Da monarquia a República

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Da monarquia a República por Mind Map: Da monarquia a República

1. A crise da monarquia no Brasil

1.1. O império brasileiro se organizou desde a constituição de 1824 outorgada por Dom Pedro I como um estado com fortes características centralizadora

1.1.1. Um dos marcos desse processo foi o Poder Moderador, que podemos caracterizar o Primeiro Reinado é o período regencial como momentos de grandes instabilidades. Esses 18 anos de história brasileira foram bem intensos debates políticos e diversas revoltas

1.1.1.1. As coisas se acalmaram com a instauração do segundo reinado. Porém em 1870, a monarquia começou a sofrer duras críticas. Após a guerra do Paraguai, as ideias republicanas passaram a compor de maneira mais contundentes a paisagem cultural de diferentes setore sociais brasileiros

2. Movimento republicano

2.1. Trata-se de uma herança do ideário progressista que se fazia presente na esfera pública brasileira desde a independência.

2.1.1. Participação carioca: sua participação criticava a centralização da monarquia, por isso se servia da referência federalista estadunidense. O federalismo era uma proposta descentralizadora, posto que defendia maior autonomia política para as províncias em relação a capital. Além disso o movimento republicano se posicionava contra a confessionalidade do estado, argumentando pela separação entre o poder político e religioso.

2.1.1.1. São Paulo: Sua composição estava vinculada aos produtores de café. A liderança partia de setores rurais.

3. O abolicionismo

3.1. Ganhou força após a guerra do Paraguai. A ideia de que os escravos deveriam ser libertos foi defendida de maneira mais contundente. Isso se deu pois a abolição nos Estados Unidos enfraqueceu o tráfico ilegal de cativos em todo continente, criando empecilhos ao embarque da mão de obra na costa africana é seu desembarque nos portos americanos.

3.1.1. O processo também foi impactado pela forte fiscalização que a Inglaterra fazia sobre as rotas de navegação no oceano Atlântico. Soma -se o protagonismo de muitos negros é negras, escravizados ou forros, que que lutavam por justiça social. O fim da escravidão no Brasil não envolveu um conflito militar, pois foi realizado paulatinamente com base em articulações legais, após a guerra do Paraguai.

4. Questão religiosa

4.1. O Brasil possuía uma religião oficial( católica). A constituição determinava que as ordens que vinham de Roma só valeriam no país se ganhassem a autorização do rei. O problema eclodiu quando os bispos de Olinda de do Pará, obedeceram a uma ordem vinda de Roma que não havia sido autorizada. O papa havia condenado a maçonaria, proibindo os católicos de frequentar é pertencer aos quadros maçons.

4.1.1. A questão estava atrelada a quanto o poder político imperial poderia ou não interferir na forma de organização de instituições civis. A centralização do poder na corte é à demanda por autonomia em diferentes setores na sociedade.

5. Questão Militar

5.1. Pode ser compreendida a partir da paulatina presença de setores militares na política, sobre tudo após a guerra do Paraguai. A insatisfação em relação à monarquia tinha como motivo mais evidente a concessão a civis de cargos estratégicos dentro da organização militar

5.1.1. O ato de Proclamação da República não teve expressiva participação popular. Às pressas a família imperial deixou o Brasil. A partir daí, a organização do estado seria reconfigurada é se iniciaria a primeira república brasileira.

6. O nascimento da ordem republicana brasileira

6.1. A proclamação da República fez emergir um governo provisório, com vistas a estruturar a transição para o novo regime. Marechal Deodoro assumiu o protagonismo,