TEORIA NEOCLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
TEORIA NEOCLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO por Mind Map: TEORIA NEOCLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

1. CARACTERÍSTICAS DA TEORIA NEOCLÁSSICA

1.1. 1. Ênfase na prática da administração

1.1.1. forte ênfase nos aspectos práticos da administração, pelo pragmatismo e pela busca de resultados concretos e palpáveis

1.2. 2. Reafirmação relativa dos postulados clássicos.

1.2.1. Retomam grande parte do material desenvolvido pela Teoria Clássica, redimensionando-a e reestruturando-a de acordo com as contingências da época atual, dando-lhe uma configuração mais ampla e flexível

1.3. 3. Ênfase nos princípios gerais de administração.

1.3.1. Esses princípios gerais, apresentados sob forma e conteúdo variados por cada autor, procuram definir o processo pelo qual o administrador deve planejar, organizar, dirigir e controlar o trabalho dos seus subordinados

1.4. 4. Ênfase nos objetivos e nos resultados.

1.4.1. Os objetivos são valores visados ou resultados desejados pela organização, que espera alcançá-los por meio de sua operação eficiente.

1.5. 5. Ecletismo nos conceitos.

1.5.1. Graças a esse ecletismo, a Teoria Neoclássica se afigura como uma Teoria Clássica atualizada e dentro do figurino eclético que define a formação do administrador

2. ASPECTOS ADMINISTRATIVOS COMUNS ÀS ORGANIZAÇÕES

2.1. Quanto aos objetivos:

2.1.1. As organizações não vivem para si próprias, mas são meios, órgãos sociais que visam à realização de uma tarefa social;

2.2. Quanto à administração:

2.2.1. Todas as organizações são diferentes em seus objetivos, em seus propósitos, mas são essencialmente semelhantes na área administrativa;

2.3. Quanto ao desempenho individual:

2.3.1. O desempenho individual é a eficácia do pessoal que trabalha dentro das organizações.

2.3.2. A organização é o seu instrumento, enquanto, concomitantemente, produz resultados necessários à sociedade.

2.4. As três funções do administrador

2.4.1. 1. Tornar economicamente produtivos os recursos organizacionais;

2.4.2. 2. Tornar produtivos os recursos humanos;

2.4.3. 3. Desempenhar uma função pública: o administrador é visível e representa alguma coisa na comunidade.

3. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ORGANIZAÇÃO

3.1. 1. Divisão do trabalho

3.1.1. Nada mais é do que a maneira pela qual um processo complexo pode ser decomposto em uma série de pequenas tarefas que o constituem

3.1.1.1. Níveis administrativos

3.1.1.1.1. Nível institucional

3.1.1.1.2. Nível intermediário ou nível do meio do campo

3.1.1.1.3. Nível operacional

3.1.2. As consequências que a divisão do trabalho trouxe no curto prazo foram:

3.1.2.1. Maior produtividade e melhor rendimento do pessoal envolvido

3.1.2.2. Maior eficiência da organização, como resultante do item anterior.

3.1.2.3. Redução dos custos de produção, principalmente de mão de obra e materiais diretos.

3.2. 2. Especialização.

3.2.1. Cada órgão ou cargo passou a ter funções e tarefas específicas e especializadas

3.3. 3. Hierarquia

3.3.1. Em toda organização formal existe uma hierarquia que divide a organização em camadas ou níveis de autoridade. À medida que se sobe na escala hierárquica, aumenta o volume de autoridade do administrador

3.3.1.1. Autoridade

3.3.1.1.1. 2. A autoridade é aceita pelos subordinados;

3.3.1.1.2. 3. A autoridade desce por meio da hierarquia verticalizada.

3.3.1.2. Delegação

3.3.1.2.1. É o processo de transferir autoridade e responsabilidade para posições inferiores na hierarquia.

3.3.1.2.2. 1. A autoridade é alocada em posições da organização, e não em pessoas;

3.3.2. Responsabilidade

3.3.2.1. Significa o dever de desempenhar a tarefa ou atividade para a qual a pessoa foi designada. O grau de autoridade é proporcional ao grau de responsabilidade assumida pela pessoa.

3.4. 4. Amplitude administrativa.

3.4.1. número de subordinados que um administrador pode supervisionar. Quando um administrador tem muitos subordinados, ele tem uma amplitude de comando ampla.

4. FUNCÕES DO ADMINISTRADOR

4.1. Planejamento:

4.1.1. É a função administrativa que determina antecipadamente quais são os objetivos a serem atingidos e como se deve fazer para alcançá-los.

4.1.1.1. Planejamento estratégico

4.1.1.2. Planejamento tático

4.1.1.3. Planejamento operacional

4.2. Organização:

4.2.1. 1. Organização como entidade social

4.2.1.1. Organização formal: baseada em uma divisão de trabalho racional que especializa órgãos e pessoas em determinadas atividades.

4.2.1.2. Organização informal: emerge espontânea e naturalmente entre as pessoas que ocupam posições na organização formal e com base nos relacionamentos humanos como ocupantes de cargos.

4.2.2. 2. Organização como função administrativa e parte do processo administrativo

4.2.3. A organização pode ser estruturada em três níveis diferentes:

4.2.3.1. Nível global

4.2.3.1.1. A organização que abrange a empresa como uma totalidade.

4.2.3.2. Nível departamental

4.2.3.2.1. Abrange cada departamento da empresa. É o chamado desenho departamental ou simplesmente departamentalização

4.2.3.3. Nível das tarefas e operações

4.2.3.3.1. Focaliza cada tarefa, atividade ou operação especificamente. É o chamado desenho dos cargos ou tarefas. É feita por meio da descrição e análise dos cargos.

4.3. Direção:

4.3.1. A direção está relacionada com a ação, com o colocar-se em marcha, e tem muito a ver com as pessoas. Ela está diretamente relacionada com a atuação sobre os recursos humanos da empresa.

4.3.2. A direção é a função administrativa que se refere às relações interpessoais dos administradores em todos os níveis da organização e os seus respectivos subordinados.

4.3.3. Abrangência da direção

4.3.3.1. Nível global

4.3.3.1.1. Abrange a organização como uma totalidade. É a direção propriamente dita.

4.3.3.2. Nível departamental

4.3.3.2.1. Abrange cada departamento ou unidade da organização. É a gerência.

4.3.3.3. Nível operacional

4.3.3.3.1. Abrange cada grupo de pessoas ou tarefas. É a supervisão.

4.4. Controle:

4.4.1. 1. Como função restritiva e coercitiva

4.4.1.1. Utilizado no sentido de coibir ou limitar certos tipos de desvios indesejáveis ou de comportamentos não aceitos.

4.4.2. 2. Como um sistema automático de regulação

4.4.2.1. Utilizado no sentido de manter automaticamente um grau constante de fluxo ou de funcionamento de um sistema.

4.4.3. 3. Como função administrativa

4.4.3.1. É o controle como parte do processo administrativo, como planejamento, organização e direção

4.4.4. Abrangência do controle

4.4.4.1. Enquanto o planejamento abre o processo administrativo, o controle serve de fechamento. Da mesma forma como ocorre com o planejamento, a abrangência do controle também pode ser feita nos níveis global, departamental e operacional, respectivamente, dentro dos planos estratégico, tático e operacional.

4.4.5. Fases do controle

4.4.5.1. 1. Estabelecimento de padrões ou critérios

4.4.5.2. 2. Observação do desempenho

4.4.5.3. 3. Comparação do desempenho com o padrão estabelecido

4.4.5.4. 4. Ação corretiva