INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS IST's

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS IST's por Mind Map: INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS IST's

1. CANDIDÍASE

1.1. Infecção no trato geniturinário de ambos os sexos

1.1.1. Agente etiológico: Candida Albicans (fungo)

1.1.1.1. Vulvovaginite Vulva e vagina edemaciadas e hiperemiadas

1.1.1.1.1. Corrimento vaginal: Em grumos e inodoro

1.1.1.1.2. pH vaginal < 4

1.1.2. Não é doença de transmissão exclusivamente sexual

1.2. Diagnóstico: Clinico, ph Vaginal

1.3. TRATAMENTO

1.3.1. Não há necessidade de tratar parcerias sexuais assintomático

1.3.1.1. Gestantes e lactantes somente por via vaginal contra indicado tratamento oral

1.3.2. 1ª opção Miconazol creme 2% ou outros derivados Via vaginal por 7 dias

1.3.2.1. ou

1.3.2.1.1. Nistatina 100.000UI Via vaginal 1 vez/dia por 14 dias

1.3.3. 2ª opção Fluconazol 150mg Via oral - dose única

1.3.3.1. ou

1.3.3.1.1. Itraconazol 100mg 2 comprimidos Via oral 2x /dia por 1 dias

1.3.4. Complicações e recorrências Indução: Fluconazol 150mg Via oral 1x/dia por 1, 4 ou 7 dias

1.3.4.1. ou

1.3.4.1.1. Itraconazol 100mg 2 comprimidos Via Oral 2x/dia por 1 dia

1.3.4.2. Manutenção: fluconazol 150mg, Via oral 1x/semana por 6 meses

2. CERVIVITES

2.1. Mucopurulenta ou endocervicite

2.1.1. inflamação da mucosa endocervical

2.1.1.1. Agentes causadores: Neisseria gonorrhoeae, Clamydia trachomatis

2.1.1.1.1. Corrimento vaginal: Mucopurulento

2.2. Assintomáticas em 70 a 80%

2.2.1. Colo uterino edemaciado Sangra facilmente ao toque da espátula

2.3. TRATAMENTOS

2.3.1. Vide Gonorréia e Clamídia

3. CLAMÍDIA

3.1. Doença infectocontagiosa dos órgãos genitais femininos ou masculinos

3.1.1. Agente etiológico: Chlamydia trachomatis

3.1.1.1. Incubação: 2 semanas a 1 mês

3.1.1.1.1. Secreção uretral: escassa, translúcida e matinal

3.2. Diagnóstico: Clínico, Papanicolaou, sorologia

3.2.1. Agente etiológico: Neisseria gonorrhoeae

3.2.1.1. Incubação: 2 a 5 dias

3.2.1.1.1. Secreção uretral: Amarelada

3.3. Complicações: Salpingite, prostatite, infertilidade, DIP

3.4. TRATAMENTO:

3.4.1. 1ª opção: Azitromicina 500mg 2 comprimidos - Via oral Dose única

3.4.1.1. 2ª opção: Doxiciclina 100mg 1 comprimido - Via oral 2x/dia por 7 dias

4. DOENÇA INFLAMATÓRIA PELVICA - DIP

4.1. Síndrome clínica decorrente de ascensão de microrganismos do trato genital inferior

4.1.1. Espontânea ou inserção de DIU, biópsia de endométrio, curetagem

4.1.1.1. Compromete o endométrio (endometrite), tubas uterinas, anexos uterinos e/ou estruturas contíguas (salpingite, miometrite, ooforite, parametrite, pelviperitonite).

4.2. Os agentes etiológicos Neisseria gonorrhoeae e a Chlamydia trachomatis.

4.2.1. Complicação da Tricomoniase, da gonorréia, clamídia

4.3. FATORES RELACIONADOS

4.3.1. IST prévias ou atual; Múltiplos parceiros ou parceiro recente; Usar DIU; História de DIP; Parceiro com uretrite.

4.4. Diagnóstico: clínico, apresentar três critérios maiores mais um critério menor; Ou apresentar um critério elaborado.

