mais provável para a existência de vida nas redondezas. Assim sendo, vale destacar que nem todas as luas possuem um nome oficial. Até porque algumas foram descobertas nos últimos anos.

3.5. 5- A “idade” dos anéis de Saturno ainda é um mistério Primeiramente, vale destacar que a origem dos anéis ainda não possui uma resposta definida. Inclusive, alguns cientistas afirmam que podem ter sido formados quando uma lua de gelo de 300 quilômetros foi despedaçada pela gravidade de Saturno. Outros já acreditam que elas podem ter sido originadas por conta das “sobras” de quando o planeta foi formado, as quais foram atraídas pela gravidade. Além do mais, alguns acreditam que os corpos de gelo que formam os anéis podem ter sido atraídos do Cinturão de Kuiper. Sobretudo, existem duas possibilidades sobre a idade dos anéis de saturno. Basicamente, a primeira teoria é de que eles podem existir desde o nascimento do nosso Sistema Solar. Ou seja, há mais de 4.54 bilhões de anos, que são relativamente “jovens” se comparar com a idade do planeta. Já a segunda teoria é que os anéis podem ter se formado há mais de 100 milhões de anos. Ou seja, depois dos dinossauros na Terra. Porém, ainda não constatações sobre o período certo. Por isso, ainda é considerada como um mistério.

3.6. 6- E os anéis “somem” em alguns momentos A priori, eles não somem, como uma mágica. Mas, na nossa percepção em alguns momentos eles deixam de ser visíveis. Basicamente, o saturno enquanto faz sua viagem de 30 anos ao redor do Sol ele modifica suas posições. Inclusive, essas posições são perceptíveis. Tanto é que já se sabe que seu eixo assim como na Terra também é mais inclinado. Sobretudo, levando em consideração o nosso ponto de vista, os anéis do planeta as vezes ficam perceptíveis, e outras vezes não ficam perceptíveis. Vale ressaltar que esse fenômeno ocorreu entre os anos 2008 e 2009. Inclusive, é previsto para ocorrer novamente em 2024.

3.7. 7- O planeta pode ser visto da Terra Como já dissemos, em alguns momentos nós conseguimos enxergar de acordo com o nosso ponto de vista. Portanto, se o planeta Saturno estiver posicionado no céu à noite você pode identificá-lo pelo telescópio. Assim sendo, você poderá tentar identificar qual “brilho” entre as estrelas corresponde ao planeta. Vale ressaltar que cinco planetas podem ser apontados no céu e vistos a olho nu em certos períodos. Como por exemplo, Mercúrio, Marte, Vênus, Júpiter e Saturno.

3.8. 8- A duração de um dia no planeta foi descoberta há pouco tempo Exatamente, até porque como Saturno não possui uma superfície sólida, se torna um pouco mais difícil determinar a sua velocidade de rotação. Até porque, ele não é como o Mercúrio, por exemplo. Em que os astrônomos conseguiram observar uma cratera do planeta e ver quanto tempo demoraria para surgir novamente no telescópio. Sobretudo, alguns cientistas conseguiram descobrir recentemente que a partir do campo magnético, se torna possível medir a rotação. Portanto, com a Cassini eles conseguiram registrar que um giro completo dura em média 10 horas, 32 minutos e 35 segundos.

4. NETUNO

4.1. Netuno é o oitavo planeta a partir do Sol. É um gigante gasoso, bem como Júpiter, Saturno e Urano. Está distante 4,5 bilhões de quilômetros do Sol e demora 156 anos terrestres para completar uma órbita. Foi descoberto em 1846 e recebeu o nome do deus romano do mar.

4.2. A comunidade científica denomina os planetas com nomes da mitologia greco-romana. O planeta demora 16 horas terrestres para completar o movimento de rotação – duração de um dia neptuniano. Possui 13 luas confirmadas e uma ainda aguarda a confirmação por cientistas.

4.3. Planeta Netuno

4.4. Características

4.5. O planeta Netuno é composto, principalmente, de água muito quente, amônia e metano em seu núcleo, que tem aproximadamente o tamanho da Terra. A atmosfera é formada por hidrogênio, hélio e metano. Assim como Urano, a cor azulada brilhante de Netuno resulta da elevada quantidade de metano na atmosfera.

