Aspectos Físicos Nordeste

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Aspectos Físicos Nordeste por Mind Map: Aspectos Físicos Nordeste

1. HIDROGRAFIA

1.1. CONCEITOS GERAIS

1.1.1. De acordo com Ab'Saber "um magro sistema de cursos d'água de áreas semi-áridas, intermitentes e irregulares, dotados de fraquíssimo poderio energético. Isto porque as cabeceiras dos rios nordestino, ao contrário do que acontece com as do Brasil Sudeste, nascem onde as precipitações, em geral são medíocres e onde os vales, em vastos trechos de suas porções superiores e médias, são desprotegidos do quorum de precipitações anuais suficientes para as alimentar permanentemente". Tem papel fundamental a medida que o médio São Francisco segue a sentido norte e depois à nordeste, tem contribuição indispensável até lá, entretanto começa a se tornar menos potente por causa dos seus afluentes. O rio São Francisco constitui exceção na zona do .Sertão, pois, apesar de apresentar sensível diminuição de seu volume de água devido à evaporação e a pequena contribuição de seus tributários , deficientemente alimentados, comporta-se todavia como um rio perene.

1.1.1.1. Rios de Regime Equatorial

1.1.1.1.1. Caracteriza-se o regime equatorial nos rios maranhense Gurupi, Turiaçu, Mearim, Grajaú, etc, de comportamento semelhante aos dos afluentes meridionais do rio Amazonas. Nota-se que em grande parte da área drenada por essas Bacias do Nordeste ocidental, embora o período mais chuvoso seja ainda o verão, as precipitações prolongam-se pelo Outono, com máximo retardado para este período; no entanto, esses rios tem suas nascentes nos chapadões meridionais, onde as chuvas são nitidamente de regime tropical típico, com máximo ocorrendo mesmo no verão. Esses rios maranhense têm máximo de verão, nas seções correspondentes ao alto curso e máximo de Outono, a jusante, próximo da foz. Nas cheias os rios transbordam, inundando a planície e formando verdadeiros mares de água doce. Nos baixos as águas represadas transformam-se em lagos,alguns dos quais chegam a manter-se durante todo o ano, porém com grande oscilação no nível das águas, entre as estações chuvosa e seca.

1.1.1.2. Rios do Regime Tropical

1.1.1.2.1. Aqueles que fazem parte da Bacia do São Francisco (excluindo as bacias dos afluentes secundários) e os da bacia do Parnaíba (exceto os afluentes a margem direita).

1.1.1.3. Rios de Regime Temporário

1.1.1.3.1. Rios que correm apenas no período em que caem as chuvas, secando completamente durante a longa estiagem que aí se verifica. Comumente, esses rios se transformam em verdadeiras estradas de areias e seixos mal rolados, interrompidas, de vez em quando, por poças de água. São os leitos secos, denominados regionalmente, de rios "cortados", a despeito de atravessarem área sedimentar com boa capacidade de armazenamento de água no subsolo.

1.1.1.4. Rios de Regime Diversificado das Bacias do Leste

1.1.1.4.1. Regime se caracteriza por uma irregularidade mais acentuada, com vazante de Inverno-Primavera no alto curso que pode prolongar-se durante o Verão. " Quanto aos rios do sul do Recôncavo, a partir do Paraguaçu, registram no alto curso vazantes também de Inverno-Primavera, porém menos acentuadas, pois as precipitações tornam-se menos irregulares no sentido do sul, num prenúncio de transição para os regimes mais regulares dos rios da Região Sudeste. No baixo curso dos referidos rios as chuvas abundantes da orla litorânea, de maior incidência nos meses de abril e maio, atenuam essa variação e dão ensejo a enchentes.

2. SOLOS

2.1. SOLOS DA ÁREA SEMI-ÁRIDA

2.1.1. Solos vermelhos-amarelos com baixa acidez e pedregosos.

2.2. SOLOS CORRELACIONADOS COM A ZONA DA MATA E LITORA

2.2.1. Zona da Mata

2.2.1.1. Solo escuro e fértil (massapê)

2.2.2. Litoral

2.2.2.1. Solos hidromórficos encharcados e aluviões

2.3. SOLOS DO MEIO NORTE

2.3.1. Nos terrenos baixos e várzeas o solo mais frequente é a laterita hidromórfica de textura mais arenosa , sendo solos áridos , de coloração acinzentada ou vermelha com intensa concentração de dióxido de ferro.

3. CLIMA

3.1. NORDESTE

3.1.1. -Clima tropical; - Alternância entre estação seca e chuvosa; -Tropical úmido ; -Tropical semiúmido.

3.2. MANCHA SEMI-ÁRIDA

3.2.1. -Chuvas escassas e irregulares; -Torrencialidade .

4. Vegetação

4.1. 1 - Floresta Perenifólia Higrófila Costeira ou Mata Atlântica

4.2. 2 - Floresta Perenifólia higrófolia Hileiana Baiana ou Floresta

4.3. Tabuleiros Terciários

4.4. 3 - Floresta Sucaducifôlia Tropical Amazônica

4.5. 4 - Cerrado semi-árido

4.6. 5 - Campos inundáveis

4.7. 6 - Caatinga

4.7.1. Caatinga arbórea Alta Caatinga arbórea Caatinga arbórea arbustiva

4.8. 7 – Vegetação Litorânea (Manguezal)

4.9. 8 – Floresta caducifólia não espinhosa

4.10. 9 – Floresta Subcaducifólia tropical

5. RIQUEZAS MINEIRAS

5.1. - Petróleo - Minério de Ferro -Mármore -Calcário -Chumbo,cobre -Jazidas de Urânio -Salgema