4.5. TRATAMENTO

4.5.1. Ambulatorial

4.5.1.1. 1ª opção: Ceftriaxona 250mg intra muscular - dose única

4.5.1.1.1. E

4.5.1.2. 2ª opção: Ceftriaxona 500mg intra muscular - dose única

4.5.1.2.1. E

4.5.2. Hospitalar

4.5.2.1. 1ª opção: Ceftriaxona 2g Intravenosa - 4x/dia por 14 dias

4.5.2.1.1. E

4.5.2.2. 2ª opção: Clindamicina 900mg intravenosa 3x/dia por 14 dias

4.5.2.2.1. E

4.5.2.3. 3ª opção: Ampicillina/Subactam 3g intra venosa - 4x/dia por 14 dias

4.5.2.3.1. E

5. GONORRÉIA

5.1. Doença infecto contagiosa trato urogenital

5.2. Transmissão: Sexual ou fômites

5.2.1. Crianças: via de parto Conjuntivite gonocócica

5.3. Complicações: Artrite, meningite, pielonefrite, miocardite, septcemia, infertilidade e DIP

5.4. Diagnóstico: Clínico bacterioscopia e cultura

5.5. TRATAMENTO

5.5.1. Uretrite e infecções gonocócicas não complicadas

5.5.1.1. Ceftriaxona 500mg Intramuscular Dose única

5.5.1.1.1. mais

5.5.2. Retardamento de Infecções gonocócicas

5.5.2.1. 1ª Opção: Ceftriaxona 500mg Intramuscular Dose única

5.5.2.1.1. mais

5.5.3. Infecção gonocócica disseminada

5.5.3.1. Ceftriaxona 1g Intramuscular ou Intravenosa ao dia - completando 7 dias.

5.5.3.1.1. mais

5.5.4. Conjuntivite gonócocica

5.5.4.1. Cefitriaxona 1g Intramuscular Dose única

5.5.4.2. Doença infecciosa sistêmica

5.5.4.2.1. Evolução crônica

6. TRICOMONÍASE

6.1. Doença infecto contagiosa Sistema geniturinário de ambos os sexos

6.1.1. Agente etiológico: Trichomonas Vaginalis (protozoário)

6.1.1.1. Incubação: 1 a 2 semanas

6.1.1.1.1. Corrimento vaginal: Amarelo esverdeado, bolhoso, odor desagradável

6.1.1.1.2. pH vaginal quase sempre > 5,0

6.1.2. Homem muitas vezes assintomáticos

6.2. Diagnóstico: Exame direto da secreção Repetir citológico 3 meses - Causa alterações celulares.

6.3. Complicações Na mulher: DIP No homem: Prostatite, epididimite, Oligospermia

6.4. TRATAMENTO

6.4.1. Metronidazol 400mg 5 comprimidos - Via oral dose única (dose total do tratamento 2g)

6.4.1.1. ou

6.4.1.1.1. Metronidazol 250mg 2 comprimidos - Via oral 2x/dia por 7 dias

6.4.2. Uretrite por trichomonas vaginalis

6.4.2.1. 1ª opção: Metronidazol 250mg 2 comprimidos - Via oral 2x/dia por 7 dias

6.4.2.1.1. 2ª opção: Clindamicina 300mg Via oral 2x/dia por 7 dias

7. VAGINOSE BACTERIANA

7.1. Complicações: Parto pré maturo, Infecção puerperal, DIP, aumenta a chance de infecção pelo HIV

7.2. Transmissão: Primária na mulher sexual no homem

7.3. Diagnóstico: exame a fresco (presença de "clue cell")

7.4. Desequilíbrio Microbiota Vaginal

7.4.1. Agente etiológico: Gardnerella vaginalis, Moboluncus sp., Mycoplasma Hominis (bactéria)

7.4.1.1. Corrimento vaginal: homogêneo amarelo, branco ou acinzentado, com bolhas esparsas e odor desagradável

7.4.1.1.1. Odor acentuado durante o período menstrual ou após o coito 50% são assintomáticos

7.5. TRATAMENTO

7.5.1. 1ª opção: Metronidazol 250mg 2 comprimidos - Via oral 2x/dia por 7 dias

7.5.1.1. ou

7.5.1.1.1. Metronidazol 100mg/g Gel vaginal - 1 aplicador cheio ao deitar-se por 5 dias

7.5.2. 2ª opção: Clindamicina 300mg Via Oral 2x/dia por 7 dias

7.5.3. Recorrente: 1ª opção: Metronidazol 250mg 2 comprimidos - Via oral 2x/dia por 10 a 14 dias

7.5.3.1. ou

7.5.3.1.1. Metronidazol 100mg/g Gel vaginal - 1 aplicador cheio ao deitar-se por 10 dias

7.5.4. Não é recomendado o tratamento das parceiras sexuais

7.5.5. Puérperas recomendado o mesmo tratamento das gestantes

8. HPV

8.1. Agente etiológico: Papiloma virus humano

8.1.1. Período de incubação: 1 a 20 meses, média 3 meses

8.2. Transmissão: Sexual, vertical (canal de parto)

8.3. Diagnóstico: Clínico, inspeção (IVA), citologia e colposcopia.

8.4. Presença de lesões papilares formam condilomas (Verrugas)

8.4.1. Verrugas anogenital

8.4.1.1. Neoplasias intraepiteliais vaginais (NIVA), Vulvares (NIV), perineais (NIPE), penianais (PIN), anais (NIA)

8.5. Diagnóstico: tipicamente clínico, biopsia (histopatológico)

8.5.1. Mulheres: Lesões anogenogenitais Exame preventivo de câncer de colo uterino

8.5.2. Lesões anais: Exame proctológico com anuscopia e toque retal

8.6. TRATAMENTO

8.6.1. Foco nas lesões

8.6.2. Imiquimode 50mg/g creme: Manter até o desaparecimento das verrugas ou período máximo de 16 semanas. (contra-indicado na gravidez)

8.6.2.1. contra-indicado na gravidez

8.6.3. Podofilina 10-25% Aplicar em cada verruga e deixar secar, 1x por semana até desaparecer.

8.6.3.1. contra-indicado na gravidez

8.6.4. Ácido tricloroacético (ATA) a 80-90%: 1 vez por semana até oito a 10 semanas.