4.6. Por conta das peculiaridades do núcleo e atmosfera, Netuno também é chamado de gigante de gelo. Foi observado a primeira vez em 1612 por Galileu Galilei, mas sua descoberta só foi confirmada em 1845 pelas pesquisas de Johann Gottfried Galle, no Observatório de Berlim.

4.7. A sua principal lua, Tritão, foi descoberta 17 dias depois. Desde que foi descoberto, a primeira volta ao Sol de Netuno ocorreu em 2011. O planeta é invisível a olho nu por causa de sua extrema distância da Terra. O campo magnético de Netuno é cerca de 27 vezes mais potente que o da Terra.

4.8. Planeta Netuno

4.9. Netuno também é chamado de gigante de gelo

4.10. Os Anéis de Netuno

4.11. Netuno tem seis anéis conhecidos, todos localizados após as observações da sonda Voyager 2. Os anéis são não uniformes, mas têm quatro grossos Regiões (massas de poeira) chamado arcos e seriam jovens, com poucos bilhões de anos. Somente em 1984, astrônomos encontraram evidências da existência do sistema de anéis em torno de Netuno.

5. URANO

5.1. Com diâmetro de 51.118 quilômetros, Urano é o terceiro maior planeta do sistema solar (menor apenas que Júpiter e Saturno) e o sétimo a partir do Sol. A distância média desse corpo celeste para a estrela principal do sistema solar (Sol) é de 2,873 bilhões de quilômetros, interferindo diretamente nas temperaturas registradas no planeta: a temperatura média em Urano é de -195 °C.

5.2. A atmosfera desse planeta é composta por hidrogênio, hélio e metano; o núcleo é formado por rochas de gelo; também possui uma camada pastosa de metano solidificado. Urano, assim como Saturno, possui anéis em sua estrutura, mas eles não são luminosos. Pesquisas apontam que esses anéis são formados por partículas de poeira e blocos de gelo.

5.3. A absorção da luz vermelha pelo metano faz com que Urano tenha uma coloração azul-esverdeada, característica única entre os planetas do sistema solar. Outra peculiaridade é a forma como ocorre o movimento de rotação – gira deitado, apresentando sempre um dos polos voltados para o Sol.

5.4. O deslocamento em torno de seu próprio eixo, ou seja, movimento de rotação, é realizado em 17 horas terrestres, portanto, um dia em Urano tem duração de 17 horas. O movimento de translação (em torno do Sol) é finalizado em um tempo equivalente a 165 anos terrestres, pois a órbita de Urano é muito extensa.

5.5. As principais informações a respeito desse corpo celeste foram proporcionadas com a passagem da sonda Voyager 2. Através das informações obtidas por essa sonda, os astrônomos aperfeiçoaram a caracterização de Urano, sendo possível identificar 27 satélites naturais (Luas) e 10 anéis nesse planeta.

6. *PLUTÃO

6.1. Plutão é um planeta anão que está localizado a 5,9 bilhões de quilômetros distante do Sol.

6.2. Vale ressaltar que Plutão não é mais considerado um planeta do sistema solar desde 2006. Nesse ano, a União Astronômica Internacional o classificou como um "planeta anão" por conta das novas classificações que definiam um corpo celeste como planeta.

6.3. Assim, o grupo, formado por 2,5 mil cientistas, estabeleceu que para ser considerado um planeta, o corpo celeste deve:

6.4. assumir a forma arredondada;

6.5. ter gravidade própria a partir de sua volumosa massa;

6.6. orbitar em torno de uma estrela;

6.7. ser dominante na órbita.

6.8. Planeta Plutão

6.9. Plutão foi rebaixado à categoria de Planeta Anão em 2006

6.10. Características de Plutão

6.11. Um dia plutoniano demora 153 horas terrestres (cerca de 6 dias) e acontece por meio do movimento de rotação. Já um ano plutoniano corresponde a 248 anos terrestres. Isso corresponde ao tempo que ele leva para completar uma volta em torno do Sol através do movimento de translação.

6.12. Vale notar que a rotação de Plutão é retrógrada, girando de leste a oeste, como ocorre com Urano e Vênus.

6.13. O planeta tem semelhanças a um cometa porque sua atmosfera, descoberta em 1988, é frágil e se expande quando está mais próximo ao Sol. Ao mesmo tempo, ele executa o movimento inverso quando está distante, contraindo-se.