EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO por Mind Map: EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO CIENTÍFICO

1. Origens do Pensamento Sistemico

1.1. Christian Von Ehrenfels: O todo é maior que a soma das partes

1.2. 1930: Ludwig Von Bertalanffy - Teoria Geral dos Sistemas

1.2.1. 1940: Bertalanffy apresenta teoria de organismo como um sistema aberto

1.2.1.1. Sistemas: Complexo de elementos em estados de interação

1.2.1.1.1. Totalidade e Globalidade - caracteristicas definidoras de um sistema

1.2.2. 1940: Teoria Cibernética

1.2.2.1. 1° Cibernética

1.2.2.1.1. Subdivisão: 1° Cibernética - Processos Morfoestáticos (causalidade linear)

1.2.2.1.2. Subdivisão : 2° Cibernética - Processos Morfogenéticos (causalidade circular retroativa e recursiva

1.2.2.2. 2° Cibernética

1.2.3. Conceitos basicos da Teoria Geral de Sistemas: Globalidade, não somatividade, homeostase, morfogênese, circularidade e equifinidade

1.3. Teoria da Comunicação de Bateson

1.3.1. Sintaxe (Informação)

1.3.1.1. Relação entre os sinais

1.3.2. Semantica (simbolos)

1.3.2.1. Relação entre os sinais e objetos

1.3.3. Pragmática (compostamentais)

1.3.3.1. Efeitos de linguagem sobre a linguagem

1.4. Watzlawick - Teoria da pragmática da comunicação humana

1.4.1. Mente é um fenômeno sistêmico característico dos seres vivos - Pressuposto da Intersubjetividade

1.4.1.1. Ciências físicas

1.4.1.2. Ciências biológicas

1.4.1.3. Ciências humanas

1.5. Critérios fundamentais para o pensamento sistêmico - natureza hierárquica - complexidade organizada

1.5.1. 1° Mudança das partes para o todo

1.5.2. 2° Capacidade de deslocar a atenção de um lado para o outro em niveis sistêmicos

1.5.3. 3° Mudança da ciência objetiva para a epistêmica

1.6. Trajetórias dos sistemas dinâmicos

1.6.1. Determinadas

1.6.1.1. Regidas por leis iniciais

1.6.2. Reversíveis

1.6.2.1. Reverte o sistema no estado inicial

1.6.3. Paradigma tradicional da ciência

1.6.3.1. Simplicidade

1.6.3.1.1. Analise

1.6.3.1.2. Relações causais lineares

1.6.3.2. Estabilidade

1.6.3.2.1. determinação - previsibilidade

1.6.3.3. Objetividade

1.6.3.3.1. Subjetividade entre parenteses

1.6.3.3.2. universo

1.6.4. Novo paradigma Sistemico da Ciência: Ciência Novo Paradigmática

1.6.4.1. Complexidade

1.6.4.1.1. Contextualização

1.6.4.1.2. relações causais recursivas

1.6.4.2. Instabilidade

1.6.4.2.1. Indeterminação - imprevisibilidade

1.6.4.3. Intersubjetividade

1.6.4.3.1. Objetivo entre parenteses

1.6.4.3.2. Multi-verso

1.6.5. Visão Linear: mundo mecânico = engrenagem das partes

1.6.6. Visão Sistemica: teia de relações= interconexões, interdependência

2. Terapia Familiar

2.1. Várias dinâmicas de grupo desenvolvidas ao longo do tempo ajudaram a terapia familiar a evoluir.

2.1.1. Década de 20

2.1.1.1. William McDougall

2.1.1.1.1. Continuidade de um grupo = ideias semelhantes entre os membros

2.1.2. Década de 40

2.1.2.1. Kurt Lewin

2.1.2.1.1. simplificou a maneira de lidar com sistemas familiares

2.1.3. Década de 50

2.1.3.1. Reconhecimento da importância da família no curso do tratamento

2.2. Movimento da orientação infantil

2.2.1. Freud

2.2.1.1. Transtornos psicológicos eram consequência de problemas infantis não-resolvidos.

2.2.1.1.1. Adler

2.2.2. Problemas trazidos pelas crianças estavam no contexto familiar que as cercava.

2.2.2.1. Terapia familiar se tornou a principal forma de tratamento nas clínicas de orientação infantil.

2.3. A influência do trabalho social

2.3.1. Assistentes sociais tentavam aliviar o sofrimento emocional das famílias dos clientes.

2.3.1.1. Profissionais que contribuíram antes mesmo da terapia familiar profissionais da saúde mental.

2.4. A pesquisa sobre dinâmica familiar e a etiologia da esquizofrenia.

2.4.1. área fértil para pesquisa pelos padrões de interação, acreditando que a terapia familiar poderia curar.

2.4.1.1. Gregory Bateson

2.4.1.1.1. (1) os múltiplos níveis de comunicação e (2) que padrões destrutivos de relacionamento são mantidos auto-regulando se as interações do grupo familiar.

2.4.1.2. Theodore Lidz

2.4.1.2.1. Papéis familiares rígidos e modelos parentais de identificação falhos: Cisma conjugal e Desvio Conjugal

2.4.1.3. Lyman Wynne

2.4.1.3.1. efeitos da comunicação e dos papéis familiares

2.4.1.4. Teóricos do papel

2.4.1.4.1. como os indivíduos se diferenciavam em papéis sociais dentro do sistema familiar

2.5. Aconselhamento de Casal

2.5.1. a terapia concomitante e conjunta para parceiros casados.

2.5.1.1. Foco mais profundo na psicologia e experiência dos indivíduos

2.5.1.1.1. Intercâmbios da díade e experiência subjacente dos relacionamentos íntimos.

2.6. Da pesquisa ao tratamento: os pioneiros da terapia familiar

2.6.1. Desenvolveu-se na psiquiatria hospitalar, dinâmica de grupo, psiquiatria interpessoal, movimento da orientação infantil, pesquisa sobre a esquizofrenia e aconselhamento de casal

2.6.1.1. John Elderkin Bell, Don Jackson, Nathan Ackerman e Murray Bowen, Jay Haley, Virginia Satir, Carl Whitaker, Lyman Wynne, Ivan Boszormenyi, Nagy, Christian Midelfort e Salvador Minuchin.

2.7. Os anos dourados da terapia familiar

2.7.1. 1960: “Vejam isso!”

2.7.1.1. 1970: “Vejam o que consigo fazer!”

2.7.1.1.1. 1970 a 1985: florescimento das famosas escolas de terapia familiar.

3. História do Tempo

3.1. Causa primeira- existência do universo

3.1.1. Razão Pura - antinomias de Kant: universo inicialmente pequeno

3.1.2. Hubble - universo em expansão

3.1.2.1. Teoria fisica = hipotese: constante contradição

3.1.2.1.1. objetivo final da ciencia é uma teoria que explique o universo como um todo

3.2. Teoria da Gravitação: equilibrio instável

4. após século XVI e XVII

4.1. Revolução científica

4.1.1. Noção de mundo como Máquina, rígido por leis matemáticas

4.1.1.1. principais pensadores

4.1.1.1.1. Galileu Galilei

4.1.1.1.2. Isaac Newton

4.1.1.1.3. Johannes Kepler

4.1.1.1.4. Nicolau Copérnic

4.1.1.1.5. René Descartes