8.6.4.1. Indicado na gestação

8.6.5. Fluoracil 5%: Tratamento domiciliar 1 a 3 vezes por semana máximo por seis semanas.

8.6.5.1. Não usar em lesões vaginais;

8.6.6. Eletrocauterização

8.6.6.1. Crioterapia

8.6.6.1.1. Exérese cirurgica

9. SÍFILIS

9.1. Transmissão: Relação sexual, Transfusão sanguínea, vertical

9.2. Forma adquirida

9.2.1. Recente: primária, secundária ou latente recente

9.2.2. Tardia: Terciária

9.3. Forma congênita

9.3.1. Recente

9.3.2. Tardia

9.4. PRIMÁRIA

9.4.1. Cancro duro: lesão erosada ou ulcerada, geralmente única, indolor, com bordos endurecidos, fundo liso, brilhante e secreção serosa escassa (altamente infectante);

9.4.2. Homem: glande e sulco balanoprepucial;

9.4.3. Mulher: pequenos lábios, paredes vaginais e colo uterino;

9.4.3.1. É acompanhada de adenopatia regional não supurativa, móvel, indolor e múltipla;

9.4.4. Aparece de 1 a 3 semanas (até 3 meses) após o contágio.

9.4.5. Auto-limitada

9.5. SECUNDÁRIA

9.5.1. Aparece de 6 semanas a 6 meses;

9.5.2. Lesões cutâneo-mucosas, não ulceradas, acompanhadas de micropoliadenopatia generalizada e artralgias, febrícula, cefaléia e adinamia;

9.5.3. Manchas eritematosas (roséolas - tronco), pápulas elevadas em platô (sifílides papulosas), palma das mãos, planta dos pés, cavidade oral e genital, alopécia (couro cabeludo e sobrancelha).

9.6. LATENTE

9.6.1. 1 a 2 anos;

9.6.2. Após desaparecimento da fase secundária até o surgimento da fase terciária;

9.6.3. Dividi-se em Recente e tardia

9.6.4. Ausência de sinais e sintomas;

9.6.5. Sorologia positiva.

9.7. TERCIÁRIA

9.7.1. 1/3 dos pacientes sem tratamento;

9.7.2. 2 a 40 anos de infecção ;

9.7.3. Manifestações tegumentares, oculares, ósseas (artropatia), cardiovasculares (aneurisma aórtico e estenose coronariana), neurológicas (demência, mielite transversa) ou assintomática.

9.7.4. formação de gomas sifilíticas (tumorações com tendência a liquefação) na pele, mucosas, ossos ou qualquer tecido.

9.8. CONGÊNITA

9.8.1. Taxa de infecção: 70 a 100% (1ª e 2ª) e 30% (3ª);

9.8.2. Ocorre em qualquer fase gestacional ou estágio clínico da doença materna;

9.8.3. Óbitos fetais, abortos, prematuridade, baixo peso, hepatomegalia, lesões cutâneas, sofrimento respiratório, fissura peribucal, alterações ósseas, anemia, icterícia, hemorragia, meningite, retardo mental, surdez e cegueira;

9.9. DIAGNÓSTICO: Clínico, epidemiológico, laboratorial; Exames diretos e testes imunológicos, VDRL não-treponêmico; FTA-abs e Elisa (treponêmico); Raio X (congênita); Exame de líquor (SNC).

9.10. TRATAMENTO

9.10.1. Benzilpenicilina benzatina Administrada exclusivamente por via intramuscular .

9.10.1.1. Região ventro-glútea preferencial; Outros locais alternativos: região do vasto lateral da coxa e o dorso glúteo

9.10.2. RECENTE: Primária, secundária e latente

9.10.2.1. Benzilpenicilina benzatina 2,4 milhões UI Intramuscular - dose única (1,2 milhão UI em cada glúteo)

9.10.2.1.1. Alternativa: Exceto gestantes Doxiciclina 100mg 12/12H Via oral por 15 dias

9.10.3. TARDIA: Latente ou Latente com duração ignorada e Terciária

9.10.3.1. Benzilpenicilina benzatina 2,4 milhões UI Intramuscular - 1vez /semana (1,2 milhão UI em cada glúteo) por 3 semanas. Dose total 7,2 milhões UI - intramuscular

9.10.3.1.1. Alternativa: Exceto gestantes Doxiciclina 100mg 12/12H Via oral por 30 dias

9.10.4. NEUROSSIFILIS

9.10.4.1. Benzilpenicilina potássica/cristalina 18-24 milhões UI, 1x/dia - endovenosa. Doses de 3-4 milhões UI, a cada 4 horas por infusão contínua. por 14 dias

9.10.4.1.1. Alternativa Exceto gestantes Ceftriaxona 2g - intravebosa 1x/dia por10 a 14 dias

9.10.5. GESTANTES

9.10.5.1. Benzilpenicilinabenzatina

9.10.5.1.1. única opção segurae eficaz